O Extravagante Boris Johnson

[J. A. Pimenta de França]*

Desconcertante, brilhante, despenteado, amoral

 

Conheço o Boris Johnson pessoalmente, fomos colegas de trabalho no início dos anos 90 quando estive colocado durante três anos na delegação da Lusa em Bruxelas. Ele era o correspondente do Daily Telegraph na capital belga.

Por dever de ofício encontrávamo-nos todos os dias em serviço, incluindo nas muitas viagens ao estrangeiro que os jornalistas encarregados de cobrir a UE e a NATO em Bruxelas são obrigados a fazer para acompanhar os trabalhos das instituições.

É um tipo muito inteligente, culto, simpático, embora arrogante (acho que é uma característica da “British upper class” a que pertence), com um notável sentido de humor, extremamente ambicioso mas, simultaneamente, extremamente desonesto.

Não era exactamente um jornalista, mas sim um político a fazer política através do jornalismo. Mente sem remorsos, torce a verdade de forma que ela se enquadre no que lhe der jeito no momento. Inventava notícias com a maior das facilidades, sempre para pôr em causa as instituições europeias.

Nas suas notícias e crónicas no Daily Telegraph, Boris Johnson apresentava uma narrativa sobre a União Europeia na qual as medidas de Bruxelas só tinham duas leituras: umas eram exigências tresloucadas de burocratas excessivamente bem pagos e desligados da realidade obcecados com a normalização de tudo, desde o tamanho das bananas às placas de matrícula dos automóveis, desligados da realidade; as outras, que não se enquadravam nesta primeira descrição, eram medidas sinistras destinadas a tornar a União Europeia num super-estado policial anulando todas as especificidades nacionais. [Read more…]

Notas sobre o Brexit

 

 

  • Algumas almas pretendem apresentar o referendo como uma vitória dos eurocépticos contra a União Europeia. É verdade. Mas não é toda a verdade.

 

  • Esta campanha foi baseada na discussão sobre a imigração. Tornou-se um voto contra a entrada supostamente desenfreada de imigrantes vindos da União Europeia (o caso mais notório, polacos e búlgaros). Provas? Quem está à frente da campanha foi Nigel Farage e Boris Jonhson. A palavra chave da campanha foi Imigração.

 

  • Isto não quer dizer que todas as pessoas que votaram Leave são racistas ou xenófobas. Isso é uma visão redutora e simplista. Muitas votaram porque têm de facto preocupações legítimas sobre o futuro da União Europeia. E os votos, todos eles, seja porque razão forem, têm legitimidade e devem ser aceites. É a democracia.

 

  • Contudo, é inegável que muitas outras pessoas votaram em nome daquilo em que em Inglaterra se chama “the little Englander mentality”.  Mais do que isso, a campanha foi conduzida de acordo com essa mentalidade. Isto quer dizer o quê exactamente?

[Read more…]

O fabuloso destino do Presidente Silva

daniel hannan

Cavaco Silva é de facto uma personalidade extraordinária. Conseguiu vários feitos. Por exemplo, conseguiu por Ambrose Pritchard do carinhosamente chamado Torygraph a defender os comunistas. Só por si isto já é um feito equiparável à gesta Portuguesa no Oriente. Mas há melhor: uns patriotas no Twitter conseguiram convencer meio mundo digital de que se está a operar em Portugal um autêntico golpe de Estado e que já há manifestações na rua e distúrbios em frente ao Parlamento. Várias pessoas no twitter, especialmente britânicos eurocépticos, perguntam por que razão é que a tendenciosa BBC não está a falar disto. Pois, a BBC sempre a apoiar a opressão dos povos e essa ditadura fascista que é a União Europeia.

Porque é que isto é maravilhoso? Porque Cavaco conseguiu com aquele discurso descabido, que não ocorreria ao belzebu, pôr uma parte da opinião pública Europeia do lado da esquerda portuguesa (a tal esquerda que cá não tem legitimidade nenhuma para governar). E depois porque fez precisamente aquilo que pretendia evitar com a indigitação de Passos: dar força aos eurocépticos. Nem são os eurocépticos portugueses porque esses estão reduzidos a uma relativa insignificância. Não, não. Aos eurocépticos verdadeiros e perigosos, aqueles que brevemente podem votar a favor da saída da Grã-Bretanha da União Europeia.

