FutAventar – S. L. Benfica #3

Simples, não?
O que dizer ou escrever? Até o Nuno Gomes marcou um golo!

http://videos.sapo.pt/Lzh78ZAHiHOPAfz7eTFH

Coisas que me parecem surreais… mas são reais

Há crise económica, os partidos políticos dizem-se preocupados e atrevem-se a lançar alguns conselhos e recomendações sobre a melhor maneira de enfrentar e resolver a crise. Esses mesmos partidos aplicam fortunas em campanhas eleitorais, e, nestas, em formas pouco esclarecedoras de promover o debate político.

CAVACO E SOCRATES_3108

Os partidos políticos clamam – melhor será dizer, exigem -, por mais debates políticos e todos querem aparecer na televisão. Demoram meses a chegar a acordo e quando chegam não têm coragem de decidir. Têm de ser as televisões a fazer sorteios. Quando chegar a hora das verdadeiras decisões, o que vão fazer?

Uns lançam um programa político de muitas páginas e palavras. Outros são mais contidos nas palavras mas dizem quase o mesmo. As prioridades são as mesmas, as de sempre. Não pode haver outras, claro.

Alguém da presidência lança a suspeita de haver vigilantes do Governo a seguir Cavaco Silva e acólitos. Sócrates diz que é um “disparate de Verão” e mais nada faz, nem sequer pedir uma investigação. O Procurador Geral da República diz que não há dados que apontem para algo mais que o tal disparate.

O Presidente da República nada diz. Deixa o caso em lume brando, faz de conta que não é nada com ele e mantém-se a banhos, tranquilo. Quando fala é para dizer que não quer alimentar casos laterais e garante que preserva a solidariedade institucional. Espantoso. Nem demitiu ninguém, nem anunciou que o faria, não mandou convocar o primeiro-ministro, nem o PGR. Não pediu qualquer informação adicional, não interrompeu as férias para fazer uma comunicação ao país. Nada. Nicles.

Agosto termina hoje, mas com a classe política que temos, a silly season vai continuar.

ATEA

ATEA

Caro presidente [Lula da Silva]

o senhor chegou ao poder carregado pela bandeira de uma sociedade mais
justa e mais inclusiva. O uso da palavra “excluídos” no vocabulário
das políticas públicas tem o mérito de nos lembrar que as conquistas
de nossa sociedade devem ser estendidas a todos, sem exceção. Sim,
devemos incluir os negros, incluir as mulheres, incluir os miseráveis,
incluir os homossexuais. Mas, presidente, também é preciso incluir
ateus e agnósticos, e todos os demais indivíduos que não têm religião.

Infelizmente, diversas declarações pessoais suas, assim como
políticas do seu governo, têm deposto em contrário. Ontem mesmo o
senhor afirmou que há “muitos” ateus que falam sobre a divindade da
mitologia cristã quando estão em perigo. Ora, quando alguém diz
“viche”, é difícil imaginar que esteja pensando em uma mulher
palestina que se alega ter concebido há mais de dois mil anos sem pai
biológico. Algumas expressões se cristalizam na língua e perdem toda a
referência ao seu significado estrito com o tempo, e esse é o caso das
interjeições que são religiosas em sua raiz, mas há muito estão
secularizadas. Se valesse apenas a etimologia, não poderíamos nem
falar “caramba” sem tirar as crianças da sala.

Sua afirmação é a de quem vê ?muitos? ateus como hipócritas ou
autocontraditórios, pessoas sem força de convicção que no íntimo não
são descrentes. Nós, membros da Associação Brasileira de Ateus e
Agnósticos, não temos conhecimento desses ateus, e consideramos que
essa referência a tantos de nós é ofensiva e preconceituosa. Todos os
credos e convicções têm sua generosa parcela de canalhas e
incoerentes; utilizar os ateus como exemplo particular dessas
características negativas, como se fôssemos mais canalhas e mais
incoerentes, é uma acusação grave que afronta a nossa dignidade. E os
ateus, presidente, também têm dignidade.

