POEMAS DO SER E NÃO SER

Não vai dar ao mar
o rio de lágrimas caladas
nascido de bocas fechadas
e olhares distantes.

Quedou-se a vida um momento
entre o suspiro e o espanto.

Para lá da muralha
feita de vidro e de tempo
grande como a amargura
o sonho ganhou figura
em forma de aparição
resplandecente
do sol da tarde
ainda ardente.

O rosto de sempre
do outro lado da estrada
frente ao rio que vai dar ao mar.
Nem a dimensão do meu grito
fez o silêncio calar.

Fugaz doçura
sorriso breve
ninguém sabe cantar
a canção que eu ouvia.

E tudo não passava de nada!

Era um violino a chorar
no rosto de sempre
do outro lado da estrada
frente ao rio que vai dar ao mar.

                   (adão cruz)

(adão cruz)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.