O Dicionário Filosófico de Voltaire: Liberdade de Pensamento

 

Por volta do ano de 1707 quando os ingleses que haviam vencido a batalha de Saragoça protegiam Portugal e na mesma altura em que, durante algum tempo, deram um rei a Espanha, Lord Boldmind, um oficial que tinha sido ferido, estava a tomar as águas em Barèges. Ele encontrou nesse local Conde Médroso que tinha caído do seu cavalo atrás da bagagem, a uma légua e meia do campo de batalha e que também tomava as águas. A Inquisição era-lhe familiar enquanto Lord Boldmind era apenas familiar na forma de conversar. Um dia, após o vinho, ele teve o seguinte diálogo com Médroso:

Boldmind: Vós sois então o sargento dos Dominicanos. Exerceis um vil ofício.

Médroso: É verdade. Mas eu prefiro ser o seu criado do que a sua vítima e tenho preferido a infelicidade de queimar o meu próximo a ser eu próprio cozinhado.

Boldmind
: Que horrível alternativa! Vós seríeis cem vezes mais feliz sob o jugo dos Mouros, que vos deixavam às vossas superstições e, conquistadores que eram, não se arrogaram o estranho direito de enviar almas para o Inferno.

Médroso
: Que quereis? Não nos é permitido escrever, falar, ou mesmo pensar. Se falamos, é fácil de interpretar mal as nossas palavras e ainda mais os nossos escritos; e como não podemos ser condenados num auto-da-fé pelos nossos pensamentos secretos, ameaçam-nos com o fogo eterno ordenado por Deus, se nós não pensarmos como os Jacobinos (*).

Boldmind: Pensais que nós, os Ingleses, que cobrimos os mares com os nossos navios, que por vós vencemos batalhas no Sul da Europa, somos assim tão infelizes? Pensais que os Holandeses, que vos tiraram as terras que havíeis descoberto na India e que são agora os vossos protectores, são amaldiçoados por Deus por terem dado total liberdade à imprensa e por fazerem comércio com os pensamentos dos homens? Foi o Império Romano menos poderoso por Tullius Cicero ter escrito com Liberdade?

Médroso
: Quem era Tullius Cicero? Eu nunca ouvi o seu nome em Santa Hermandad.

Boldmind
: Ele foi um bacharel na universidade de Roma que escrevia aquilo que pensava, como Julius Caesar, Marcus Aurelius, Titus Lucretius Carus, Plinius, Seneca e outros sábios.

Médroso
: Eu não conheço nenhum deles; mas foi-me dito que a religião Católica, Basca e Romana será perdida se começarmos a pensar.

Boldmind: Não é para acreditardes; pois estais seguro que a vossa religião é divina e que os portões do inferno não prevalecerão contra ela (*). Se assim for nada a poderá destruir.

Médroso: Não; mas será reduzida a muito pouco; e é por terem pensado que a Suécia, Dinamarca, toda a vossa ilha e metade da Alemanha gemem perante a terrível infelicidade de não serem súbditos do papa. Diz-se até que se os homens continuarem a seguir essas falsas luzes eles ficarão reduzidos somente à simples adoração de Deus e da virtude. Se os portões do Inferno chegarem tão longe, o que será do Santo Ofício?

Boldmind: Se os primeiros Cristãos não tivessem tido liberdade de pensamento não será evidente que o Cristianismo nunca teria existido?

Médroso: Não vos compreendo.

Boldmind: Eu acredito piamente nisto. Eu diria que se Tiberius e os primeiros imperadores tivessem previsto os Jacobinos eles teriam impedido os primeiros cristãos de possuírem penas e tinta; e se o pensamento livre não tivesse sido durante muito tempo permitido no Império Romano, teria sido impossível aos Cristãos estabelecerem os seus dogmas. Se, consequentemente, o Cristianismo foi apenas formado devido à liberdade de pensamento, por qual contradição, por qual injustiça, podem vós agora destruir a liberdade sob a qual foi fundado?

Quando algum assunto de interesse nos é apresentado não o examinamos durante muito tempo antes de chegar a uma conclusão? O que é mais interessante no mundo do que a nossa felicidade ou a nossa miséria? Há centenas de religiões na terra que vos condenam por acreditarem nos vossos dogmas aos quais elas chamam ímpios e absurdos; porque razão, então, não devemos nós examinar esses dogmas?

Médroso: Mas como posso eu examiná-los? Eu não sou um jacobino.

Boldmind: Vós sois um homem e isso é suficiente.

Médroso: Ai de mim! Vós sois mais homem que eu.

Boldmind: Vós tendes somente que aprender a pensar; nascestes com espírito; sois um pássaro na gaiola da Inquisição, o Santo Oficio cortou-vos as asas mas elas irão nascer novamente. Aquele que não sabe geometria pode aprender: todos os homens são capazes de se instruir a eles próprios. Não vos parece vergonhoso pôr a alma nas mãos daqueles a quem vós não confiaríeis o vosso dinheiro? Atrevei-vos a pensar por vós próprios.

Médroso: Dizem que se o mundo pensasse por si próprio seria uma estranha confusão.

Boldmind: É precisamente o contrário. Quando nós assistimos a um espectáculo cada um expressa livremente a sua opinião sobre o mesmo e a paz pública não é perturbada; mas se algum insolente protector de um poeta resolvesse forçar todas as pessoas de gosto a proclamar que algo é bom quando lhes parece mau, murros seguir-se-iam e os dois partidos começariam a atirar maçãs à cabeça uns dos outros como aconteceu uma vez em Londres. Estes são os tiranos do espírito e da mente que causam uma parte das misérias do mundo. Nós somos felizes em Inglaterra somente porque cada um disfruta do direito de expressar a sua opinião.

Médroso: Nós também somos todos muito tranquilos em Lisboa onde ninguém se atreve a expressar a sua.

Boldmind: São tranquilos mas não são felizes; é a tranquilidade dos escravos das galés que remam em cadência e em silêncio.

Médroso: Vós acreditais então que a minha alma está nas galés?

Boldmind: Sim e eu gostaria de a salvar.

Médroso: E se eu estiver bem nas galés?

Boldmind: Nesse caso, mereceis lá estar.

 

Voltaire, Dictionnaire Philosophique. (Paris: Cosse et Galtier-Laguionie, 1838), 675-676. A amadora tradução é da autora do post. Qualquer erro ou imprecisão deve ser atribuído a mim e não a Voltaire.

* Não confundir com o posterior Clube dos Jacobinos onde se reuniam diversos grupos de revolucionários durante a Revolução Francesa – incluindo os Montagnards – e que deu mais tarde deu origem ao conceito de “jacobinismo”. Os Jacobinos foram assim apelidados precisamente por reunirem no antigo convento de Dominicanos – Conhecidos em França como Jacobins pois o seu Convento em Paris estava ligado à Igreja de Saint Jacques (Jacobus).

* Mateus 16:18

 

 

Comments


  1. Quantos anos tinha a religão na epoca do dialogo= 1500 anos.
    Quantos anos tem os muçulmanos =1500 anos.