Duas semanas atrás, o senhor afirmou que a religião pode manter os
jovens longe da violência e delinqüência e que ?com mais religião, o
mundo seria menos violento e com muito mais paz?. Mas dizer que as
pessoas religiosas são menos violentas e conduzem mais à paz é
exatamente o mesmo que dizer que as pessoas menos religiosas são mais
violentas e conduzem mais à guerra. Então, presidente, segundo o
senhor, além de incoerentes e hipócritas, os ateus são criminoso e
violentos? Não lhe parece estranho que tantos países tão violentos
estejam tão cheios de religião, e tantos países com frações tão altas
de ateus tenham baixíssimos índices de criminalidade? Não é curioso
que as cadeias brasileiras estejam repletas de cristãos, assim como as
páginas dos escândalos políticos? Algumas das pessoas com convicções
religiosas mais fortes de que se tem notícia morreram ao lançar aviões
contra arranha-céus e se comprazeram ao negar o direito mais básico do
divórcio a centenas de milhões de pessoas. Durante séculos. O mundo
realmente tinha mais paz e menos violência quando havia mais religião?
Parece-nos que não.

A prática de diminuir, ofender, desumanizar, descaracterizar e
humilhar grupos sociais é antiga e foi utilizada desde sempre para
justificar guerras, perseguição e, em uma palavra, exclusão.
Presidente, por que é que o senhor exclui a nós, ateus, do rol de
indivíduos com moralidade, integridade e valores democráticos?

No Brasil, os ateus não têm sequer o direito de saberem quantos são. O
Estado do qual eles são cidadãos plenos designa recenseadores para
irem até suas casas e lhes perguntarem qual é sua religião. Mas se
dizem que são ateus ou agnósticos, seus números específicos lhes são
negados. Presidente, através de pesquisas particulares sabemos que há
milhões de ateus no país, mas o Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística, que publica os números de grupos religiosos que têm
apenas algumas dezenas de membros, não nos concede essa mesma
deferência. Onde está a inclusão se nos é negado até o direito de
auto-conhecimento? Esse profundo desrespeito é um fruto evidente da
noção, que o senhor vem pormenorizando com todas as letras, de que os
ateus não merecem ser cidadãos plenos.

Presidente, queremos aqui dizer para todos: somos cidadãos, e temos
direitos. Incluindo o de não sermos vilipendiados em praça pública
pelo chefe do nosso Estado, eleito com o voto, também, de muitos
ateus, que agora se sentem traídos.

Presidente, não podemos deixar de apontar que somente um estado
verdadeiramente laico pode trazer liberdade religiosa verdadeira,
através da igualdade plena entre religiosos de todos os matizes, assim
como entre religiosos e não-religiosos de todos os tipos, incluindo
ateus e agnósticos. Infelizmente, seu governo não apenas tem sido
leniente com violações históricas da laicidade do Estado brasileiro,
como agora espontaneamente introduziu o maior retrocesso imaginável
nessa área que foi a assinatura do acordo com a Sé de Roma, escorado
na chamada lei geral das religiões.

Ambos os documentos constituem atentado flagrante ao art. 19 da
Constituição Federal, que veda ?relações de dependência ou aliança com
cultos religiosos ou igrejas?. E acordos, tanto na linguagem comum
como no jargão jurídico, são precisamente isso: relações de aliança.
Laicidade, senhor presidente, não é ecumenismo. O acordo com Roma já
era grave; estender suas benesses indevidas a outros grupos não
diminui a desigualdade, apenas a aumenta. Nós não queremos
privilégios: queremos igualdade e o cumprimento estrito da lei, e
muitos setores da sociedade, religiosos e laicos, têm exatamente esse
mesmo entendimento.

Além de violar nossa lei maior, a própria idéia da lei geral das
religiões reforça a política estatal de preterir os ateus sempre e em
tudo que lhes diz respeito como ateus. Com que direito o Estado que
também é nosso pode ser seqüestrado para promover qualquer religião em
particular, ou mesmo as religiões em geral? Com que direito os
religiosos se apossam do dinheiro dos nossos impostos e do Estado que
também é nosso para promover suas crenças particulares? Religião não
é, e não pode jamais ser política pública: é opção privada.

