É duro ser liberal


Ao fim de vinte anos de desregulação dos mercados, da globalização sem a consequente regularização global, o mundo caiu numa depressão económica sem precedentes. É preciso voltar a 1930 para se encontrar algo parecido. O fosso entre os mais ricos e os mais pobres acentuou-se, há vastas áreas do globo na miséria. Mas os nossos liberais não se atemorizam com tão pouca coisa. Lançam mãos do seu inimigo de estimação – o Estado- para saírem do buraco. E do dinheiro dos contribuintes. Os exemplos, embora menos visíveis, acumulam-se resultantes das malfeitorias da “mão invisivel do mercado”. A América do Sul, com potencialidades económicas extraordinárias nunca saiu da pobreza. Produtores de petróleo como a Venezuela o mais que conseguiram foi criar uma elite endinheirada indiferente à miséria do resto do povo. No Chile e à boleia da ditadura de Pinochet, Friedman e os seus boys aplicaram os seus princípios neo-liberais à economia só possíveis no ambiente do Chile torcidário, e em ditadura. Porque é preciso ver que os princípios teóricos do neo-liberalismo, são inaceitáveis para quem é cobaia. “Há sempre quem queira trabalhar por um salário mais baixo” diz quem não concorda com a fixação do salário mínimo.Pois há , se não tiver qualquer alternativa, e se não se importar de viver na miséria. A verdade é que uma doutrina filosófica e política que assenta na “liberdade individual” é travestido, quando aplicado na economia, num ferrete de miséria e humilhação. E quando a feira é levantada quem paga a factura são a imensa mole de trabalhadores a quem o liberalismo com desprezo paga salários de miséria. É duro ser Liberal!

Comments


  1. Pois é. Sobretudo quando não há regulação, quando os estados se esquecem das suas funções, e quando o homem é um bicho muito ganancioso.

Deixar uma resposta