Um «amor» explosivo e infinito

No Público de hoje:

“Duas estrelas casaram-se e deram fenómeno mais brilhante de sempre. A união entre elas foi há pouco mais de mil anos. Num trabalho de arqueologia cósmica, uma equipa espanhola propõe uma explicação para o ponto mais luminoso que a humanidade já viu até agora no céu.”

Numa certa noite do ano de 1006 (!), astrónomos de todo o mundo observaram, à vista desarmada, o acontecimento estrelar mais brilhante no céu de que há memória até hoje. A estrela SN1006 — que os egípcios disseram ter um quarto do brilho da lua cheia e três vezes o tamanho de Vénus e os chineses garantiram ter sido visível durante três anos — apareceu de repente. Agora, mais de mil anos depois, concluiu-se que na sua origem esteve provavelmente a colisão, ou casamento, de duas estrelas.”

Uma história irresistível, um «amor» duradoiro (“a sua beleza ainda pode ser apreciada, mas só com telescópios”). Interessante o sinónimo «casamento» para colisão…

Uma boa metáfora para casamentos felizes…. Ups!

Comments

  1. Armindo de Vasconcelos says:

    Colidiram e fundiram-se. Prefiro a segunda etapa, a da fusão!

  2. Amadeu says:

    Não deixa de ser curioso ser preciso um telescópio para observar um casamento feliz (mesmo em metáfora).

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.