Postcards from Romania (10)

Elisabete Figueiredo

Boa tarde, senhor Anselmo

Da Sinagoga, atravesso a Porta Schei e percorro uma rua longa até à Piata Unirii. Vou devagar. Às vezes chove. Mas está calor. Vou reparando em tudo, acho que em tudo, pelo menos em tudo o que é possível.

Aqui nasceu um revolucionário e é bonito, além uma roda de bicicleta espreita de uma esquina, ali uma porta vermelha engraçada. De repente vejo uma senhora de lenço na cabeça que limpa um parapeito. Que bonita, penso e olho para ela. Que me devolve o olhar, embora seguramente não o pensamento. Fico enternecida, vá-se lá saber porquê. E pergunto-lhe com gestos se posso tirar-lhe uma fotografia à janela. Olha-me surpresa e eu digo em italiano apontando para ela: è bella! Ri-se. Deve ter ganho o dia, ou talvez não. Há quanto tempo não lhe dirão que é bonita? Diz-me que sim e eu tiro a fotografia. Devíamos dizer mais vezes às pessoas que são bonitas.

Da Piata Unirii onde não está ninguém, apenas um pedinte e duas senhoras que conversam em frente ao supermercado e alguns taxistas, depois de comer bolas de queijo, uma salada e beber uma Ursus preta, decido que não me apetece andar os 3 ou 4 km até à Cidadela. Apanho um dos táxis da praça. O taxista fala francês. Falo também. Fico muitas vezes contente de saber falar algumas línguas. De as compreender. Percebe-se melhor o que há para perceber do mundo.

O taxista pergunta-me de onde sou. Portugal. ‘Portugal, escrava Isaura’, responde-me. Escrava Isaura? Pardon? Ele diz, a Escrava Isaura, a telenovela brasileira, passa agora na televisão Romena. Digo-lhe que em Portugal, que me lembre, passou há muitos anos. Começa a dizer ‘Boa tarde senhor Anselmo’… (??). Diz que é o que a escrava Isaura diz. Eu acredito, assim como assim já não me lembro.

Repete a rir-se: ’Boa tarde Senhor Anselmo’. Rio-me também e digo-lhe que vejo pouca televisão. Ele diz que faço bem que a televisão manipula as pessoas. Começamos uma conversa interessante sobre os malefícios da televisão, em francês. Só a mim. Chegamos à Citadela.

(Brasov, 9 de Agosto de 2012)

Comments

  1. Santos says:

    Ou eu tenho visoes e pensamentos horrorosos ou Portugal aos poucos ira tornar-se numa Romenia iberica. Mas por outro lado durmo tranquilo por saber que os portugueses estao unidissimos na defesa dos seus direitos e bem estar.

    • Maquiavel says:

      Deixe lá que Portugal näo se tornará numa Roménia ibérica. Passará por essa fase, bem certo, mas no fim será uma Albânia iberica!!!

  2. Elisabete Figueiredo says:

    Santos é capaz de haver coisas piores no destino de Portugal do que tornar-se uma Roménia Ibérica tipo, exatamente como diz o Maquiavel, tornar-se uma Albânia Ibérica… a Roménia não é um país tão mau como o costumam pintar….

  3. Frederico Mendes Paula says:

    Eu se fosse romeno tinha era medo que a Roménia se transformasse num Portugal do leste da Europa…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.