Salvem os ricos, soltem os milionários – todo um programa


Este vídeo dos «Contemporâneos» já tem alguns meses, mas não deixa de ser uma delícia. Para todos aqueles que votam PS ou PSD, esta letra é todo um programa.

Publicado também aqui.

Do Contra, um novo blogue que apela ao Não-Voto no PSD ou no PS

Visto que nas últimas semanas os aparelhos partidários decidiram investir na criação de blogues, que apelam ao voto nos respectivos Partidos, decidi criar um novo espaço de discussão, jogando com as mesmas regras desses blogues mas utilizando-as em sentido inverso.
Este novo blogue chama-se Do Contra e apela, conscientemente, ao Não-Voto no PSD ou no PS. Como escrevo no «post» inicial, o Do Contra pede que os portugueses não votem em dois determinados Partidos. Os mesmos que têm (des)governado Portugal nas últimas três décadas. PSD e PS tiveram todas as oportunidades e falharam completamente. De cada vez que recuperaram o poder, falharam ainda mais. Portugal está, cada vez mais, na cauda da Europa. Esses dois Partidos não merecem continuar a governar. Não merecem mais um voto de confiança dos portugueses.
Como escrevo também nesse «post», começo sozinho, mas espero a contribuição de todos os que pensam como eu. Não por ser simplesmente do contra, mas sobretudo por ser a favor do nosso país.

Um post típico da silly season

10olharobama

Há alguns dias, a imagem que aqui colocamos tornou-se numa das mais vistas do mundo. Circulou por tudo o quanto é jornal, revista e blogues. Foi alvo de milhares de notícias e posts, de comentários e demais considerações.

O click foi feito por Jason Reed, da Reuters, na cimeira do G8, em Itália. O fotografo nem percebeu que tinha acabado de disparar uma das imagens do ano. Foi o editor que, mais tarde, chamou a atenção para o potencial da imagem, como contou Reed ao jornal brasileiro Zero Hora. Um potencial que se confirmou.

Supostamente, Obama está a apreciar o traseiro da jovem brasileira, de 17 anos, Mayara Tavares, uma das representantes do Brasil na J8 (Cúpula Júnior 8), que reuniu 56 adolescentes, com o objetivo de dar visibilidade a sua opinião sobre as questões discutidas pelos chefes de Estado.

Supostamente. Depois da publicação o passatempo passou por estudar ângulos, trajectórias de olhares e afins. A ABC ficou contente por desvendar o mistério e concluiu que Obama não estava a olhar para o rabo da jovem senhora mas sim a preparar o terreno para outra senhora descer o degrau.

Por mim, o principal aspecto a sublinhar nesta imagem não é o destino do olhar de Obama. O que me prende a atenção nem é sequer o traseiro da jovem brasileira mas sim o franzir de sobrolho maroto de Sarkozy.

O Aventar na Volta – Caldas – Castelo Branco

Duas cidades importantes na minha vida. Fui viver com o meu pai e com o meu irmão para Caldas da Rainha com 5 anos, andei na pré-escola junto do mercado do peixe, o que era uma porra porque me obrigava a subir uma rua bem empinada.

É uma cidade linda, com o Hospital termal e com aquela frondosa mata e belo jardim, onde se pode visitar o Museu de Bordal Pinheiro. As sua redondezas são do mais bonito que há em Portugal, desde Óbidos, uma cidade parada no tempo em termos urbanos, única no mundo, líndissima. Para o outro lado temos São Martinho do Porto, óptima praia, mais além Alcobaça com o seu maravilhoso Mosteiro e depois toda a história ligada aos Benedetinos, com quintas, moinhos, poços e ribeiras com a sua sabedoria que ainda hoje nos encanta.

Para Castelo Branco e a descida e as curvas de Vila Velha de Rodão, com os ciclistas a rodarem a 90 Kma/hora e que terminam na entrada do tabuleiro da Ponte, com a vista maravilhosa sobre as Portas do Sol, onde o rio acorda do seu preguiçar. Depois é pelo meio de terrenos que não respondem ao desejo do Homem de lhes plantar eucaliptos , que se corre para a cidade, hoje servida de uma bela autoestrada.

