Primeiras letras

Uma das primeiras profissões que pensei que poderia vir a ter era a de preenchedora de impressos. Ocorreu-me isso quando me levaram ao serviço de identificação para fazer o meu primeiro bilhete de identidade e descobri que à porta vagueava um grupo de homens (confesso que não me lembro de nenhuma mulher), cada um munido de capinha e caneta, à espera do recém-chegado cliente com letra débil, caligrafia insegura, gramática titubeante, para de imediato apresentar os seus serviços e se ocupar de preencher os indigestos formulários estatais.

Para muitos, o contacto com a pesada máquina da administração pública cingia-se a renovar documentos, requisitar uma certidão, pedir um subsídio, e traduzia-se invariavelmente em impressos, formulários, requerimentos que metiam medo a quem raramente escrevia uma linha. Eram obrigados a comprar folhas que não sabiam como preencher, tinham medo de se enganar, a caneta tremia-lhes nas mãos quando se preparavam para fazer a primeira mancha, o primeiro traço de tinta no formulário impecável. Desistiam, não eram capazes. E aí estavam os solícitos preenchedores, gente calejada na tarefa e que não se atrapalhava quando se enganava numa letra e tinha de passar por cima com mais força. [Read more…]

O brilho da Lua é diferente em Março

lua

Maria Cantante tem 74 anos. Não sabe ler. Não sabe escrever. Exibe a licença de condução de velocípedes tirada em Setembro de 1960 (que ainda guarda na carteira).

Não foi à escola. Aprendeu a escrever o nome porque o seu irmão queria que ela fosse a sua madrinha de casamento. Copiou várias vezes até ser legível. É isso que sabe escrever. Assim, aprendeu a escrever o seu nome aos 21 anos. Tem o seu B.I. e o cartão de Eleitor assinados.

Não foi à escola porque teve que tomar conta dos irmãos mais novos.

Ditava frases para a menina que tomava conta e para a própria filha: “O pão é um alimento que aparece na mesa de toda a gente. O pão é feito de milho, trigo e até de cevada”; “ O amor de mãe encerra tudo quanto pode haver de generosidade e sacrifício. A mãe é santa que nos adormece, embalando-nos com ternura nos passos vacilantes de criança”.

As contas que sabe fazer são só as de somar.

Nunca comprou fiado; “não tinha dinheiro, não comprava”. Nunca quis «esmola». Diz que sempre fez um controlo do dinheiro. Não gasta se não tiver dinheiro. Não compra fiado, repetia-me.

Antes de ter o segundo filho não tinha nem uma cadeira. Comprou-a para que a parteira se pudesse sentar quando fosse o parto. [Read more…]

Fenómenos do analfabetismo contemporâneo

Ricardo Percentagem de Magalhães e suas contas da “gente empregue” chocou com a Priscila Rêgo. Um momento a não perder.

João Duque podia ter aprendido português? podia, mas nesse caso sabia ler e escrever

Assim, é hoje claro que a televisão do curto prazo pouco terá haver com a televisão de massas do passado, o que obriga necessariamente a repensar a noção de serviço público.

P. 7 do Relatório do Grupo de Trabalho para a definição do conceito de serviço público de comunicação social

Não, não li o ralatório, este naco encontrado no Facebook alimentou-me.

Ao Menos, será Amarelo o Nosso Submarino?

“A redução de cinco mil docentes no actual ano lectivo foi um dos factores que ajudou a compensar a derrapagem da despesa pública provocada pelo pagamento dos dois submarinos.”

ministro que fala verdade merece a minha admiração; resta saber é se o naufrágio de 5,000 professores nos coloca mais próximos do “modelo finlandês” ou, pelo contrário, nos deixa mais na merda. Os Cagalhães flutuarão?

Crime passional, jornalismo e analfabetismo

Ana Cristina Pereira escreveu no Público uma peça sobre um clássico crime passional (marido corneado mata mulher e amante e tenta o suicídio), com a particularidade de ter ocorrido num Portugal rural que por vezes achamos já não existir.

O texto não tem sangue, não tem pormenores mórbidos, não é do Correio da Manha que para já tem disponível online uma foto nojenta e um vídeo abaixo de cão. Está bem escrito, como é de resto habitual no trabalho da jornalista.

Assim não o entenderam vários comentadores: “Esta notícia parece ter sido copiada de um site estrangeiro e traduzida com Google!” é um dos mimos que por ali se podem ler.

Temo que isto já sejam efeitos de se ter em muito abandonado o estudo da literatura nas escolas. E de pelo contrário se leccionarem idiotices sobre o texto jornalístico, tal como se usava muito atrás no século passado (entre as quais o mito do parágrafo lead, essa velha muleta para textos coxos).

Por alguma razão o campeão dos tablóides é mais lido que o Público. É a vida.

A Ministra da Coerência

Isabel Alçada, actual ministra da Educação, promete iniciar a discussão sobre o fim das reprovações no Ensino. Sou-vos sincero ao afirmar que há já anos que não assistia a um tão coerente acto governativo – uma ministra que, pensando no passado recente mas sobretudo no futuro, vem garantir aos empregadores de Portugal que, doravante, como há já vários anos, os futuros escolarizados nada terão consigo que garanta que, de facto, sabem concretizar um pensamento, escrever um texto, um parágrafo, uma frase até, juntar letras…. doravante, o próprio Estado deixa de garantir mínimos na qualidade do ensino público e obrigatório. Acho muito bem este acto de coerência.

A actual situação é uma mentira pegada: é difícil um professor conseguir chumbar um aluno, é quase impossível um conjunto de professores chumbar um aluno. Ao menos assim, sabemos o que estamos a comprar: fruta com bicho lá dentro. Parabéns.