O Estado pertence a todos os cidadãos, sem distinção de raça, cor,
idade, sexo, ideologia ou credo. Nenhum grupo social pode ser
discriminado ou privilegiado. Esse é um princípio fundamental da
democracia. Isso é um reflexo das leis mais elementares de
administração pública, como o princípio da impessoalidade. Caso
aquelas leis venham de fato integrar-se ao nosso ordenamento jurídico,
os ateus se juntarão a tantos outros grupos que irão ao judiciário
para que nossa lei não volte ao que era antes do século retrasado.

Presidente, será que os ateus não merecem inclusão nem em um pedido de
desculpas?

Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos
www.atea.org.br

A Europa virou à direita? Qual Europa?

Os resultados das eleições realizadas em três estados alemães são no mínimo fascinantes. Alem de a CDU ter perdido a governação de 2 estados,

Nos dois casos antecipa-se uma coligação entre o SPD, A Esquerda (Die Linke) e os Verdes: Sarre poderá assim tornar-se na primeira coligação que o partido A Esquerda integra num estado federado ocidental.

A nossa comunicação social como é muito distraída nem repara no dado mais importante: a subida da Esquerda (Die Linke), que nos três resultados fica acima dos 20%, ocupando 0 2º lugar em dois estados.

O resto, com eleições gerais a 27 de Setembro, é mais do mesmo: o bloco central está instituído na Alemanha e pode muito bem ser fonte de inspiração para um futuro bloco central português. O facto de à sua frente estar o SPD ou a CDU é tão irrelevante como a (in)diferença entre PS com e sem D. De notar que nas últimas eleições europeias os partidos portugueses que mantêm relações com o Die Linke (BE e PCP) já somaram 20%.

Acresce na boas notícias que a extrema-direita desceu. Mais cuidadinho a ler os resultados globais das eleições para o parlamento europeu fazia bem a muita gente. Resultados e análise mais detalhada aqui.

Não há empreitadas grátis

lemos

No sábado o Expresso noticiava a propósito do programa de recuperação das escolas que coube ao Grupo Lena a melhor fatia no bolo das adjudicações de empreitadas: 89 285 milhões de euros, seguindo-se a Soares da Costa com menos de metade.

No mesmo sábado o Diário As Beiras inventava um “Dossiê Regresso às Aulas” composto por uma entrevista a Valter Lemos, cinco páginas, pela opinião dos sindicatos significativamente intitulada “Sindicatos ‘de olho’ nas eleições” uma página (a única disponível online), e outra sobre o preço dos livros escolares.

Qual é a relação? Antes de se lançar no jornalismo diário a nível nacional, o grupo Lena adquiriu a empresa Beirastexto, que juntou a  outros jornais regionais que já possuía. Adivinharam: a empresa Beirastexto é a proprietária do Diário As Beiras.

Mais um caso de amor com amor se paga. Da entrevista, além da repetição das mentiras  rotineiras, destaco o final: inquirido pela jornalista sobre o conselho que gostaria de deixar a um sucessor, Valter Lemos responde:

Não sou de muitos conselhos, nem tenho essa arrogância. Ainda tenho muito trabalho para fazer e não pensei nisso. Espero que o resultado das eleições seja favorável ao partido que está no Governo e espero que as questões de política educativa possam ter continuidade no sentido da melhoria de resultados.”

O sublinhado é meu. A preocupação também.

Faz hoje 70 Anos:

Quando o Supremo Comandante das Forças aliadas (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, etc.), General Dwight D. Eisenhower encontrou as vítimas dos campos de concentração, ordenou que fosse feito o maior número possível de fotografias. O motivo:

‘Que se tenha o máximo de documentação – façam filmes – gravem testemunhos – porque, em algum momento ao longo da história, algum idiota se vai erguer e dirá que isto nunca aconteceu’.

Entretanto, o Reino Unido removeu o Holocausto dos seus currículos escolares porque ‘ofendia’ a população muçulmana, que afirma que o Holocausto nunca aconteceu…
holocausto 3
holocausto 1

holocausto 2

 

 

(recebido por mail)

A ARTE (10)

A ARTE (10)