As recordações começam logo quando o pelotão, qual comboio, apanha os 5 ciclistas fugidos já sobre o Montalvão, terreno sagrado onde este vosso amigo foi rei de futebol descalço. A entrada da cidade faz-se por uma avenida bonita e larga que não havia no meu tempo, ali só havia a casa da Manela que eu adorava mas que o irmão, o Jorge, dito meu amigo não me deixava namorar. Ainda hoje não lhe perdoei. Era linda de morrer.

Não faço ideia de quem ganhou, já estou com os azeites…

Poemas com História: Vinte anos, meu amor

Antes do poema, a História. Este vídeo, comentado em português do Brasil, com uma outra afirmação menos correcta (do meu ponto de vista), explica a quem não se lembrar e a quem não souber, o que se passou naqueles dias de Agosto de 1945:

O poema que hoje vos trago foi escrito em 1965, quando se completaram 20 anos sobre o bombardeamento nuclear das cidades japonesas de Hiroxima e Nagasáqui. Foi publicado na antologia Hiroxima, uma antologia de poetas portugueses que organizei, de colaboração com Manuel Simões, e que foi publicada em 1967 e também na colectânea A Voz e o Sangue (1968).. O título é uma clara alusão ao script de Marguerite Duras, Hiroshima mon amour, para o filme de Alain Resnais. Foi reproduzido em numerosas antologias, algumas estrangeiras, e traduzido em diversos idiomas, nomeadamente em castelhano, em francês, em inglês e em catalão. Vamos ao poema:
Vinte anos, meu amor
O relâmpago da bomba que assassinou Hiroxima,
esculpiu sombras sobre a pedra e o cimento
e diz-se que uma delas foi a de um pintor
cuja silhueta ficou para sempre tatuada
no mármore da frontaria de um banco comercial.
O operário, no pedestal do seu escadote,
mergulhava o pincel na lata de tinta
quando o grande clarão se abateu sobre a cidade.
Isto é,
às oito horas e quinze minutos do dia seis de Agosto
de mil novecentos e quarenta e cinco
(enquanto outros homens lançavam bombas),
um homem que trabalhava deixava o seu protesto
esculpido a luz na fachada de um banco.
A sua sombra é talvez o mais evidente e doloroso
monumento à glória dos trabalhadores de todo o mundo.
Mas isto foi há vinte anos,
quando Hiroxima e Nagasáqui foram duas flores de fogo
em cujas corolas explodia a carne e o vidro,
o sangue e o betão – foi há vinte anos,
quando os SS fugiam de Weimar e de Auschwitz,
deixando barracões atulhados de esqueletos vivos
e pátios com montões de cadáveres – carne podre
e ossos amarelecidos que não houve tempo de cremar,
foi há vinte anos e dos barracões saíram filas
de esqueletos vivos que partiram para as suas pátrias
desembarcando nas gares cinzentas da Europa Central,
com a palavra esperança bordada nos seus brancos lábios.
Tudo isto há vinte anos e desde aí os homens,
com os lábios em que tinham hasteado a palavra esperança,
decoraram nomes de terras onde outros homens morriam
para que a esperança deixasse de ser apenas uma palavra:
– Coreia, Indochina, Argélia, Cuba, Congo…
As fachadas dos bancos de Orão, de Havana, de Leopoldville,
viram passar sombras reivindicativas de trabalhadores
e – embora não eternamente – elas projectaram-se sobre o mármore
numa ameaça do Trabalho à indignidade.
………………………………………………………………………………..
A esperança é como uma grande bandeira que os homens levam
nos lábios, nos olhos e na memória,
e as suas sílabas, como pombas invencíveis,
sobrevoam os fornos crematórios, as cidades assassinadas,
as câmaras de gás, as selvas e as celas dos presídios.
Os homens levam a esperança desfraldada nos seus lábios
e um dia hão-de hasteá-la sobre todo o Universo.

O aventar na Volta – O campeão Fernando Moreira de Sá

Lembro-me dos meus tempos de miúdo a volta era uma epopeia. Desde logo porque “os forçados da estrada” era esta a ideia que se tinha deste desporto, arrancavam de manhã e depois só se sabia deles por volta da uma da tarde.

