Pandas

Em 1998   após um referendo , e pela primeira vez desde o inicio do Sec. XVIII  , a Escócia voltou a ter um Parlamento  . Foram logo estabelecidas as regras para as futuras eleições    de maneira a impedir que qualquer partido obtivesse uma maioria absoluta , pensando sobretudo no Scottish National Party (SNP)  que , para os defensores da União , vinha aumentando de popularidade de forma preocupante .

Porém em Maio de 2011 , e sob a liderança de Alex Salmond , para muitos o mais brilhante , sagaz e astuto politico do ainda Reino Unido , o SNP obteve uma retumbante vitória e a tal julgada impossível maioria . E fê-lo prometendo ao eleitorado  referendar a independência da Escócia   , quase certamente em Junho de 2014 . A escolha da data é tudo menos inocente , pois  será nessa altura que se comemoram os 700 anos da famosa batalha de Bannockburn e a vitória do pequeno exército Escocês , comandado por Robert the Bruce , Rei da Escócia , sobre uma muito mais poderosa força Inglesa .

É verdade que o First-Minister Salmond propunha que nesse futuro referendo constassem além do Sim ou Não à independência , uma terceira alternativa que seria algo de intermédio , uma “devolução máxima” dos poderes do Parlamento de Westminster ao Parlamento de Holyrood  ; tudo suficientemente vago que permitisse negociar e negociando manter a integridade do Reino Unido .

É bom que se esclareça que se em 2011 o SNP obteve uma esmagadora vitória , o Partido Conservador arrecadou uma acabrunhante derrota , não tendo conseguido eleger um único deputado pela Escócia .

Estavam as coisas neste pé quando há dias David Cameron , certamente influenciado pelo  filme “Iron Lady”  , resolveu dar uma  “ a la Thatcher “ e largou a  “bomba”  numa entrevista à Sky News : O referendo na Escócia teria de se realizar impreterivelmente até ao final de 2013 e apenas poderia conter duas perguntas :  o Sim ou o Não .

Adivinham certamente a resposta que veio do Norte : Curta e grossa . A Cameron foi sucintamente dito para não se meter onde não era chamado . Eu que sempre o achei um jovem irreflectido e petulante nunca esperei contudo este atirar de gasolina para a fogueira e sou dos que se recusam a acreditar que a razão desta atitude está num mero calculo eleitoral : Tendo o Partido Conservador sido apagado eleitoralmente da Escócia e com esta independente ,  os  deputados por ela eleitos deixariam obviamente de ter assento em Westminster , garantindo-lhes assim   uma maioria ad aeternum .

Seja como for , é fácil calcular o pandemónio que tudo isto causou , com toda a gente a discutir em como dividir o que desde há séculos está unido , desde as Fronteiras  à Defesa , aos impostos , à representação externa , para não falar no problema constitucional  de intratável complexidade .

Mas parecia que , com mais ou menos dificuldade , inevitavelmente o Reino Unido deixaria de existir tal como o conhecemos , até que um formidável obstáculo , um monumental escolho ,  inesperadamente surgiu capaz de impedir o fim que se avizinhava  : Refiro-me a  Tian-Tian e a Yang-Guang , os dois Pandas oferecidos pela República Popular da China , presentemente num Zoo de Glasgow .

Nos corredores de Westminster  onde o assunto é discutido , a opinião é unânime : ”Eles foram     uma oferta do Estado Chinês ao Governo Britânico e portanto terão de ser devolvidos a Inglaterra !” . Os Escoceses porém respondem : ” Os Pandas vieram para a Escócia devido a um acordo entre a China Wildlife Conservation Association e a Royal Zoological Society of Scotland , e portanto são nossos e daqui não saem !” .