O conteúdo de uma obra é uma nova visão da realidade, às vezes um conflito, uma ponte ou uma travessia difícil entre a ideia e o Homem. Uma travessia sem demonstrações de verdade nem garantias de segurança. A única garantia é que algo muda dentro de nós e do mundo, por via da total liberdade do artista. A Arte é uma das formas mais livres de investigação e expressão de ideias e uma das maiores fontes de enriquecimento da nossa espontaneidade.
O artista é um ser vivo em mutação constante, com profunda experiência da vida, da alegria e do sofrimento do viver. O artista, ainda que nem sempre culto no sentido global do termo, está mais ou menos profundamente inserido no mistério da Natureza e das relações humanas, tal como o cientista e o filósofo, investigando, descobrindo e propagando ideias. Ele é dotado da energia, da acção, da sensibilidade, da curiosidade, da rebeldia e da capacidade de sofrimento necessárias à ânsia de conhecimentos novos, sem a qual não é possível uma personalidade artística profunda. Uma personalidade capaz de dirigir o olhar para outros mundos, outras formas de ser e de estar, outras maneiras não doutrinadas de olhar a existência.
A vivência da Arte é absolutamente singular e não tem paralelo com outro tipo de vivência. Há quem diga que aquele que não vive a Arte não vive a vida. Não querendo ser tão radical, prefiro dizer que quem não vive a Arte não sabe o que perde. Quem vive uma obra de Arte, poderosa expressão da essência humana, está constantemente a aprender uma experiência vivencial que não faz parte dos nossos padrões habituais de reflexão. E pode, se o estímulo, a sensibilidade e o sentido artístico tiverem a força necessária, alcandorar-se a instâncias onde reside uma fruição única do prazer estético. (Continua).

                              (adão cruz)

(adão cruz)

POEMAS DO LUSCO-FUSCO

Eu nasci na erva e dormi no feno
acordei com os melros e rouxinóis
e saltitei com os pardais.
Vesti-me de sol e despi-me de luar
estreei o mundo no abraço das árvores
e no beijo dos rios.
Meus olhos dormidos casaram a noite e o dia
no mesmo silêncio de sonho – menino.
A vida viveu em mim
crescendo todos os tamanhos
e medindo todos os céus.
Também eu fui criança
e matei em mim a criança que procuro.

                             (adão cruz)

(adão cruz)

Santarém, Capital do Gótico (X)

(primeira parte e explicação do «bodo aos pobres» aqui)