Com um bocado de sorte conhecia-se o vencedor e as classificações às 19 horas, as surpresas das desistências, as fugas de 100 kms a lutar sozinho. Um dos que fazia destas fugas era “o velho Venceslau” (já naquela altura era assim tratado por causa daquele ar sofrido ) o pai da campíonissima Vanessa, eram pouco mais de trabalhadores rurais e da construção que se lançavam à aventura.

Já mais tarde, na vida militar, um dos soldados do meu pelotão era um conhecido corredor a quem eu dava umas baldas para ele poder treinar. Quando voltou da volta metia medo e dó. Não era branco e magro. Era transparente. Drogas todos os dias durante os 15 dias da volta. Dizia-lhe eu, mas não ganhaste em Abrantes, levavas uma mão cheia de minutos de avanço no ínicio da subida (uma subida dificil à entrada da cidade)e ele, saltou-me a pedaleira, saltou nada o que é que se passou? e ele não podia ganhar ía ao controlo e era apanhado.

A partir daí tenho uma relação amor/ódio com este desporto. É um desporto que eu jamais conseguia praticar (falta-me tudo, coragem, capacidade de sofrimento…) mas é muito bonito. As emissões do TOUR são uma fantástica viagem pela França, uma propanganda extraordinária ao país. Não perco uma.

Depois o desporto evoluiu muito, hoje temos atletas muito bem preparados, com óptimas máquinas (muito longe das velhas pasteleiras) muito bem apoiados médica e tecnologicamente, a ponto de o Director saber pelas informações do ritmo cardíaco se o atleta pode ou não continuar no esforço ou se tem que abrandar.

O problema é que fazem 200 Kms, sobem 3 montanhas e fazem 45kms /h, após 5 horas em cima de uma bicicleta e no outro dia outro tanto, e isto por mais que me expliquem eu não consigo entender.

Dormem uma noite sossegada, tomam banho, fazem uma massagem e comem quilos de esparguete com um bife e no outro dia estão como se fossem “recarregados ?

Desculpem mas não consigo perceber!

PS: Ontem fui à volta aqui em Lisboa depois jantei e enfrasquei-me, andei “de bar em bar” como na célebre canção do Toni de Matos, a polícia às três da manhã estava á espera do pessoal, uma hora na fila, vai embora que já tens idade para ter juízo. As docas de Alcãntara estão um “must”!

O Fernando Moreira de Sá foi um muito antigo vencedor da volta. Como vêm o Aventar não brinca em serviço. Já é aventador!

Propriedade Industrial de Língua Portuguesa

O Presidente da República já voltou de férias da Cappadocia? É que o homem está sempre de férias e/ou em viagem, e eu nunca sei por onde ele anda. Mas já que anda sempre pelo estrangeiro a divulgar e a defender (muito bem) a língua portuguesa, e a importância da sua manutenção como uma das mais faladas no mundo, queria só alertá-lo para um problema (propositadamente ou não) escondido: traduções de patentes. Provavelmente ele nunca ouviu falar disto, nem sequer ouvirá, e até pode parecer ridículo estar a chamar a atenção para este problema, quando há tantos diplomas importantes para recambiar para o Tribunal Constitucional, mas fica na mesma para consideração.

Portugal, em princípio, deverá ratificar o Acordo de Londres. Seguindo o bom exemplo dessa grande potência mundial que é a Hungria.