Portanto, senhor Presidente, Bravo.

PS: Quando acabei de escrever este post, um amigo enviou-me este artigo de Frances Coppola na Forbes que segue a mesma linha do artigo de Pritchard. Isto é a marca de um excelente presidente da República: sempre a dar à Pátria o protagonismo que ela merece.

Um exercício em História comparativa

Pessoas no Panteão em França:

– Voltaire
– Rousseau (cidadão de Geneva a ser enterrado no Panteão francês mas está bem).
– Jean Lannes
– Victor Hugo
– Zola
– Jean Monet
– Condorcet
– Abbé Grégoire
– Louis Braille
– Pierre Curie
– Marie Curie
– Alexandre Dumas

Pessoas em Westminster Abbey:
– Isaac Newton
– William Wilberforce
– Clement Attlee
– Beatrice Webb
– Charles Darwin
– John Herschel
– Angela Burdett-Coutts
– Samuel Jonhson
– Charles Dickens
– Geoffrey Chaucer

Pessoas no Panteão em Portugal:
– Óscar Carmona
– Sidónio Pais
– Humberto Delgado
– Guerra Junqueiro
– Almeida Garrett
– Sophia de Mello Breyner Andresen
– Manuel de Arriaga
– Teófilo de Braga
– João de Deus
– Aquilino Ribeiro
– Amália
– E agora Eusébio.

Propaganda assim e propaganda assado

30A_MIGRANT WORKERS TABLEMuito mais é o que os une que aquilo que os separa, transcrevendo a canção de Rui Veloso/Carlos Tê, é o que se poderia dizer da propaganda deste e do anterior governo. Separa-os a forma, une-os o objectivo.

A forma socrática consistia no registo grandiloquente dos momentos históricos, em paralelo com o incentivo ao ódio a um grupo profissional, os professores. No actual governo, a forma traduz-se na mensagem depressiva da não alternativa, estratégia redutora de qualquer oposição,  aliada ao ataque a toda a função pública. O comum objectivo resume-se à propaganda, a arte da manipulação da informação com o objectivo de influenciar uma audiência, independentemente da realidade.

O último exemplo da propaganda passista é a tese do desemprego estar a baixar em Portugal, recorrendo aos dados publicados pelo Eurostat, o qual usa os dados disponibilizados pelo INE.

[Read more…]

Boas Notícias, Más Notícias

Não tinha reparado que sendo hoje o primeiro dia do Ano seria totalmente impróprio dar más noticias , até porque a litania das queixas que aqui se ouvem  só difere das daí em grau e certamente não na natureza . Portanto vamos às boas  que são no entanto  poucas ,  mas nestes tempos as pessoas agarram-se a qualquer coisa , o que é preciso é fortalecer o animo . Não é por acaso que o slogan da 2ª Guerra  “Keep calm and carry on “ ganhou novamente uma inusitada popularidade.

Como boa noticia não me refiro obviamente às previsões da Goldman Sachs que dão a Grã-Bretanha a ultrapassar a Alemanha, o Japão e a França em riqueza criada. Nesta época festiva é normal que some people have a few too many, e por isso há que tomar estas noticias with a pinch of salt (and a couple of Alka-Seltzers ) .

Refiro-me sim  ao facto de que a Justiça Britânica estar em vias de se tornar uma das maiores exportações do RU. Pode estar perto o dia em que este país deixe de depender inteiramente da City e isto porque   muitos oligarcas russos  e não só   vão escolhendo  os nossos até aqui sorumbáticos tribunais para dirimir os seus pleitos de biliões . Só a acção que opõe Roman Abramovitch  (o dono do Chelsea ) a Boris Berezovsky vale seis , e com o fim ainda longe já rendeu  110 milhões de Libras aos cofres públicos .  Está agendada outra, esta contra Oleg Deripaska, o magnate do alumínio , que vale quase três biliões . Mas em breve a High Court em Londres será o palco da luta ( jurídica entenda-se ) entre Lev Leviev , o “rei” dos diamantes e Arkady Gaydamak que já foi dono do Portsmouth Football Club ;  mas desta não digo o valor para não vos fazer a cabeça andar ainda mais à roda .