A elevação a cidade

A elevação a cidade, referendada por Sá da Bandeira no dia de natal do ano de 1868, representou o culminar de um longo período de desenvolvimento da vila. Um desenvolvimento que se prolongava já desde a época medieval, como o provam os contínuos favores de sucessivos monarcas. A carta régia que consagrou o título da cidade, de resto, traçava em algumas linhas toda a história da notável vila ao longo dos séculos.
«Atendendo a que, ilustre por sua remotíssima antiguidade e memórias nobilíssimas, veneranda pela primazia que lhe anda autenticada pela história, já como colónia militar, a que Júlio César deu o seu nome, já como convento jurídico, ou cabeça de uma das três grandes circunscrições judiciais, instituídas pelo imperador Augusto na Lusitânia, já como sede de governo e residência real, nos primeiros séculos da monarquia portuguesa, é a muito nobre vila de Santarém uma das insigníssimas povoações do reino;
Atendendo mais a que, desde 1273 até 1478, doze vezes foram no seu recinto convocadas e celebradas as antigas cortes;
Atendendo outrossim à importância da sua posição, à fertilidade do seu território, aos gloriosos brasões do seu passado, em todos os tempos, às numerosas provas de patriotismo dadas pelos seus habitantes em diversas épocas;
Considerando finalmente que, por todas as referidas condições e demais predicamentos bem conhecidos, é esta povoação inteiramente digna de subir em preeminência, não lhe faltando elementos para sustentar a correspondente dignidade;
Hei por bem fazer mercê à dita vila de Santarém, de a elevar à categoria de cidade, com a denominação de cidade de Santarém, e me praz que nesta qualidade goze de todas as prerrogativas, liberdades e franquias que direitamente lhe pertencem: devendo expedir-se à câmara municipal respectiva a carta competente, em dois exemplares, um para título daquela corporação, outro para ser depositado no real arquivo da Torre do Tombo.»
Foi um momento, o da elevação a cidade, que culminou um processo de profunda reorganização administrativa, em Santarém e em Portugal, iniciado em 1836 e continuado em 1853, 1855, 1895 e 1898. Na primeira daquelas datas, 1836, foram extintos mais de quatrocentos concelhos, fruto de privilégios do passado e da época em que ainda tinham alguma importância, e criados cerca de cem, maiores e mais aptos a corresponder às novas necessidades do liberalismo.
A par disso, surgem os distritos e Santarém vai ser a sede de um deles, de grande âmbito geográfico e que se estende às duas margens do rio Tejo. Das fronteiras de Castelo Branco às portas de Lisboa, eis os seus limites. Uma honra para Santarém, que viu posteriormente o título ser disputado por Tomar, e que provou que os velhos pergaminhos do passado não tinham sido esquecidos.
Um momento que vai trazer consigo alguns outros de igual importância e que não passam, afinal, de consequências do primeiro: a criação de um palácio do governo; a captação de delegações e serviços do Estado; e a construção de uma estrada rodoviária entre Peniche e Évora a passar pela Ribeira de Santarém.
Mas as alterações administrativas no concelho de Santarém não vão ficar por aqui. São alterações que começaram ainda antes, no século XVIII, e que depois se prolongariam pelo século XX. Quando os anos de Setecentos começaram, constituíam o município vinte e cinco freguesias: Abitureiras, Achete, Alcanhões, Azinhaga, Alpiarça, Almoster, Azoia de Baixo, Azoia de Cima, Cartaxo, Casével, Pinheiro, Pombal, Póvoa dos Galegos, Raposa, Ribeira de Pernes, Rio Maior, S. Pedro de Arrifana, S. João da Ribeira, Valada, Vale, Vale de Cavalos, Vale de Figueira, Vale da Pinta, Vaqueiros e Várzea.
Num primeiro relance sobre o panorama nessa época, em relação à actualidade, constatamos de imediato que Azinhaga, Alpiarça, Cartaxo, Pinheiro, Raposa, Ribeira de Pernes, Rio Maior, S. Pedro de Arrifana, S. João da Ribeira, Valada, Vale de Cavalos e Vale da Pinta não pertencem ao concelho.
Cartaxo, Rio Maior e Alpiarça viriam mesmo a constituir concelho próprio, em 1815, 1836 e 1914. Azinhaga passou para o concelho da Golegã; Raposa para o de Almeirim; Valada e Vale da Pinta para o do Cartaxo; Pinheiro e Vale de Cavalos para o da Chamusca; Cortiçada e S. João da Ribeira para o de Rio Maior.
Por outro lado, Póvoa dos Galegos mudou o seu nome para Póvoa de Santarém; Pombal passou a chamar-se Pombalinho; e Vale, Vale de Santarém.
Constata-se também que existem actualmente várias freguesias no concelho que, por esta época de grandes reorganizações administrativas, estavam integradas noutros municípios. Abrã, Alcanede, Arneiro das Milhariças e Pernes estavam nos concelhos de Alcanede e Pernes, que viriam a ser extintos. Não existia ainda a freguesia de Moçarria, que foi desmembrada da freguesia de Abitureiras; Póvoa da Isenta, que saiu do termo de Almoster; e Amiais de Baixo do de Malhou.