O Instituto Nacional de Propriedade Industrial diz que é bom: “O Acordo de Londres foi assinado em 2000 por 10 países no seio da Organização Europeia de Patentes (OEP) e tem como objectivo tornar o sistema europeu de protecção de patentes mais competitivo, através da redução da carga burocrática e dos custos associados às traduções exigidas nos países da OEP.” Assim, nós aqui em Portugal, não precisamos de traduzir para húngaro. Óptimo! Assim só temos de traduzir todas as patentes para português! Parece-me lógico.
Não compreendo muito bem como pode ser bom limitar apenas a três línguas (inglês, francês e alemão (que surpresa!)) toda a componente técnica de patentes. É que quem quiser ter acesso a patentes (o alicerce da tecnologia) terá que mandar traduzir tudo às suas custas. Continuo sem perceber como isto pode ser bom para um industrial português, necessariamente pequeno à escala europeia, que queira apostar numa indústria tecnológica. A mim, só parece bom para os grandes requerentes de patentes que querem proteger a sua propriedade com o menor custo possível. Como sempre, os países pequenos ficam a perder e os grande países ficam a ganhar. Nada de novo, portanto.
Com este Acordo de Londres, transfere-se rapidamente o custo da tradução de patentes de quem desenvolve uma invenção, para os pequenos industriais como os portugueses. Continuo sem perceber em que é que isto beneficia o nosso país e a nossa pequena dimensão. De certeza que “importamos” mais patentes do que “exportamos“, como em tudo o resto.
Convém lembrar que metade das patentes europeias são detidas por americanos e japoneses, o que demonstra bem a génese destes tipo de acordos. Interesse comercial e maximização de lucros. O normal.
À parte das questões técnicas, preocupa-me que se esteja sempre a defender (e bem) a Língua Portuguesa como um património único, mas no entanto se ratifique um Acordo, seja ele qual for, que a deixa de fora. Parece-me contraditório. O Acordo de Londres é simplesmente, o apagar definitivo da Língua Portuguesa no campo técnico e tecnológico. E depois é só esperar que outro Acordo qualquer, vá também apagando a Língua noutros quadrantes. Nada de preocupante, claro está!

Países que já ratificaram o Acordo: França, Alemanha, Reino Unido, Croácia, Dinamarca, Islândia, Letónia, Liechtenstein, Luxemburgo, Mónaco, Holanda, Eslovénia, Suécia, Suíça e recentemente a Hungria.

Países que não ratificaram o Acordo: Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, República Checa, Estónia, Finlândia, Grécia, Irlanda, Itália, Lituânia, Macedónia, Malta, Noruega, Polónia, Portugal, Roménia, República Eslovaca, Espanha, Turquia.

Aqui, aqui e aqui mais alguns argumentos contrários a este Acordo de Londres.

recomendação do dia

Pedro Almodóvar recomenda ao Papa Bento XVI que dê uma volta “fora do Vaticano e veja como é a família de hoje” e recorda-lhe que uma família pode ser composta de “pais separados, travestis, transsexuais e freiras doentes com sida”.

Propriedade Industrial

O presidente da república já voltou de férias da Cappadocia? É que o homem está sempre de férias, e eu nunca sei onde ele anda. Ele que anda sempre pelo estrangeiro a divulgar e a defender a língua portuguesa [http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1372990], e a importância da sua manutenção como uma das mais faladas no mundo [http://tsf.sapo.pt/PaginaInicial/Portugal/Interior.aspx?content_id=1059189], queria só alertá-lo para um problema (propositadamente ou não) escondido: traduções de patentes. Provavelmente ele nunca ouviu falar disto, nem ouvirá, e até pode parecer rídiculo estar a chamar a atenção para este problema, quando o homem tem tantos diplomas importantes para recambiar para o Tribunal Constitucional, mas fica na mesma para consideração.

Portugal, em princípio, deverá ratificar o Acordo de Londres.

http://www.marcasepatentes.pt/index.php?action=view&id=155&module=newsmodule

O Instituto Nacional de Propriedade Industrial diz que é bom: “O Acordo de Londres foi assinado em 2000 por 10 países no seio da Organização Europeia de Patentes (OEP) e tem como objectivo tornar o sistema europeu de protecção de patentes mais competitivo, através da redução da carga burocrática e dos custos associados às traduções exigidas nos países da OEP.”
Não compreendo muito bem como pode ser bom limitar apenas a três línguas (inglês, francês e alemão (que surpresa!)) toda a componente técnica de patentes. É que quem quiser ter acesso a patentes (o alicerce da tecnologia) terá que mandar traduzir tudo às suas custas. Continuo sem perceber como isto pode ser bom para um industrial português, necessariamente pequeno à escala europeia, que queira apostar numa indústria tecnológica. A mim, só parece bom para os grandes requerentes de patentes que querem proteger a sua propriedade com o menor custo possível. Como sempre, os países pequenos ficam a perder e os grande países ficam a ganhar. Nada de novo, portanto.
Com este Acordo de Londres, transfere-se rapidamente o custo da tradução de patentes de quem desenvolve uma invenção, para os pequenos industriais como os portugueses. Continuo sem perceber em que é que isto beneficia o nosso país e a nossa pequena dimensão.
Convém lembrar que metade das patentes europeias são detidas por americanos e japoneses, o que demonstra bem a génese destes tipo de acordos. Interesse comercial e maximização de lucros. O normal.
À parte das questões técnicas, preocupa-me que se esteja sempre a defender (e bem) a Lingua Portuguesa como um património, mas no entanto se ratifique um Acordo que a deixa de fora. O Acordo de Londres é simplesmente, o apagar definitivo da língua portuguesa no campo técnico. Nada de preocupante, claro está!

