As greves também me irritam

Ser obrigado a viajar numa lata com rodas, vulgo camioneta, é do pior que me podem fazer. Ir parar a umas urgências a abarrotar porque ser dia de greve de médicos já me aconteceu.

E claro que isso me irrita. Deixa-me mesmo furioso. Com a administração da CP ou com o governo.

É tudo uma questão de olhar para a violência das águas ou para as margens que as estrangulam.

Comments

  1. Dora says:

    O governo a ser piegas ou de como começar a lançar propaganda a ver se pega.

  2. Hugo says:

    Se o João José Cardoso não gosta de viajar nas «latas com rodas» da CP então que descubra as ligações rodoviárias de longo curso prestadas por serviços bem privados. Desde que descobri que a Rede Expresso do grupo Barraqueiro faz uma ligação Lisboa-Porto por metade do preço que a CP e com muito mais conforto, nunca mais tive problemas. E ainda digo mais: viva o serviço prestado por privados.

    • A CP não tem latas com rodas, tem comboios. Comboio é um meio de transporte para humanos. Um expresso é uma lata com rodas onde se viaja amarrado, sem conforto, não muito melhor que no séc. XIX.
      Em Portugal os comboios são mais caros e a linhas fecham sabe porquê? porque uns certos lóbis, como o das camionagens, a GALP e também as construtoras, pressionaram para que o estado investisse onde não devia (temos autoestradas redundantes, por ex.) e destruíssem a CP, rumo à sua minimalização e privatização.

      • António M. C. Carvalho says:

        Concordo consigo. não totalmente… Andar de comboio é incomparavelmente melhor do que andar em qualquer outro meio de transporte (excepção talvez em paquetes de luxo com bom tempo…). A primazia dada à construção de auto-estradas começou por ser uma estupidez no tempo de vacas gordas de Cavaco Silva e terá evoluido para crime, mas foram os administradores da CP os maiores responsáveis pela degradação dos serviços prestados.
        Para justificarem a privatização?. Não acredito. Há 20 anos ninguém pensava em privatizar a CP. Também não se pode esquecer a desertificação do interior, fruto de não terem existido políticas globais de desenvolvimemto.

        • Não foi há 20, mas há cerca de 10 anos, a CP foi dividida em unidades de gestão prontas a privatizar. As administrações têm-se esforçado por fechar o que não é apetecível depois de abandonarem essas mesmas linhas (a do Oeste é um exemplo notável de imbecilidade, tanto mais que a linha não pode ser encerrada por compromissos de transporte de mercadorias das celuloses). É óbvio que foram nomeadas com essa missão.

  3. Pedro Marques says:

    Não o fez, mas devia ter feito, contra o governo. E devia fazer mais, devia promover um concurso de caça contra os barões, governantes e outros responsáveis desta ditadura.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.