O sonho comanda a vida

Gôndola Voadora de Bartolomeu Lourenço de Gusmão

Gôndola Voadora de Bartolomeu Lourenço de Gusmão

 

Bartolomeu Lourenço de Gusmão, padre jesuíta, regressou a Portugal, vindo da Bolívia, em 1708, trazendo consigo os planos de construção de um estranho objecto voador.

Produziu um relatório para o rei D. João V onde explicava as vantagens de um investimento do reino no seu projecto, vantagens essas que seriam, na ideia do jesuíta, a possibilidade de efectuar viagens longas pelo ar, encurtando o tempo que levavam a completar por terra, atravessar mares e montanhas “para lá das 200 léguas por dia”, dirigir exércitos, socorrer locais cercados, atingir os pólos do planeta, transportar mercadorias e, em resumo, conferir a Portugal a supremacia no ar, semelhante à que, noutros tempos, tivera sobre os oceanos.

[Read more…]

Segue-se a homenagem às vítimas da Inquisição

Papa homenageia vítimas dos Nazis

O Dicionário Filosófico de Voltaire: Liberdade de Pensamento

 

Por volta do ano de 1707 quando os ingleses que haviam vencido a batalha de Saragoça protegiam Portugal e na mesma altura em que, durante algum tempo, deram um rei a Espanha, Lord Boldmind, um oficial que tinha sido ferido, estava a tomar as águas em Barèges. Ele encontrou nesse local Conde Médroso que tinha caído do seu cavalo atrás da bagagem, a uma légua e meia do campo de batalha e que também tomava as águas. A Inquisição era-lhe familiar enquanto Lord Boldmind era apenas familiar na forma de conversar. Um dia, após o vinho, ele teve o seguinte diálogo com Médroso:

[Read more…]

Catolicismo

11351226_10155681227005154_7797896746217911200_n inquisição

Uma ideia da Daniela Major, a propósito de uma campanha de meninos da católica, que tive um enorme prazer em concretizar.

Morte na fogueira

Estado Islâmico copia a Igreja Católica.

Os gatos e os deuses

10428082_759856084107781_8613804603295961157_n
Por esta altura, os meus amigos já perceberam que gosto de gatos, que vivo com gatos (notem como evito dizer”tenho gatos”). Não sou o único, estou bem acompanhado. É interminável a lista das pessoas que admiro que têm – ou tiveram – gatos. A coisa vem de longe e nem sempre é uma história feliz.

Há dez mil anos, na Suméria e na Babilónia, nos locais onde os homens primeiro se foram sedentarizando, os bichanos começaram a conviver com os humanos, fazendo um controlo de pragas que aqueles aprenderam a admirar. Aqui se foram criando os primeiros laços entre homens e gatos, aqui se foram criando as primeiras lendas. Uma delas conta que os gatos nasceram do espirro de um leão, sublinhando o parentesco entre os dois felinos.

Um provérbio indiano dirá, depois, que os deuses criaram os gatos para que o homem pudesse ter o prazer de acariciar um tigre. Mas é no Egipto antigo que o gato atinge o estatuto mais ilustre. Não admira – lá vem a economia…-, já que, sendo a grandeza e o poder do Egipto assente, em grande medida, na produção de cereais, desde cedo foi percebida a importância dos gatos no controlo da ameaçadora e ruinosa rataria. Daí, a sua sacralização. A deusa Bastet era representada com cabeça de gato. Depois, a aproximação dos gatos às residências familiares dos egípcios e a sua própria sedentarização transformaram-no no símbolo do próprio lar.

Assim, o gato passou a ter um estatuto de membro da família, chorado na morte como se fosse um deles, mumificado tratado em morte como se uma pessoa fosse. As penas para quem matasse um gato podiam ser graves, indo até à própria morte. Os gregos e os romanos têm, também, uma relação cordial com os bichanos. Na idade Média, porém, as coisas mudaram completamente. O Papa Gregório IX decretou, do alto da sua santidade, que os gatos eram seres diabólicos e deviam ser exterminados. Segundo as inteligentes e profundas reflexões teológicas do tempo, os gatos eram bruxas transformadas e quem fosse visto a ajudar um gato era denunciado à Santa Inquisição, com os desastrosos resultados que se adivinham. [Read more…]

Caminhos da Memória: A trajectória dos Judeus em Portugal

As perseguições, as conversões e a expulsão dos Judeus, o rei D. Manuel I e a Inquisição.

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI
Unidade 5.2. – Os novos valores europeus

O Poço e o Pêndulo

Baseado num conto de Edgar Allan Poe, O Poço e o Pêndulo é um filme de 1961 que retrata a Espanha no período da Inquisição através de um homem julgado e condenado por inquisidores. Os últimos 10 minutos do filme têm muito interesse, pois mostram os instrumentos de tortura utilizados na época.
É um filme de terror, mas para quem estiver interessado em fazer uma abordagem diferente do tema, pode sempre optar pelos Monthy Pyton e a Inquisição Espanhola.

