Postcards from Romania (18)

Elisabete Figueiredo

Do cimo das torres vê-se o mundo inteiro.

Não podia ser mais verdade isto. Placas no varandim informam-nos das distâncias a Londres, Paris, Baden-Baden, Sydney, Nova Iorque… a Lisboa não. Do cimo das torres vê-se (quase) o mundo inteiro.

Uma das placas informa-me que me encontro a 3975 km do Pólo Norte. Coisa pouca, se pensarmos que o Pólo Sul dista 14025 km daqui.

Tenho amigos mais longe de mim do que daqui ao Pólo Norte. No entanto, não conheço ninguém em nenhum destes sítios e decido que o melhor é ficar por ali. Ver o mundo inteiro, esta pequena vila, a partir da torre.

Reparo num homem e num miúdo. Terá 5 ou 6 anos. Pergunto ao senhor se me tira uma fotografia. Diz-me que até duas. E ri-se. O puto olha para mim e diz muito alto: ‘germania, germania?’ Respondo-lhe que não. Volta a repetir, tão alto como a torre, numa expetativa que me custa não cumprir: ‘germania, germania?’. Digo: Portugal. Encolhe os ombros. Vira-me as costas.

Desinteressa-se e compreendo-o. O pai diz-me, num inglês acanhado, que se fosse Espanha, o miúdo ainda perceberia. Eu respondo que Portugal é mesmo ao lado… ‘so close’… enquanto penso que, no entanto, ‘not close enough’.

(Sighisoara, 11 de Agosto de 2012)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.