A belíssima Praça do Império

Em frente ao mais belo estuário do mundo um dos mais belos Monumentos do Património Mundial.

Separa-os uma Praça monumental, cheia de luz, de jardins, com uma magnífica fonte no centro. De um dos lados o Palácio da Presidência da República, continuado pelo belo Jardim Britânico, e pelo Museu dos Coches.

Do outro lado o Centro Cultural de Belém, peça que em contraponto ao rendilhado dos Jerónimos, se entranha pela seu corte moderno e angular. Debruçados sobre o Tejo ainda temos o Monumento aos Descobrimentos e mais afastada a Torre de Belém.

Ali se pode ver o padrão onde se assinala o sítio em que foram executados os Távoras (do Chão Salgado) para que nunca mais ali crescesse vida. As casinhas de rés de chão e primeiro andar, ainda originais do sec.XVll, onde junto à rua se abrigam restaurantes, cafés e a célebre Pastelaria dos Pastéis.

Paralelo ao rio estende-se um parque pintado de verde onde crianças e adultos dão largas à sua fome de correr e brincar. Mais à frente um Jardim frondoso.

Mas até os mais belos lugares podem ser cenário de pesadelos. A célebre e socialista empresa da Frente Ribeirinha quer erguer um monstro, do outro lado do CCB, para reinstalar o mais visitado e célebre museu português, o Museu dos Coches.

Para além da enorme massa de betão a construir, está previsto um silo automóvel com 4/5 andares ,sobre o Tejo e uma ponte pedonal sobre a estrada que liga a Cascais.

Já lá está erguido um Hotel projecto do sr. Arquitecto e Vereador da Câmara Manuel Salgado, que nos veio dizer muito circunspecto que tinha tido o maior cuidado em tirar o menos possível a vista do Tejo, coisa que temos que agradecer, evidentemente. Ali perto está previsto a instalação da Fundação Champallimou, obra que mercê dos seus objectivos poderá compreender-se.

Devagar, devagarinho, os sítios que nos dão prazer e qualidade de vida, vão sendo comidos pela voragem do lucro fácil e pela “obra” dos diversos autarcas .

Se não deitarmos mão e defendermos a nossa cidade ninguem o fará por nós. Tive muita esperança no “Zé que faz falta” e na “Roseta do movimento de cidadãos” mas um e outro já foram na cantiga da sereia Socialista, que vai comendo tudo o que lhes possa fazer frente!

Os aventadores aqui de Lisboa, com o Nuno Castelo Branco à cabeça iremos, implacavelmente, denunciar os abusos e as prepotências.