Ficha IMDb

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carregue para ver [Read more…]

O Nome da Rosa

O clássico «O Nome da Rosa», baseado no romance de Umberto Eco, é obrigatório para o estudo desta matéria, nomeadamente a acção da Inquisição. As cenas do tribunal, bem como as da tortura que o antecedem e a razão de todos os crimes na abadia, que nos remetem para o Index, são imperdíveis. É por aqui que se pode começar a mostrar aos alunos o que foi o Tribunal da Santa Inquisição da Igreja Católica ao longo dos séculos.
Ficha IMDb

Carregue para ver

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI
Unidade 5.2. – Os novos valores europeus

Ai, falavas, falavas, Rui Pedro…

Negou-se a prestar declarações na Comissão para apuramento da verdade sobre o negócio PT/TVI. Rui Pedro Soares que ganha por mês o que não ganharia por ano se não fosse amigo de Sócrates e militante do PS, vem agora falar quando teve o tempo todo para o fazer na Comisssão, mas aí, fez uma declaração vexatória para defender Sócrates e a seguir remeteu-se ao silêncio.

João Semedo deputado do BE, que foi o relator, afirma que o boy foi “figura proeminente” nas duas tentativas de compra da TVI, uma por parte da PT, outra por parte do Taguspark e que “se empenhou pessoalmente nessas duas tentativas, promovendo diligências nesse sentido, conduzidas sob grande reseva e por sua exclusiva iniciativa”. Além de militante do PS é amigo de Armando Vara, José Sócrates, Paulo Penedos e Mário Lino. Acresce que à altura dos factos era administrador da PT e da Taguspark.

O Inquisidor – Mor, Rui Pedro Barroso Soares, vem agora dizer que “as semelhanças entre esta comissão e os julgamentos da Inquisição não são pura coincidência” .

Por acaso não sabia que  as testemunhas do caso tinham sido sujeitas a torturas para se obter a verdade, mas eu se fosse ao Rui Pedro não dava ideias. É que sujeito à tortura da roda falava, tornava a falar e dizia tudinho…

Há alturas que é uma pena…

Pequeno contributo para a defesa da Igreja Católica

Citando o documentário “The Myth of the Spanish Inquisition”, da BBC, conta-nos a Eternal World Television Network, canal de televisão de inspiração católica:

“A tortura era usada, mas não podia durar mais de 15 minutos e nunca poderia ser aplicada duas vezes na mesma pessoa. Walsh [William T. Walsh, historiador americano] afirma que, para que a tortura pudesse ser usada, um médico tinha de estar presente, e, à sua ordem, a tortura deveria ser interrompida.”

Ah, bom, isso já é outra coisa.

Acabemos com esse difamatório erro histórico e vejamos a verdadeira Inquisição espanhola:

Os Judeus e o largo de S. Domingos

O texto do João José Cardoso fez que experimente uma emoção que me assola sempre que vou ali para os lados do Rossio. Sabemos todos que naquele Largo, tivemos a Igreja de S. Domingos que ainda lá esta, no local onde hoje está o Teatro D. Maria estava a “Santa Inquisição” e seus calabouços e no largo a fogueira para limpeza de corpos e almas.

Acontece que por razões já muito bem conhecidas, num dia negro, alguem se lembrou de dizer que via uma imagem de um santo a brilhar, o que foi prontamente desmentido por um Padre que explicou que se tratava de um raio de sol que entrava pelos vitrais da Igreja e provocava aquele “milagre”. Grassava a peste em Lisboa, as almas andavam inquietas e logo ali se puseram a escorraçar e perseguir “cristãos novos”, tendo a turba morto um milhar e meio de pessoas.

Acontece que naquele largo foram à fogueira muitas pessoas e fico chocado que naqueles painéis apenas se homenegeie os Judeus.

Tenho pena que em vez de uma visão distorcida que pode levar as pessoas a pensar que só os Judeus foram vítimas, a Igreja católica, a Câmara e a Embaixada de Israel não tenham afinado pela justiça e pela equidade.

Para já não falar na estética que bem ficou a perder, bom teria sido se lá tivessem deixado sozinha, a oliveirinha vinda da Terra Santa…

Procura-se Diácono M/F

O Aventar como blogue plural e democrático e em franca expansão, procura, para equilibrar um perigoso consenso anti-clerical:

– Diácono com excelente desempenho em sacristia ( prova de vinhos, lava-pés, conservação de velas, gestão do pessoal de limpeza)

-Com capacidade de argumentação, escrita e verbal, para combater os seguintes pecados:

– Laicização sem nexo da sociedade

– Consumismo desenfreado

– Ateísmo pecaminoso e sem limites

– Fornicação : masturbação, sexo sem procriação, entre pessoas do mesmo sexo (bem preparado para explicar os casos com crianças na Irlanda e nos US)

– Profundo conhecedor da História da Santa Inquisição e seus métodos : assar já morto (realçar a bondade desta medida ); assar em coma (realçar a pequena dávida, voluntária, da família) assar para preencher os domingos dos crentes no Rossio (realçar que o espectáculo era gratuito)

-Deve ainda ter alguns conhecimentos de Informática.

Tal como no anúncio anterior (procura-se Aventador pró-Sócrates) deve ser dirigido à administração do blogue, com a maior urgência.

Bom plano de pagamentos, fixo e variável, este de acordo com as conversões, aqui no Aventar!