Economia e urbanismo: As grandes obras públicas

A segunda metade do século XIX vai marcar o início da modernidade para a vila de Santarém. Ao mesmo tempo, é criada uma série de infra-estruturas fundamentais a nível de transportes e comunicações, caso da via férrea e da ponte sobre o Tejo; e a nível social, cultural e urbanístico.
Assim aconteceu em todo a cidade. Mesmo a zona ribeirinha de Alfange, que vinha a definhar continuamente há alguns anos, devido à forma como fora separada do rio pelo comboio, ganhou um novo fôlego com a instalação na sua área, em 1891, da fábrica e gasómetro da Companhia de Iluminação e Gás de Santarém.
«Surgem então as modernas instituições da urbe: as escolas públicas e o Liceu Nacional, o Museu Distrital, a Biblioteca Municipal, o Teatro, a Praça de Touros, o moderno abastecimento de água a vapor, a Penitenciária Distrital, os jardins românticos, o matadouro municipal e as primeiras agências bancárias. A chegada do caminho-de- ferro, em 1861, a linha de caminho-de-ferro do leste e do norte, a abertura de estradas macadamizadas e a construção da ponte D. Luís I conferem uma nova fisionomia à cidade, integrando-a nas novas correntes urbanas e criando uma primeira vaga de interesse turístico na cidade, que pode documentar-se a partir da inauguração da linha ferroviária. O abastecimento de água iniciara-se em 1876, a introdução do gás de iluminação em 1892. Uns anos depois, será a vez da energia eléctrica.» (Catarina Viegas)
Na economia santarena oitocentista, notou-se sempre uma grande relação entre agricultura e indústria. Mesmo que as unidades fabris de grande dimensão não tenham penetrado no concelho com a dimensão com que o fizeram noutras localidades próximas, houve algumas de pequena e média grandeza que foram criadas e que tinham como sector de actividade a produção de vinhos, a moagem de cereais e a produção de estrumes, já não tanto o azeite. Daí a ligação ao sector primário a que se aludiu anteriormente.
Para além destas, iniciaram a sua laboração nesta época pequenas fábricas de bolachas e doces, de fermentação, de sabões e oficinas de fundição e serralharia de metais. A indústria de curtumes vai renascer em finais do século.
O grande crescimento económico obtido por Santarém no século XX tem as suas raízes mais imediatas no século XIX. A densificação da cidade, a construção de algumas obras de grande envergadura e a mudança da utilização de muitos dos edifícios existentes alteraram de alguma forma a face de Santarém, embora o respeito pela sua estrutura urbana tradicional tenha existido sempre.
Em termos urbanísticos, no século XIX surge um novo conceito de cidade – a cidade aberta. Vai ser a época das grandes destruições – desaparecem troços de muralhas, torres e
p
ortas, altera-se profundamente Alfange e Ribeira de Santarém para a construção da linha do caminho-de-ferro, desaparece a importância estratégica do rio e do monte.
Com o objectivo de desenvolver a totalidade do país, e não só o litoral, Costa Cabral projectara uma linha férrea que atingisse a fronteira espanhola. Nesse sentido, encarregou a Companhia de Obras Públicas de Portugal de desenvolver o projecto e de terminá-lo em dez anos.
A história da linha do norte, na qual a estação de Santarém se integra, começa em 1852. Nesse ano, a 30 de Agosto, um decreto governamental autoriza a construção daquela linha. A ideia era construir inicialmente a linha de Lisboa a Santarém e daí até à fronteira (linha do Leste) e até ao Porto (linha do Norte).
A 28 de Setembro de 1856, é inaugurado o primeiro troço da linha férrea, entre Lisboa e o Carregado. Dois anos depois, já se podia despachar mercadorias para Lisboa a partir da estação de Santarém. Em 1861, no primeiro dia do mês de Julho, a locomotiva Portugal, a mesma que fizera a ligação de Lisboa a Carregado, e a carruagem D. Luis chegam a Santarém pela primeira vez, momento que foi celebrado com grande regozijo.
Quanto à localização escolhida para a estação, após anos de estudos e discussões, acabou por ser extremamente negativa para o bairro ribeirinho de Alfange, que ficou separada do rio pela via férrea, e para a Ribeira de Santarém, cujo tecido urbano ficou totalmente esventrado e dividido a meio.
Um processo que não foi pacífico e que incluiu muitos estudos e a intervenção dos mais variados técnicos. Rumball, engenheiro encarregado de estudar essa primeira linha, apresentara um projecto em que a estação de Santarém ficava na Junqueira, a cerca de um quilómetro da vila. João Crisóstomo de Abreu e Sousa e Joaquim Tomás Lobo d’Ávila, chamados para avaliar o trabalho daquele engenheiro, propuseram uma outra solução, em que a estação, depois de cortar a calçada no lugar da Carne Coita, ficaria apenas a quinhentos metros do centro da povoação. A solução definitiva foi aquela que se sabe.
Outra das questões era a passagem da linha a norte ou a sul de Santarém. A Companhia das Obras Públicas de Portugal apresentara dois projectos. Um deles passava ao norte de Santarém, o outro ao sul, indo ambos convergir, após doze quilómetros de traçado, perto de Vale de Figueira. Após muitos estudos, foi decidido que a solução de fazer passar a linha pelo sul apresentava mais vantagens. Porque os declives, a altura dos aterros e as trincheiras eram menores; porque a estação ficaria mais perto da cidade e mais próxima do rio; porque os custos seriam menores.
No que diz respeito ao edifício da estação, o projecto de 1870 aliava ao edifício principal uma cocheira para carruagens. Só em 1925, no entanto, é que aquela começa a adquirir a sua feição actual, graças a um projecto de Perfeito de Magalhães. A construção viria a ficar concluída dois anos depois, com a colocação, na fachada virada para as linhas e ao nível do piso do primeiro andar, de dezoito painéis de azulejos policromos com temática local (touros, campinos, cenas agrícolas e conquista de Santarém aos mouros), realizados pela fábrica Aleluia a partir de desenhos de J. Oliveira.
Da antiga estação, ficaram então apenas as paredes exteriores. Para além de todas as transformações utilitárias, que tiveram como objectivo responder ao aumento da circulação e da procura, houve também preocupações estéticas, tendentes a transformar Santarém num dos locais de maior interesse ferroviário da linha do norte.
O edifício principal da estação, mais harmonioso, é composto por três corpos geminados, o central de dois pisos e os laterais de dois pisos com sótão amansardado. Fachada posterior virada para o cais, piso térreo resguardado por alpendre em ferro, assente em colunas toscanas. Nos vãos entre as portas, os tais painéis de azulejos.
A antiga cocheira das carruagens, hoje transformada em núcleo museológico, é um edifício de planta rectangular, coberto por telhado de quatro águas, cuja fachada principal é de vários panos divididos por pilastras. A multiplicidade estilística revela-se na coexistência entre a estética tradicional da casa portuguesa e os elementos neo-árabes e neo-barrocos presentes em alguns pormenores decorativos.
A localização da estação provocou o aparecimento de novas estradas macadamizadas, como a estrada da Estação, a ligação a Rio Maior por Vale de Estacas, a viabilização da estrada Ribeira de Santarém / Alcanhões e do antigo caminho das Assacaias. A estrada principal, aquela que ligava ao planalto urbano, foi iniciada em 1877 e estabeleceu também uma ligação viária à ponte que em breve atravessaria o Tejo.
Em 17 de Setembro de 1881, era inaugurada precisamente a ponte D. Luís I, que tinha como objectivo a ligação rodoviária entre Santarém e Almeirim. Uma obra que durou quatro anos e que se tornou um dos símbolos das pontes metálicas erguidas em finais do século XIX por todo o país. Era na altura a terceira maior ponte da Europa e a sexta maior do mundo.
As características do rio Tejo, sem grandes vãos nem desníveis, determinou que a ponte fosse do tipo «passerele», como já fora experimentado há mais de trinta anos em França. O contraste entre a alvenaria de pedra e o ferro resulta numa composição de grande significado artístico. As inovações tecnológicas usadas na sua construção incluíram o uso de caixões de ar comprimido, a construção das fundações dos pilares de alvenaria de pedra, a descoberta do método de contravenção em terrenos de aluvião. Foi modernizada na década de 50 do século XX sob a direcção do engenheiro Edgar Cardoso. Na sua época, foi uma das mais extensas do mundo.
Apesar de todos os méritos – Vítor Serrão considera-a o elemento cenográfico mais importante que Santarém recebeu depois da elevação a cidade – a ponte D. Luís I foi responsável pela perda de importância do Tejo, pois agora as comunicações terrestres dispunham de infra-estruturas adequadas para as necessidades. Foram grandes obras de engenharia hidráulica, aquelas que decorreram junto ao rio e que, para além da construção da ponte, englobaram a regularização das margens do rio e a modificação do seu leito naquela zona.
Mas não foi essa a única razão da perda de importância do rio Tejo. Nem sequer a primeira. Repare-se que, logo em 1854, terminava definitivamente a carreira regular de barcos que ligava Lisboa a Santarém.
«Na transição da década de 40 para a década de 50, Santarém apresentava ainda grandes deficiências no que respeita às suas vias de comunicação. (…) A ponte, que fora obviamente planeada pensando no trânsito de tracção animal, estava longe de corresponder às novas necessidades impostas pela circulação automóvel em crescimento explosivo.
Faz parte da minha memória a solução precária então seguida para a tornar operacional. De facto, sendo apenas permitido um sentido alternado em via única, tornava-se necessário implantar uma pequena guarita na sua extremidade norte e outra no seu extremo do lado sul, onde dois guardas, interligados por telefone, iam accionando um pequeno semáforo que permitia ou interrompia a passagem alternadamente de acordo com as circunstâncias, o que, logicamente provocava longas e desesperantes filas de espera de um e de outro lado. Tratava-se obviamente de um sistema primitivo e em tudo desajustado às necessidades determinadas pela circulação. A sua modernização chegaria já nos anos 50, em que foi decidido transpor os passeios para o exterior do tabuleiro, assentando-os sobre esquadros suportados pelas longarinas e estreitando-os, de acordo com a redução óbvia da circulação pedonal, agora praticamente inexistente, com a consequente recuperação total dos 6,20 metros de tabuleiro útil.» (Luís Eugénio Ferreira)
Com os seus defeitos, via férrea e comboio foram ainda assim

