Taiwan e China Imperiais

A globalização, brutal e desregulada, vem causando às economias ocidentais graves crises económico-sociais. A Europa, continente pioneiro na criação e manutenção do Estado Social, é das regiões mais afectadas. Taiwan e China, e o estatuto imperial adquirido, constituem-se como adversários imbatíveis; sobretudo se mantida a conivência de organismos como a OMC e a OIT – atente-se, a propósito, no artigo publicado há dias pela insuspeita The Economist.

De facto, enfrentando a concorrência de países sem princípios e regras sociais, ou seja, de economias onde prevalece o chamado “dumping” social, é difícil, para não dizer impossível, aos governos europeus manter políticas de maior equidade na distribuição de rendimentos e manutenção de empregos e serviços de interesse público; em particular serviços das áreas da Justiça, da Educação e da Saúde; todos sob ameaça de desmantelamento, pelo menos parcial. Por exemplo, a subsistência do nosso SNS e da fonte inspiradora, o NHS do Reino Unido, está posta em causa. As medidas do actual governo e as intenções do candidato à alternância governativa em Portugal, assim como os propósitos anunciados pelo recém-eleito PM do Reino Unido, David Cameron, não suscitam dúvidas quanto ao esperado desfecho.

Ainda por cima, não é incomum ouvir declarações do género: “O Estado tem de retirar-se do papel de prestador, mesmo na Saúde e na Educação, limitando-se, isso sim, a exercer funções de regulação”. Quero crer que muitos dos defensores desta ideia o fazem porque acreditam nela. Eu estou entre os cépticos e questiono: “O que pode fazer isoladamente um Estado, ainda para mais reduzido de poderes como nosso, para através da regulação nacional controlar os efeitos económico-sociais adversos e enormes de um mundo globalizado e desregulado?”. E respondo: “Muito pouco” – para não dizer “Nada!”. [Read more…]

Passos coelho em jantar com os Blogues:

O Presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, está neste momento a jantar com bloggers em Lisboa. O Aventar, obviamente, está presente.

Amanhã teremos um resumo.

Scolari no FCP: Será?

Hoje um amigo disse-me que o Scolari é o próximo treinador do F.C. Porto. A ser verdade só me resta o silêncio…é que as GRANDES dores são mudas!

Portugal Arruinado

A nação não presta, dizia o abade Correia da Serra. Ao longo dos últimos séculos, a inteligentsia portuguesa, profundamente permeável a modas parisienses, foi esquecendo o obrigatório papel de formação, a que noutras latitudes estaria inteiramente dedicada como primordial missão. Os Correias da Serra reproduzem-se geração após geração – a Conferência do Casino foi um marco que ainda vinga -, auto exilando-se na sua própria terra ou rumando para o estrangeiro, onde finalmente poderão sonhar com uma proeminência que afinal raramente chega. Escolhendo países onde o estudo e a participação cívica fazem parte da normalidade quotidiana, é com surpresa que depararão com verdadeiras coortes de gente tão ou mais interessante do que eles próprios, sem que por isso os demais sejam forçosamente levados a curvaturas de espinha em respeitoso e embascado silêncio. Passam despercebidos e sentem-se mal. Paciência.

A televisão tornou-se no grande teatro que preenche a vida da casa, mesmo quando esta se encontra plena de gente que se dedica aos seus afazeres mais ou menos rotineiros e que oscilam entre o cuidado com a sua subsistência e os imperativos que a tecnologia trouxe. Os Correias da Serra ocupam quase integralmente os canais televisivos de informação por cabo, desfiando rosários de desgraças, amargas críticas e insinuações a respeito de gente desqualificada, inferior e capaz de todas as enormidades, mas que afinal, são a sua razão de ser. Barricados nas suas torres de menagem, não se preocupam em despertar o interesse da maioria dos compatriotas, mas sim em defender ciosamente o seu resplandecente espaço cerebral que decerto não terá rivais à altura. Poucos os entendem, não têm qualquer poder de captação de audiências e aquele grotesco pessimismo que faz escola, é por si capaz de tornar insuportável a simples visão daquelas faces carrancudas e tristonhas. Quantos Josés Hermanos Saraivas temos em Portugal? Posicionamento político à parte, este contador da História concita a violenta repulsa daqueles que sendo oficiosamente os seus pares, não suportam a popularidade e o magnetismo pessoal de um homem capaz de prender a atenção de multidões. Numa lodosa turfeira de desgraças e autocomiseração, JHS é aquele estreito caminho de terra enxuta que atrai os viandantes há muito órfãos do torrão que subitamente passam a olhar como imenso e até então insuspeitado. Será de direita e esse facto pouco interesse terá, se compararmos as por vezes discutíveis análises de eventos de um passado nebuloso, com o reacender da chama, mesmo que bruxuleante, de uma consciência identitária que para o melhor e para o pior, garantiu a existência de Portugal no decorrer de quase nove séculos. Desejável seria termos outros JHS das mais diversas filiações ideológicas e que pudessem contribuir decisivamente para afastar o rançoso complexo de inferioridade que criminosamente nos é inculcado há tanto tempo, há mais de seis ou sete gerações!