[Read more…]

Hipocrisias

 

Os media portugueses estão ao mesmo nível intelectual do senhor que me vende bananas e cerejas na mercearia do bairro. O que diz a notícia é:

O título da notícia é: Britânicos querem gregos na Bancarrota. Tem tudo a ver. E mais, o artigo de Boris Johnson que é referido é claramente distorcido. Boris Johnson diz uma coisa que já várias pessoas disseram (e eu nem sequer gosto dele):

All it would take, say the European elites, is for the government of George Papandreou to discover a crazed Thatcherite zeal that inspires them to sell every Greek asset from the Port of Piraeus to Olympic Airways to the remaining marbles of the Parthenon. That should do it, they say. That should keep the show on the road. Will it work? I have to say I now doubt that very much indeed.

The trouble is that the Greek austerity measures are making the economy worse. Unemployment is now officially at 16 per cent, though the rate among under twenty-fives is approaching 40 per cent. Productivity is crashing under the weight of strikes and unrest, and debt is now more than 160 per cent of GDP, compared to 60 per cent debt to GDP in the UK.

Ou seja, a opinião de Jonhson é obviamente discutível mas não há no artigo nenhuma espécie de mesquinhez. Jonhson no mínimo é um iludido. Está a dizer a um grego aquilo que um inglês faria. É impensável para um inglês ser governado por factores estrangeiros. Tem sido assim desde 1530. Os gregos que cometerem erros atrás de erros durante os últimos anos. A saída do euro, que eu não defendo, é do ponto de vista de um britânico o mais acertado.

Os comentários do expresso são ainda mais hilariantes, cheios de preconceitos e teorias da conspiração. Gosto quando mencionam a História de Inglaterra. Foram de facto, um país de corsários e sacanas e reis paranóicos. Mas esquecem-se do resto. Deviam de facto pensar nela e ver o elemento comum. Ou ao menos, ouçam o Rule Britannia que isso já fornece umas quantas pistas.

O Príncipe, O Grande Jogo e a Wikileaks

É conhecido como O Grande Jogo a disputa pelo domínio da Ásia Central, que opôs os impérios russo e britânico durante o século XIX e inicio do século XX. Durante esse período toda a Ásia Central foi considerada um tabuleiro de xadrez onde os dois impérios fizeram as suas jogadas. Muita da acção centrou-se no Afeganistão que constituía a base perfeita para uma invasão da Índia (sob domínio britânico) ou do Turquemenistão (sob domínio russo). Em 1898 o vice-rei da Índia, Lord George Nathaniel Curzon, declarava:

Turquemenistão, Afeganistão, Transcaspia, Pérsia – para muitos estes nomes transmitem apenas uma sensação de extremo afastamento. Para mim, confesso, eles são peças de um tabuleiro de xadrez sobre o qual está sendo jogado um jogo pelo domínio do mundo.

[Read more…]

Profumo -um escândalo de há meio século – (Memória descritiva)

Na Primavera de 1963, explodiu uma bomba na pátria da respeitabilidade e das virtudes aparentes que a prolongada época vitoriana tatuou a fogo na idiossincrasia britânica. Um drama político levou à desonra pública de John Profumo, secretário de Estado da Guerra, à demissão de Harold Macmillan, primeiro-ministro, e ao suicídio do Dr. Stephen Ward, um osteopata da moda que apresentou Christine Keeler ao ministro – aquilo a que Fernão Lopes chamava um “alcoveta”. Hoje usamos a designação de proxeneta. As palavras mudam, a natureza humana não. Vou contar a história em traços muito largos. [Read more…]

Centenário da República: o Ultimato

Um dos acontecimentos que mais contribuiu para o desgaste e descrédito da instituição monárquica foi a questão do Ultimato que, em 11 de Janeiro de 1890, faz hoje 120 anos, o governo britânico (que designava o documento por «Memorando») entregou ao governo português exigindo a retirada das forças militares existentes no território compreendido entre as colónias de Moçambique e Angola, a maior parte nos actuais Zimbabué e Zâmbia), a pretexto de um incidente ocorrido entre portugueses e Macololos. A zona era reclamada por Portugal, que a havia incluído no famoso Mapa Cor-de-Rosa (que vemos acima), editado pela Sociedade de Geografia de Lisboa, em 1881, reivindicando, a partir da Conferência de Berlim de 1884/5, uma faixa de território que ia de Angola a Moçambique. Vejamos o mapa em versão simplificada.


[Read more…]