duas infra-estruturas fundamentais que, para o bem e para o mal, revolucionaram a vida do concelho. Duas obras que podem ser integradas no fontismo. O desenvolvimento que então se alcançou, em Portugal e graças à acção de Fontes Pereira de Melo, passou por obras públicas da maior importância e pela oferta de uma maior qualidade de vida às populações.
Uma das grandes características do urbanismo oitocentista foi uma mais próxima comunicação entre os diferentes espaços da cidade. A ideia inerente a todo o processo foi dar a Santarém uma condição mais polivalente, que respondesse às novas necessidades de uma urbe em crescimento. Os bairros e vilas operárias, por exemplo, foram construídos no interior do planalto para as pessoas que trabalhavam nas fábricas locais. Já no século XX, a cidade expande-se para fora dos seus limites. Até 1950, são edificados os bairros de Trigoso/Combatentes e o de S. Bento, planeados segundo uma perspectiva de desenvolvimento urbanístico rigoroso.
«Durante o século XX, a urbe conhece o maior surto de construção da sua existência, devido à sua expansão e à aplicação de novas tecnologias e materiais de construção. Surgem os edifícios construídos com cimento armado, de paredes elevadas em tijolo furado, impondo-se pelo seu volume e altura, em ruptura com a arquitectura tradicional.
Os novos conceitos urbanísticos funcionalistas e a necessidade de se criar um ambiente urbano que satisfizesse as necessidades materiais e emocionais da sociedade, trazidos a Santarém pelos arquitectos-urbanistas (que neste século tiveram um papel preponderante no desenho da cidade), conduziram a propostas de novas tipologias habitacionais, a novas ligações espaciais, a novas linguagens arquitectónicas e a novos volumes, tendo em conta as unidades de composição urbanísticas aplicadas.» (José Augusto Rodrigues)