Países que já ratificaram o Acordo: França, Alemanha, Reino Unido, Croácia, Dinamarca, Islândia, Letónia, Liechtenstein, Luxemburgo, Mónaco, Holanda, Eslovénia, Suécia, Suíça e recentemente a Húngria.
Países que não ratificaram o Acordo: Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, República Checa, Estónia, Finlândia, Grécia, Irlanda, Itália, Lituânia, Macedónia, Malta, Noruega, Polónia, Portugal, Roménia, República Eslovaca, Espanha, Turquia.

Aqui [http://pedraderoseta.blogspot.com/2009/07/nao-ao-acordo-de-londres-salvaguardar.html] e aqui [http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=28901&op=all] mais alguns argumentos contra o Acordo de Londres.

Segredos

segredo

Aqui está a razão do êxito (ou a falta dele) do Benfica.

Daqui para a frente vai ser um Ai Jesus para o Clube da Luz.

Será que Nossa Senhora de Fátima os vai salvar?

Logo se verá..

Evocações do aniversário de Hiroshima

Música, projecções de video, exposições de fotografia, largada de balões, com origamis, sementes de árvores, e pedidos pela paz escritos pelos participantes, são algumas das várias iniciativas que irão assinalar mais um aniversário do bombardeamento nuclear de Hiroshima. No âmbito das actividades da Marcha Mundial pela Paz e a Não-Violência (MM), as cidades de Lisboa e Porto irão hoje acolher estas iniciativas. No Porto, o local escolhido será a Praça dos Leões, e o início está marcado para as 18h00. Em Lisboa, o local será o Largo de S. Domingos (Rossio), a partir das 19h00.

A irritação de Ferreira Leite

Diz o adágio popular que o que nasce torto, tarde ou nunca se endireita. Talvez seja esse o caminho do PSD no processo eleitoral para as legislativas.

Quando tudo estava a correr bem para Manuela Ferreira Leite, bastou a contestação de algumas distritais às suas opções para a construção das listas do PSD às eleições e uma mão cheia de perguntas de jornalistas, para a líder do partido “laranja” exibir uma estranha irritação.

Ser presidente do PSD, partido que pode ser governo de Portugal dentro de poucos meses, dá-lhe poder e autonomia para decidir sobre quem pretende integrar nas listas mas também obriga Ferreira Leite explicar essas opções aos portugueses. E, de preferência, sem arrogância e irritação.

Computadores perigosos

Um em cada cinco computadores do Estado está vulnerável a ataques. É o que diz um estudo realizado pelo Instituto Pedro Nunes. Pois. Mas isso não é nada. Eu acho que andaram aqui a vasculhar os meus textos, no meu computador, em minha casa. Sinto-me inseguro. É que eu estava a ver umas notícias sobre hackers, a escrever sobre isso, e aparece-me logo um estudo a dizer que isto “Não está famoso, mas podia ser muito pior. O nível de segurança em Portugal é perigoso“. Exactamente o que eu estava a pensar e a escrever. Adiante.

Alguém conhece o Gary McKinnon? Eu também não, mas há dois dias atrás, quando li uma notícia que ele provavelmente ia ser extraditado para os Estados Unidos, fiquei a conhecer a personalidade. Está tudo aqui na wikipedia. Fiquei então a saber que alguém, a partir de casa, sobre o efeito de drogas e a quem foi diagnosticado Síndrome de Asperger, consegue entrar em 97 computadores da NASA, Exército, Marinha, Força Aérea e Departamento de Defesa dos Estados Unidos para procurar provas de OVNIS… e sim, claro que ele encontrou provas sobre a presença de extraterrestres na Terra, mas está claro que também ninguém acredita…

Gary Mckinnon, 43 anos, desempregado e autista: o maior hacker de todos os tempos? Bem, deve ser, porque querem dar-lhe 60 ou 70 anos de cadeia e até já esteve para ir até Guantanamo! Ingleses e americanos lá se entenderão de certeza, mas o mais certo é que o homem vá mesmo ser julgado nos Estates e se calhar por lá vai ficar. Eu acho que por demonstrar a total falta de segurança informática da mais poderosa nação do mundo, ele merecia era um prémio! Vou apoiar o homem aqui.

