O esquizofrénico José Viegas (II): Elucubrações acerca do uso do pseudónimo António Sousa Homem, da acumulação de funções de um governante e da promiscuidade entre a política e a Comunicação Social


Francisco José Viegas, o secretário de estado da Cultura, mantém há alguns anos uma coluna de crónicas no «Correio da Manhã», onde escreve sob o psuedónimo António Sousa Homem. Continua a fazê-lo ainda hoje. Não sei se um governante pode acumular com outras funções remuneradas no sector privado nem se esta sua actuação envolve de alguma forma promiscuidade entre a política e a Comunicação Social. Mas moralmente não é ético.
Seja como for, o objectivo deste post é outro: averiguar da sanidade mental daquele a quem está entregue a pasta da Cultura no actual Governo. Recordo que a esquizofrenia é um transtorno psíquico severo que se caracteriza por alterações do pensamento, alucinações, delírios e alterações no contacto com a realidade.
A questão não é escrever sob pseudónimo – muitos o fazem. A questão é ter sido ele próprio, como Francisco José Viegas, a pôr António Sousa Homem nas «bocas do mundo». É ter inventado uma biografia completa a que não faltou a respectiva fotografia. É fazer a apresentação pública, na Bertrand, de uma obra de António de Sousa Homem e dar-se ao trabalho de dar a notícia de que o próprio estava doente das coronárias e do fluxo renal e que por isso não tinha podido comparecer. E dar-se ao trabalho de forjar uma suposta carta de António de Sousa Homem a lamentar não poder estar presente.
Este homem não é lúcido. Ou então julga-se O Meu Pipi. Não vou falar de Pessoa, seria um insulto à sua memória.

Comments


  1. O secretário de Estado não é o liberal Francisco José Viegas. É o conservador António Sousa Homem.


  2. Não será mais uma coisa dissociativa, tipo o médico e o monstro!?


  3. Por acaso não estou bem a ver o problema. Acho perfeitamente normal e até prova de bastante sanidade mental. se não tivesse essa forma de escape é que daria para desconfiar.

  4. hugo f says:

    O FJV é um bom escritor e voltará a sê-lo por muitos anos. Na politica ainda vai a tempo de decidir como quer ser lembrado, um covarde, um hipocrita ou o homem que demonstra ser nos seus escritos. A ver vamos, tudo depende dele.

  5. marai celeste ramos says:

    A ignorância é uma INFELICIDADE


  6. a ignorância é uma felicidade só um igno rant pode ser phelix

    a esquizofrenia é uma benção principalmente numa ilha deserta

    ou num país sem ninguém com quem conversar..

    o phoder é solitário a esquizofrenia ou a esquizogonia ajudam

    a suportar o fardo do home branco…ou do Narana Coissoró tanto faz

  7. Silvério Coutinho says:

    Citações de FJV, in, Algumas Distracções, Colecção Inéditos Sábado, Ed. Quasi, 2007

    pág. 62
    Ditado popular. Quando, em política, se abdica de uma certa ideia de decência em nome da política – nunca se completa o mandato.12.10.04

    pág. 85
    Ética.O problema da ética, na política, é que é frequentemente atraiçoada pela necessidade.1.9.05

    pág. 149
    Ministério da Cultura.Posição que subscrevo:quando todo o pessoal protesta contra o Ministério da Cultura, o melhor é ter dúvidas. Não por cautela corporativa. Mas porque há sempre gato escondido com rabo de fora. É coisa de clientelas. Os protestos contra o Ministério da Cultura são muito, demasiado orgânicos.15.1.06

    Cumprimentos
    SC

  8. Tito Lívio Santos Mota says:

    LOLOLOLOL

    Temos um “Secretário de Estado da Cultura” que dá palpites no Correio da Manhã.
    Jornal de grande nível cultural (e jornalístico) como qualquer um pode constatar.

    Só por si, vale o seu peso em notas de mil reis.

    Só falta a RTP2 ser gerida pela TVI e a Antena 2 pelo RCP.

    E, já agora, dar a direção do S. Carlos ao José Cid e a conjunta dos teatros nacionais ao Laféria.

    Já estou por todas.

    Tito Livio Santos Mota


  9. Queridinho, adorei esta coincidência de textos 🙂
    Como dizia o defunto, “acontece…”

    http://braganzas.blogspot.com/2012/01/as-miseraveis-reformas-do-cabrao-de.html

    P.S. – Sei que não gostas das referências à vida sexual, mas isso, muitas vezes, é o ovo de colombo dos negócios inexplicáveis. Pergunta aos Americanos… 🙂

  10. gabriela lago says:

    Sou leitora diária do jornal Correio da Manhã e é com grande entusiasmo e dedicação que leio a crónica a pensar ser o Sr.Antonio Sousa Homem que com a sua avançada idade tinha a capacidade de me deliciar com a sua cronica tão familiar !
    Por curiosidade consultei o google afim de saber algo sobre este “velho”Senhor e fiquei estupefacta,que o verdadeiro cronista era o José Viegas,perdi o Interesse!!!!!!

Trackbacks


  1. […] Souto de Moura Disfarçado de Ignorante Posted on 03/03/2012 por dariosilva O prémio Pritkzer 2011, arquitecto Souto de Moura, está sem trabalho em Portugal, e decidiu agora enveredar pelo caminho da idiotia. Em entrevista à Visão desta semana, afirma o distinto arquitecto que “gostava e perceber os movimentos ecologistas“. E continua: “faz-me impressão o maniquismo: a barragem é má , o betão é mau, o verde é bom. E a energia eólica custa seis vezes mais que a hídrica.” Pretende assim justificar-se e justificar a excelsa beleza do projecto de maquillage de um escarro chamado Barragem do Tua; inteligente como é, Souto de Moura tem feito, não obstante, muito poucas leituras sobre os argumentos a favor e contra a barragem do Tua. Se não saberia que os “ambientalistas” não falar contra “o betão” ou contra as barragens. Falam claramente contra este mono de betão desnecessário, colocado na foz daquele rio que corre naquele vale único, e justificado pela Eléctrica chinesa como sendo necessária para produzir electricidade. Ora, já todas as pessoas de fé sabem há muito que uma modernização da barragens já existentes superam largamente o alegado acréscimo de potência a debitar pelas barragens do famigerado “Plano Nacional de Barragens“. Como se vivesse num mundo só seu, o arquitecto finge ignorar o meio que o rodeia, a ele e à roupagem que desenhou para a barragem. Junta-se assim a uma ministra da CULTURA (!), a vários ministros inábeis do Ambiente – e há que relembrar a indisfarçavel cumplicidade de Assunção Cristas (criminosamente “ignorante”). E junta-se também a um intelectual de craveira para quem as palavras vertidas preto no branco, em 1988, em homenagem ao avô, valem nada, são letra morta. Francisco José Viegas, “escritor“… […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.