[Read more…]

Valor estratégico – a EDP a Galp e a PT

Enquanto se anuncia a privatização do resto da Galp e da EDP, Sócrates e a fina flor juram a pés juntos que não venderão a PT! Porquê? Valor nacional estratégico!

É preciso compreender os grandes interesses nacionais, o verdadeiro objectivo nacional, seguir a célebre frase da política e da gestão: ” ter a coragem de mudar o que tem que ser mudado, ter paciência para deixar estar o que não pode ser mudado e ter a inteligêngia para saber escolher”!

Privatizar a Galp e a EDP e defender com unhas e dentes a PT é, à luz  daquele principio, uma prova de coragem, de paciência e de inteligência. Se os combustíveis faltarem não há problema nenhum, as refinarias existentes em Portugal são da Galp por isso, basta importar de Espanha .O mesmo se diga da EDP, a electicidade não tem qualquer significado, nenhum interesse estratégico, se faltar basta importar de Espanha. Isto, naturalmente, se a Espanha tiver em excesso e, em caso de zaragata, mesmo diplomática, estiver interessada em nos fornecer. Porque não há outro fornecedor!

Mas as chamadas, as telecomunicações, quem pode dizer o mesmo? No caso de um problema sério podemos nós contar com a Vodafone e com a Sonae? Sim, a Sonae que é a empresa que mais emprego oferece no país, que tem fábricas e centros comerciais, que não foge mesmo que quisesse? Aí sim, não teríamos saída nenhuma, sem telemóveis, sem escutas, sem os accionistas estrangeiros, sem fundos internacionais que ninguem conhece.

Estratégico? Perceberam agora a inteligência, a coragem e a paciência que são precisas para não ficar nas mãos de potenciais inimigos ou adversários mesmo que momentâneos? O país pára sem combustíveis?O país pára sem energia electrica? Pois bem, é por isso que podem ser privatizados!

O valor estratégico da PT está nos 46 milhões de clientes que tem na Vivo, está no seu enorme potencial de crescer e ganhar dinheiro para os accionistas. Dinheirinho! Nada mais do que dinheiro!

E depois ficam à espera que governem

Nunca morri de amores por Santana Lopes, mas subscrevo estas duas respostas em entrevista ao jornal I:

O mesmo que Passos Coelho está a fazer agora, a surfar a onda?

Um pouco. Há este código tradicional do “não te mexas muito, deixa-te estar sossegado, finge que não percebes nada, o tempo passa e és nomeado primeiro-ministro”, que é o que revolta.

É o que vai acontecer com Passos Coelho?

Sim, mas não o censuro. As pessoas acham que é assim: “Queres ser primeiro-ministro? Anda cá, arranjamos-te bem, tens boa imagem, não digas muita coisa, deixa-te estar sossegado, publica um livro, faz um congresso ou dois, e pronto, daqui a um mês ou dois és primeiro-ministro.”

Acrescento ainda: Elegem-nos com esta base “programática” e ficam à espera que eles governem. Depois desiludem-se, acham que são todos iguais e dizem que a política não vale nada, que é sempre a mesma treta, que são todos medíocres, etc. e tal. Estavam à espera de quê?

O rei vai mesmo nu

 
 

  

 

(pormenor - adao cruz)

 

O rei vai mesmo nu 

 Há muito tempo que ando com vontade de desancar nos poetas, nos pseudo-poetas, nos pretensos poetas, entre os quais me incluo. 

Lembraram-se de criar um dia mundial da poesia. Como se coubesse na cabeça de alguém que a poesia se poderá enclausurar no irrisório tempo de 24 horas. 

Além disso, convenceram-se de que é possível criar canais por onde pretendem deixar fluir aquilo a que chamam poesia: poesia à mesa, poesia no eléctrico, poesia na rua etc. 

