Há poucos jornais excelentes em Portugal

A arte de criar títulos jornalísticos não é fácil, já se sabe: obriga a manter o equilíbrio entre o rigor e a criatividade, entre a honestidade e a sedução, ingredientes que, ao mesmo tempo, possam informar e atrair o leitor.

No i de hoje, sem acesso à edição online até ao momento, a primeira página tem um título apelativo: “Avaliação. Há poucos professores excelentes nas escolas”. Depois de seis anos de reclamação e vociferação, não deixaria de ser escandaloso que, afinal, se descobrisse que a excelência docente era diminuta. Mesmo sem estar terminado o processo da chamada avaliação de professores, o i parece já possuir todos os dados que lhe permitem fazer uma afirmação destas na primeira página.

O Paulo Guinote já comentou. Mesmo correndo o risco de o repetir, convém relembrar que a imposição de quotas obriga a que o número de professores considerados excelentes seja sempre diminuto. Por outro lado, com um método de avaliação mal concebido, ser considerado excelente pode ser diferente de ser excelente. Para além disso, muitos professores excelentes recusaram-se a participar numa avaliação que não o é. Conclui-se daqui que continuaremos sem saber se há muitos ou poucos professores excelentes, a não ser nos títulos dos jornais sensacionalistas produzidos por quem não quer pensar e lidos por quem fica, afinal, impedido de pensar.

A Educação continua a ser um tema maltratado e mal tratado, com muitos ignorantes atrevidos que opinam sobretudo sobre o que não sabem, alguns deles erigidos em directores de jornais. Entretanto, todos os que trabalham nas escolas continuam a mitigar, com dificuldades cada vez maiores, os efeitos nefastos que as asneiras governativas e a ignorância jornalística têm sobre o sistema educativo.

Comments

  1. F Soares says:

    Caro Antonio Nabais,
    está a ser muito benevolente com o jornal I

    • António Fernando Nabais says:

      Deve ser esta maldita costela tolerante que ainda me sobrou da catequese. O I merece pior, efectivamente.


  2. Que dizer de um jornal que começa uma frase com “Houveram”??? No I de hoje, página 3, a primeira frase do texto subordinada ao título “Quase 80% dos Gregos querem que o país continue na zona euro”. Estamos, definitivamente, perante a excelência do jornalismo.

    Não têm revisores de texto, pessoas que saibam escrever? É uma VERGONHA!

    É a gramática, estúpidos!


  3. errata: “Houvessem” e não “houveram”. O disparate é igual.


  4. Ignorantes Atrevidos que opinam sobre o que não sabem: ser considerado excelente é diferente de ser Excelente. Os professores Excelentes recusaram-se a participar numa avaliação que não o é…por isso, são só Bons!!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.