Felizmente parece que o acordo é impossível e sem ele o Reino Unido continuará unido e eu acho que pela melhor das razões : Terem sido  os dois simpáticos pandas a devolver alguma sanidade a um Povo conhecido pelo seu amor aos animais . Se isto não é uma Justiça poética , então não sei o que será.

manuel.m

Comments


  1. Gostava que ganhasse a independência!
    Cai-me bem o auto governo dos povos!


  2. esta da maioria absoluta graças ao desaparecimento de deputados conservadores e mau grado a constituição ad-oc é uma lição política que deveria ser escutada em Portugal.
    País que tem uma constituição que é dada como exemplo na maioria das faculdades de direito internacionais Que é estudada e aplaudida por constitucionalistas do mundo inteiro. Mas país onde, cada vez que há uma governo minoritário ou que se elege um imbecil como o Cavaco, se vem com aquela da “reforma constitucional”, como se a constituição tivesse culpa de termos os políticos que temos e fosse boa coisa ter leis ad-oc, constituição ad-oc, etc.
    Precisamente o que há de bom na nossa constituição é que ela é boa de per si e que é tudo menos uma constituição circunstancial feita para este ou aquele governo, este ou aquele presidente.
    O equilíbrio dos poderes é quase perfeito, contando que tenhamos um presidente que, sem governar (e é bom que seja independente do governo e do parlamento), tenha poder e o exerça. Se o Cavaco não faz nada é porque é mau presidente e não porque a constituição o impeça. Contando também que tenhamos partidos capazes de se unir para o bem comum sem precisarem de maiorias absolutas e vivermos (como vivemos) em bi-partidarismos de amigos da onça.
    é culpa da constituição a eleição do Cavaco? é culpa da constituição o não sermos capazes de termos alternadamente governos de partidos diferentes ou coligações representativas do espetro político da esquerda ou da direita? ou não será antes culpa dos políticos que temos e dos partidos que temos?

    Quiseram impedir o SNP de chegar ao poder a pesar da vontade do povo escocês. Virou-se o feitiço contra o feiticeiro. Como sempre acaba por acontecer com o chico-espertismo em matéria de política.

    A Europa não para de nos dar exemplos desses, a Europa dos tratados ad-oc, das cimeiras ad-oc, da Europa que recusa o sufrágio universal e as escolhas dos povos.

    Tito Lívio Santos Mota

    PS: o SNP é um partido que se situa políticamente muito próximo da extrema-direita. Pessoalmente não é portanto das minhas simpatias. Mas não é com manobras à moda da Ti-Jacinta que se combate a extrema-direita mas com debate de ideias.


  3. acrescentarei para os menores de 50 anos e para os esquecidos que a nossa constituição foi aprovada por todos os partidos portugueses da altura. Coisa rara, senão única.
    Deveríamos ter orgulho nisso.

  4. kalidas says:

    A mão preta, a mão indiana e a mão invisível

    A Escócia tem as maiores reservas de petróleo da União Europeia. Há trezentos anos tinham carvão que a Revolução Industrial consumiu e a mão invisível administrou.
    A mão, mesmo invisível, tem dono, percebe-se não era escocesa, tal como a que administrava a East India Company, não era indiana.

    No tempo do cavão, para inglês ver, era muito democrática a mão invisível, até impôs a regra de um homem um voto, mas isso era o liberalismo utópico, quando passou ao liberalismo científico, os escoceses ganharam as mãos pretas.
    Ficou uma lição para o tempo do petróleo que é uma verdade absoluta;” a riqueza é criada pela sociedade, e não pelos seus membros individuais”. Portanto a sociedade tem o direito de exigir a sua justa distribuição.

  5. MAGRIÇO says:

    Talvez a memória me esteja a pregar uma partida, mas tenho ideia que, ao contrário do que afirma a Casa Amadis, o CDS votou contra a constituição. Pelo menos continua coerente na sua cruzada conservadora, ao contrário de outros que a aprovaram e agora não perdem uma oportunidade para a adaptar aos seus desígnios pouco claros. Mas a minha dúvida às considerações da Casa Amadis fica por aqui, porque, quanto ao resto, estou de acordo.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.