A poesia existe, a poesia está entre nós, a poesia é. Os grandes predadores da poesia poderão ser aqueles que destroem e matam a poesia, ao tentarem traduzi-la por palavras, ao pretenderem trazê-la para as palavras, ao julgarem que a prendem nas palavras, mesmo que as palavras possam ser o que Marcos Cruz diz neste pequeno texto: [Read more…]

Eu quero o meu Porche!!!

Luís Campos e Cunha (ex-Ministro das Finanças de Socrates o Portugues – foto abaixo), acaba de entrar na imortalidade com a afirmação:
“Não sei para que é que querem gastar dinheiro no TGV se podem perfeitamente oferecer um Porsche a cada português gastando menos”.

à descoberta da verdade é uma grande gargalhada

grande gargalhada descoberta da verdade

Sobre a utilidade social da Antropologia.

Todos começaram a rir! Às gargalhadas! Éramos vários cientistas a vender o seu peixe aos caloiros. Não era na praça do mercado, antes fosse, facilitava o debate. Era dentro de um grande anfiteatro, com três académicos em cima de um estrado e mais de trezentos caloiros sentados na plateia do auditório. Os peixes cheiravam segundo a pronúncia e a voz de quem falava. No meu caso, era a mar de rosas que sempre cheirava: o meu sotaque pesado, especialmente, para os mais novos não habituados a ouvir a sua língua materna, falada de forma britânica, galega, castelhana ou afrancesada. Os vendedores de peixe (académicos), muito sérios, usavam palavras caras nas suas intervenções. Caras, pelo rigor do vocabulário e a dificuldade do conteúdo. Quando chegou a minha vez, perguntaram-me para que servia a Antropologia. Sintetizando, devido ao meu modo de falar, (denominado por alguns alunos pelo termo carinhoso de Iturrês) lentamente respondi: “Na Antropologia nunca perguntamos quantas pessoas vão à Missa aos Domingos, nem fazemos inquéritos a um número proporcional de crentes; interrogamo-nos sim, sobre as causas que ditaram o dia da semana para a consagração da Missa”. Com esta abordagem, começava as explicações para aquele universo de alunos que tinha à minha frente, que vivendo dentro de um país Fatimizado, nada sabia de catequese. A gargalhada foi geral pela raridade da resposta e por fatimizar o país,

[Read more…]

O Hospital de São João dá o exemplo!

http://wikimapia.org/p/00/00/46/35/63_big.https://i2.wp.com/wikimapia.org/p/00/00/46/35/63_big.jpg?resize=350%2C235

É o caso do Hospital São João do Porto, que reuniu 38 medidas de poupança, num só documento.

A ARS do Porto já enviou este documento para outros hospitais para que o exemplo de contenção seja seguido.

“Um exemplo de boas práticas nesta área, na medida em que propõe e contempla acções no sentido da redução dos custos em áreas não assistênciais, nunca colocando em causa nem a acessibilidade nem a qualidade de atendimento dos doentes no SNS!”, diz o Presidente da ARS do Porto.

O plano centra-se em quatro áreas: eficiência na aquisição, gestão e utilização de matérias, medicamentos e reagentes; redução dos serviços externos não indispensáveis para o atendimento do doente; gestão mais eficiente dos recursos humanos; rigor na na referênciação entre hospitais.

Estima-se uma redução de de 3.1 milhões de euros no fornecimento de serviços externos e de 1,2 milhões de euros nos subcontratos, bem como a redução de 5% nas horas extraordinárias, de 8 % nas horas de prevenção e de  10% nas remunerações-base dos membros do Conselho de Administração.

Ora aí está como é sempre possível reduzir custos sem mexer no que é fundamental. A qualidade!

In Memoriam Ademar Santos

Fotografia do blog do Ademar. Depois da curva ficava (fica ainda) o apeadeiro de Aveleda.

Muitos comboios chegaram e partiram

no cais da minha vida

nem todos me trouxeram ou levaram
mas viajei em todos eles (…)

Ademar

15.04.2009″

Voltei ontem de uma viagem longa à volta dos comboios e descubro que o Ademar Santos não voltará a escrever no Abnoxio.

Acabei, afinal, por nunca o conhecer em pessoa; encontrara-o por um acaso e fui-me fazendo leitor do seu blog por causa desta fotografia feita aqui no Ramal de Braga. Vim a descobrir amigos comuns, apesar de sermos de gerações diferentes, e acabei por descobrir que o Ademar e eu fomos passageiros nas mesmas estações e apeadeiros, apenas em décadas diferentes. O Ademar, tal como eu, cresceu junto a uma linha de caminho de ferro, sinónimo, como ele próprio, de Liberdade.

Até um dia, Ademar.