“Cavas” em grande

É um fartote! Uma viagem até aos colorados e sai-nos uma comitiva destas. Leiam os comentários dos leitores do i, valem mesmo a pena. Realmente, ou melhor dizendo, “presidencialmente”, os famosos sacrífícios são para alguns. Ainda me lembro da chegada de Carlos e Camila a Lisboa. Chovia a cântaros e o casal britânico empunhava os respectivos guarda-chuvas, enquanto os nossos “mandarins” Aníbal e Maria, tinham serviçais que faziam o excelso frete de os proteger da enxurrada. Enfim, coisas da pequeno-burguesa república ainda portuguesa.

Caramba, se pelo menos nesta Cimeira, o homem ousasse dizer um “porque no te callas?!” Impossível, até porque estar calado é o seu “viver habitualmente”, como dantes se usava dizer.

Comments

  1. Pisca says:

    Quem nunca comeu mel, quando come se lambuza

    Diz o Povo e é verdade

  2. Marito says:

    Uma desgraça nunca vem só, é mesmo, não chegou um mandato deste oráculo, precisávamos de dois.

Trackbacks


  1. […] na maior inutidade do Portugal Democrático. Uma nulidade muito bem paga e que, ainda assim, sai caríssima aos cofres do Estado. Com a austeridade que toca a todos, com a miséria a agravar-se na sociedade portuguesa, com o […]