Letra e espírito – Saramago e Carreira das neves

Afinal a diferença de opiniões sobre a Biblia não é mais que a discussão entre  duas formas de a  interpretar. Literal ou metaforicamente.

 

Se literal, o que Saramago faz, ele que, como bem observa António Pina, é um genial criador de metaforas, então a Bíblia não passa de um "manual de maus costumes". Se interpretada como forma  metaforica de explicação divina, então o "espírito" das "sagradas escrituras" estaria nas mãos da Igreja e só esta a saberá interpretar .

 

Saramago, reinvinda, para si e para os não crentes, o direito à heresia e à dissidência. Reinvindica o direito à não aceitação da interpretação "espiritual" e "divina" que a Igreja dá á Bíblia.

 

O Padre Carreira das Neves, apresentou como grande argumento o facto de só numa biblioteca em Jerusalém haver 300 000 livros e em Mafra, (o do Manual do Convento) mais 200 000 livros a falarem da Bíblia, o que mostra bem como se trata de textos extraordinários.Todas estas milhares de pessoas que escreveram e interpretraram os textos sagrados não podem ser todas estúpidas .

 

Reconheço que Saramago esteve melhor do que eu previa e que Carreira das Neves não deu uma para a caixa, mesmo estando do lado de Deus.

 

Enfim, ganhamos todos com esta discussão porque aprendemos todos e voltamos ao princípio. O que interessa mesmo é estarmos de bem com nós mesmos e com o próximo! ( puxa, vem na Bíblia….)

Comments

  1. M. Abrantes says:

    Até agora ainda não ouvi Saramago sugerir a nenhum religioso que abandone a nacionalidade. Nem o ouvi ufanar-se por ter, noutros tempos, censurado alguém. Ora isto não são coisas pequenas.


  2. Belíssimo argumento!

  3. maria monteiro says:

    Luís, essa é a mais verdadeira de todas as verdades… estar de bem com nós mesmos e com o próximo No ano e meio que acompanhei uma amiga na Clínica Psiquiátrica S.José tive oportunidade de falar muitas vezes com PCarreira das Neves porque ele aparecia por lá e celebrava missa… aprendi que para amar e ajudar os outros não é preciso saber, estudar, ler a Bíblia e preciso mesmo e só amar Ps a minha amiga foi muito mal amada exactamente por gente que sabia a Bíblia de cor e salteado


  4. Gostei do debate. Quer o Saramago, quer o Carreira das Neves, expuseram com simplicidade e dignidade os seus pontos de vista. Saramago reduziu a sua crítica às devidas proporções – é só um livro e uma opinião de autor. O padre foi sucinto e colocou com rigor a posição (certa ou errada, não interessa para aqui) da Igreja. O Crespo não esteve mal, com uma ou outra pequena falha nos trabalhos de casa (como, por exemplo, quando disse que Lutero tinha traduzido a Bíblia do Latim…). Mas foi, na minha opinião, um bom debate que vem esvaziar a polémica. O que prova que é com o diálogo que as coisas se resolvem e não com insultos imbecis e cobardes como os que, de alguns anónimos, aqui apareceram.