As Honduras muito bem explicadas a Miguel Sousa Tavares

Recordo que a pergunta do tal referendo que Zelaya tentou organizar era “¿Está de acuerdo que en las elecciones generales de 2009 se instale una cuarta urna en la cual el pueblo decida la convocatoria a una asamblea nacional constituyente?”; ou seja, a questão a referendar era se, no dia das eleições gerais (as tais que ocorreram na semana passada) deveria também ser votada a eleição de uma assembleia constituinte. Ora, tal nunca poderia servir para Zelaya se candidatar a um segundo mandato, como MST escreve: mesmo que a tal constituinte retirasse a proibição constitucional da reeleição, isso ocorreria já sob um novo presidente.

no Vento Sueste

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Pois, sim! A revisão constituicional está prevista na própria constituição, Zelaya quiz dar um passo maior que a perna.


  2. Os limites a uma revisão constitucional nas Honduras são típicos de uma constituição que ainda vem da ditadura, como é o caso. É uma constituição para perpetuar as mesmas 30 famílias no poder, numa oligarquia insuportável. E esse é o problema.

  3. Luis Moreira says:

    Sim, acredito que o presidente tenha tido rectas intenções, mas deu um pretexto a quem está sempre pronto a lixar a democracia e o povo. Valha-nos o Lula que não larga!