QUADRA DO DIA

Mas meu rico S. João
Que no céu és bom rapaz
Diz à Justiça divina
Que olhe um pouco para trás.

O mais belo bar de Portugal

DSC05430 DSC05424DSC05426
A «Tasca do Cais», em Vila Nova de Cerveira, nas traseiras do Castelo e junto à zona ribeirinha, deve ser o mais belo bar existente em Portugal. Não tanto pelo interior, normalíssimo, mas pela envolvente da sua esplanada. Um largo rodeado de casas em pedra, onde as buganvílias vão cobrindo a mancha pétrea, uma pequena capela ao centro, a via férrea e o rio Minho. Só visto, embora as imagens que deixo e o vídeo que fiz dêem uma ajuda.

Lembro-me de uma quente noite de Agosto, há muitos anos, por volta das 3 da manhã. Pedro Abrunhosa chegou com uns amigos, nunca abandonando os seus óculos de sol, e sentou-se. Na altura, as mesas e as cadeiras da esplanada eram todas em madeira e umas pequenas velas ocupavam o centro das mesas. Se tivesse começado a cantar, teria sido o mais belo momento por mim alguma vez vivido. A magia daquele lugar supera quase tudo o que tenho visto pelo país, mesmo que hoje em dia a vulgaridade das mesas de metal e o fraco serviço tentem, sem sucesso, pôr em causa tudo o que escrevi antes.