Prioridade para o mar: Exploração energética

No «post» anterior: Centros náuticos


Devem ser definidas áreas com potêncial de exploração energética (de recursos fósseis e renováveis) e biotecnológica e criados centros de investigação.
Avançar com as tecnologias já disponíveis de aproveitamento do vento em off shore e da energia das ondas. O nosso mar tem áreas de grande potencial quer de vento quer da ondas, e há vários projectos e investidores que já mostraram o seu interesse.
Acresce que com esta energia limpa e inesgotável vai ser possível avançar com a dessalinização da água do mar e tornar esta tecnologia viável economicamente.
Toda a água consumida em Porto Santo já provém do mar e no futuro esta oportunidade, com a escassez de água, que é certa, pode tornar o país altamente competitivo.
INVESTIGAÇÂO APLICADA – são sugeridas a integração de linhas de investigação aplicadas, a criação de uma base de apoio à investigação oceonográfica no Atlântico, parcerias internacionais na área das pilhas de combustível e promoção da certificação de escolas de formação profissional.

Comments

  1. joão Nunes says:

    “vários projectos e investidores que já mostraram o seu interesse.”

    Ou seja: vários caçadores de subsídios que fazem lixo e depois fogem com o dinheirinho no bolso.

    Enquanto não tivermos esgotado todo o potencial eólico em terra, não se deve avançar para o mar. Já há lá lixo que chegue.
    Fazer primeiro, onde é mais acessível, fácil de instalar e transportar a energia. Depois, quando já não houver mais sítios para plantar ventoínhas, avançar para o mar, que continuamos a não saber de quem é.
    Quanto à coisa das ondas, só depois das ventoínhas.
    O resto, é o costume, andar com o carro à frente dos bois.
    Mas para começar, podia-se poupar muita energia, em muita coisa que a desperdiça.
    Começar a mudar as mentalidades por aí, não era mal pensado.
    Isto das renováveis é uma coisa com tanta aldrabice pelo meio, o preço a que é paga, por exemplo, que quando for assim, muita, vai ser uma desilusão. O que é importante nas renováveis é a história dos subsídios. Quando estes acabarem, acaba o interesse pela ecologia.
    Um destes dias, por via disso, a madeira para queimar, vai ser mais bem paga que a madeira para papel.
    Os pellet’s estão na moda, aí já se nota o que acabei de dizer.
    Informe-se e depois diga qualquer coisa.

  2. Luis Moreira says:

    As renováveis vão ter o mesmo ciclo de vida de todas as tecnologias. O petróleo é cada vez mais caro ( não é uma previsão é já uma certeza) e o preço vai tornar as renováveis competitivas. É assim com todos os serviços e todos os produtos. E não aproveitar a única “vantagem” que temos que é o mar, não parece ser razoável.

  3. Talvez... says:

    Além disso, temos a maior ZEE da União Europeia – e a energia do mar é uma boa maneira de a aproveitar.
    Além de que, com a dessalinização, muita gente deixará de ter as torneiras secas no Verão.

  4. Nightwish says:

    As renováveis são uma treta, caras e dependentes do vento/sol/etc. Nada nos safa de termos a energia baseada em centrais que geram energia a pedido, sendo a nuclear a única verde.
    Não obstante, as renováveis podem ser usadas para complementar, como é o caso da energia solar para aquecimento, que rezam as contas que rapidamente se paga a si própria.

  5. Luis Moreira says:

    A energia vai ser um mix delas todas.

Trackbacks


  1. […] This post was mentioned on Twitter by Blogue Aventar. Blogue Aventar said: Prioridade para o mar: Exploração energética: No «post» anterior: Centros náuticos Devem ser definidas áreas com … http://bit.ly/akDQGy […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.