O meu tio Alfredo Prior eleito em Longroiva

O meu tio Alfredo, ainda não eram 20 horas e já me telefonava a dizer-me que tinha ganho. Diz à família que ganhei, continuo presidente da Junta e que não consigo livrar-me disto, mesmo que eu faça ver que com 80 anos isto já não é para mim. E eu, na conversa mole de há 30 anos, mas tio tem que ser, o tio é quem melhor conhece a freguesia, tem tempo para ir às courelas e tratar das suas coisas, afinal quem é que fica no seu lugar ?

A verdade é que o meu tio Alfredo, poeta popular, músico e “entretainer” popular, que toca três instrumentos sem saber uma nota de música que seja, 1.60 m de altura e 60 kilos de peso, é um autarca como já não há mais. É presidente da Junta porque para ele política é dar o exemplo,é gostar das pessoas, ajudar quem precisa, ser a voz dos que não a têm, sujeitar-se a pedir aos poderosos o que é necessário para a sua freguesia e para a sua gente, ele que não precisa, nos anos sessenta foi de assalto para França, com um rancho de filhos atrás.

Não vai ao médico, mesmo quando é preciso não vai, há dez anos começou a ver mal, foi ao médico, julgava que lhe davam uns óculos, em vez dos óculos deram-lhe injecções nos olhos, melhorou, mas nunca mais.

Há cinco anos, em dia de chuva, ía ele no seu carro com a mulher para a Meda, foi albarroado por um carro que perdeu a mão e o atingiu em cheio. Três mortes, as duas mulheres do outro carro e a minha tia. Telefonei para o Hospital, o melhor era não pensar mais no meu tio, ía a caminho do Porto muito mal, já operado à boca e ao maxilar para poder respirar, mas muitas contusões internas, enfim é a vida.

No outro dia de manhã, já os familiares o encontraram pior que estragado porque lhe queriam dar de beber por uma palhinha o que, para ele, isso sim era matá-lo. Ele bem sabia o que é que os “francius” diziam de quem assoprava na palhinha, nem morto. Dois dias depois estava melhor, precisava só de lhe comporem a boca e de lhe ajeitarem o externo e uma vértebras, partidas e fora do sítio. Coisa pouca, dizia o meu tio, meio palavras, meio escrita, em verso claro!

E eu para o médico, mas sr dr. o homem tem a idade que tem, aguenta-se?

São assim os vencedores!

Comments

  1. maria monteiro says:

    pois pena que sejam poucos os vencedores como o senhor seu tio.