A máquina do tempo: «O telelixo é uma droga pesada!»

Todos temos horas, mais ou menos certas, para despejar o nosso lixo – a televisão também – chama-lhe prime-time ou horário nobre – vai desde as seis da tarde até às dez horas da noite. Hoje a nossa máquina fica pelo presente para mais uma vez falarmos do telelixo que a televisão generalista (e não só) nos despeja diariamente em casa. Para nós, a importação e a produção de lixo televisivo, de uma forma consciente e industrializada, começou há cerca de dez anos. Até então, já tínhamos lixo no pequeno ecrã, mas eram detritos domésticos, artesanais, ingénuos, se comparamos com o que hoje recebemos. Aliás, o conceito de telelixo aprofundou-se ao longo desta última década – há tratados, há filósofos (como Gustavo Bueno) que se especializaram na abordagem do tema. Na rede, circula alguma matéria interessante sobre o assunto.

Precisamente com este título – «O telelixo é uma droga pesada» – encontrei um magnífico texto de Ramiro Marques, do qual já havia lido algumas peças relacionadas com a questão dos professores. Começa por nos lembrar que a Holanda é o maior entreposto europeu de fabrico e distribuição de drogas sintéticas, para depois afirmar que o mesmo país é a sede do maior grupo europeu de produção de concursos, reality shows, novelas da vida real – ou seja o telelixo com que os canais generalistas preenchem os seus horários nobres. Refere-se à nossa bem conhecida Endemol.

Ramiro Marques enuncia depois a composição do telelixo – conteúdos que imbecilizam as pessoas, as tornam insensíveis à dor, à violência e à crueldade, lhes cria falsas necessidades, lhes transmite versões distorcidas da realidade e lhes inculca contravalores. Os próprios noticiários, começam a ser moldados por esta visão perversa do negócio televisivo, abrindo com notícias de crimes, explorando exaustivamente os delitos de natureza sexual, bem como assaltos à mão armada e homicídios.

Recorda que as crianças portuguesas vêem, em média, três horas diárias de televisão, cinco nos fins-de-semana, ficando expostas, com a vulnerabilidade própria da sua inexperiência, a toxicidade do telelixo. A esta exposição, acrescente-se o tempo que crianças e adolescentes dedicam à navegação em websites e salas de chat (também distribuidores de lixo ou de veneno para a mente). Como diz, os efeitos devastadores da absorção e dependência do telelixo, não são menores que os do consumo de drogas pesadas, atingindo um universo muito maior. E, continua, do mesmo modo que os pais lutam por afastar os filhos do ice ou do ecstasy, da cocaína ou da heroína, o mesmo devem fazer contra o viciante consumo do telelixo.

E, conclui dizendo que, infelizmente, ao contrário do que acontece com os narcotraficantes e com os passadores, os proprietários, editores e directores de programas dos canais de televisão que promovem a subida das audiências à custa do telelixo, não são nem punidos, nem sequer alvo da censura social, transformando-se em celebridades e empresários de sucesso. Contudo, os efeitos do telelixo na mente, no carácter e na vida dos jovens podem ser devastadores, tal como o consumo de drogas pesadas – o telelixo, veneno da mente, é uma droga pesada. Belo texto, que deve, o mais possível, ser divulgado.

Em Espanha corre um manifesto ou abaixo-assinado contra o telelixo – tvbasura@arrakis.es – definindo primeiro o que é telelixo e pontualizando depois os seus efeitos nefastos, comparando-o a um vírus informático ou a um cancro, cujas metástases têm tendência para tudo invadir e destruir. Exigem os signatários que os Poderes Públicos responsabilizem os canais de televisão, os anunciantes, os programadores e os profissionais, sem descartar a responsabilidade dos cidadãos que se deixam enganar pela falácia do «espectador soberano» que, segundo os «dealers» televisivos, é quem exige cada vez mais lixo. O que até é verdade, pois os tóxico-dependentes, induzidos ao vício, ficam totalmente dependentes do consumo das drogas que os destroem. Também eles exigem a sua dose diária, facto que não inocenta os traficantes. Penso que deveríamos pensar num amplo movimento semelhante ao dos nossos vizinhos.

O silêncio é cúmplice do crime. Penso, por isso, que seria útil desencadearmos uma iniciativa semelhante.

Comments

  1. Adão Cruz says:

    Muito bem aventado Carlos Loures. O telelixo é, com efeito, um dos grandes cancros desta nossa “magnífica democracia”. Não faltará quem comente dizendo que a democracia não tem culpa! Uma verdadeira democracia não teria culpa, pois simplesmente, pelo facto de ser uma verdadeira democracia, nunca tal abandalhamento permitiria. Tem toda a culpa e mais alguma, esta merda e esta fossa, este nojo de sistema podre, corrupto, telelixo-dependente, a que têm o descaro de chamar democracia.

  2. isac says:

    Toda a razão e mais alguma. Mas que tipo de iniciativa? Manifesto? Não tenho muita queda para a escrita, mas ofereço-me desde já para ajudar no que puder.

    • Beto says:

      Bem, se tu queres ver como que o Brasil está sofrendo com o “telelixo”, é só procurares “lixo cultural brasil” no Google.

    • Beto says:

      Aliás, um brasileiro porco chamado João Kleber apresentou no seu país um daqueles programas dele.


  3. Os espanhóis chamaram-lhe manifesto, nõs podemos chamar-lhe o mesmo ou outra coisa, petição, por exemplo. Dentro de dias, lançarei aqui um primeiro esboço e agradeço a sua colaboração, Isac, bem como a de todos que a nós se queiram juntar para chegarmos a um texto final. Depois é recolher assinaturas. Parece-me que devemos avançar com a recolha de adesões só depois de concluído o processo do Salgueiro Maia. Duas petições em simultãneo, pode resultar mal.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.