Quem criou e para quê a Empresa Frente Tejo?

O que se discortina nos objectivos desta empresa é retirar à Camara Municipal de Lisboa a propriedade e a gestão dos terrenos da frente Tejo, que têm um valor incalculável e, com isso, retirar esses terrenos do âmbito do PDM da cidade.

Para alguem ficar com as mãos livres, portanto. O lugar de Presidente da empresa é tão apetecível que o governo convidou José Miguel Judice que aceitou, deixando o seu escritório de advogado, um dos tais três que, na sua opinião, deveriam ser sempre consultados pelo governo para as empreitadas de consultoria.

Tudo isto na altura em que Santana Lopes era o presidente da câmara. Logo que substituído por Costa as coisas não andaram e Júdice acabou por recusar o lugar, não chegando a execer . Parece estarmos aqui perante um “by pass” à câmara que deixou de ser necessário quando alguem da mesma cor política foi para o lugar.

Por outro lado há a APL que tem como função gerir o porto de Lisboa (conforme indica o próprio nome) mas que não deixa de apresentar projectos megalómanos tambem para a frente do rio.

Não seria de bom tom sabermos exactamente o que se passa, quem é quem e quem faz o quê?

Aí está um bom tema de campanha!