Postcards from Romania (18)

Elisabete Figueiredo

Do cimo das torres vê-se o mundo inteiro.

Não podia ser mais verdade isto. Placas no varandim informam-nos das distâncias a Londres, Paris, Baden-Baden, Sydney, Nova Iorque… a Lisboa não. Do cimo das torres vê-se (quase) o mundo inteiro.

Uma das placas informa-me que me encontro a 3975 km do Pólo Norte. Coisa pouca, se pensarmos que o Pólo Sul dista 14025 km daqui.

Tenho amigos mais longe de mim do que daqui ao Pólo Norte. No entanto, não conheço ninguém em nenhum destes sítios e decido que o melhor é ficar por ali. Ver o mundo inteiro, esta pequena vila, a partir da torre.

Reparo num homem e num miúdo. Terá 5 ou 6 anos. Pergunto ao senhor se me tira uma fotografia. Diz-me que até duas. E ri-se. O puto olha para mim e diz muito alto: ‘germania, germania?’ Respondo-lhe que não. Volta a repetir, tão alto como a torre, numa expetativa que me custa não cumprir: ‘germania, germania?’. Digo: Portugal. Encolhe os ombros. Vira-me as costas.

Desinteressa-se e compreendo-o. O pai diz-me, num inglês acanhado, que se fosse Espanha, o miúdo ainda perceberia. Eu respondo que Portugal é mesmo ao lado… ‘so close’… enquanto penso que, no entanto, ‘not close enough’.

(Sighisoara, 11 de Agosto de 2012)

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.