Face ao primeiro estudo e a este “pequeno” incidente tenho de perguntar-me: Segurança na net? Níveis de segurança? Segurança de dados informáticos? Que segurança?

Falando de democracia: Um dia já não me lembrarei. De nada (sobre Hiroxima e Nagasáqui)


Foi há 64 anos. A era de um novo terror começara. Os Estados Unidos lançaram a 6 e a 9 de Agosto sobre Hiroxima e Nagasáqui, respectivamente, as primeiras bombas nucleares a atingir alvos civis. Em 1965, com o poeta, e agora professor universitário, Manuel Simões, organizei uma antologia com «depoimentos de poetas portugueses sobre o flagelo atómico, no 2º aniversário da destruição de Hiroxima e Nagasáqui». Mais de trinta escritores contribuíram com os seus poemas para esta edição que foi publicada em 1967 – nomes como os de António Cabral, António Rebordão Navarro, Casimiro de Brito, Eduardo Guerra Carneiro, Egito Gonçalves, Fernando J.B. Martinho, João Rui de Sousa, Manuel Alegre, Maria Rosa Colaço, Papiniano Carlos… Transcrevo alguns excertos do prefácio (estávamos a 7 anos de Abril e o livro foi proibido, não só pelo seu prefácio, mas também pela agressividade da maioria dos poemas):
«Agosto de 1945 é para o mundo, um fundamental marco miliário: é a partir dessa altura que é lícito falar-se dos Estados Unidos como da mais poderosa potência do Ocidente. A ambiciosa e florescente nação dos anos vinte, ressurge, já recomposta das cicatrizes que a crise económica de 1929 abrira. Poder edificado sobre os 130 000 cadáveres de Hiroxima e de Nagasáqui, consolidado com o sangue e com as lágrimas de tantas vítimas.
«Em nome da Liberdade, os E.U.A. deram o seu contributo para a destruição do nazi-fascismo, mas hoje, após a guerra da Coreia, após a invasão da Guatemala, após o desembarque na Baía dos Porcos, após a intervenção no Congo, em plena guerra do Vietname e em flagrante e escandalosa ingerência na política interna da República Dominicana, é oportuno perguntar até que ponto a «democracia» ianque se identifica com os fantasmas que ajudou a derrubar.» (…) «Os 130 000 mortos de Hiroxima e de Nagasáqui, são diariamente agitados ante os nossos olhos como um negro estandarte. A América serve-se dessa terrível recordação que inseriu a fogo na memória deste século, para amedrontar o mundo.»(…)«No Verão de 45, o Japão estava virtualmente derrotado – esgotara as suas fontes de energia humana e económica. Mas, nos Estados Unidos, temiam-se as consequências de uma batalha final em que o império nipónico empregasse desesperadamente as suas últimas forças.» (…) «É preferível que morram 100 000 japoneses a que morra um só Americano, eis uma explicação oficial citada num livro de J. Robert Oppenheimer.» (…)«Hiroxima, se é um terrível símbolo de morte, se é o aval do cheque com que os americanos exercem a sua chantagem atómica, é, para os homens verdadeiramente livres, e referimo-nos àqueles que o são em pensamento, ainda que os seus pulsos levem algemas, um símbolo de Paz.» (…)«Símbolo de Paz, porque nos ensinou, entre outras coisas, que Hiroxima pode, amanhã ou ainda hoje, acontecer em Londres, em Lisboa, em Moscovo ou (quem sabe?) em Nova Iorque.»
*
Mais de 40 anos depois, estas palavras continuam actuais Com pequenas alterações de circunstância e pormenor, voltaria a subscrevê-las. O que aconteceu de 1967 a esta parte não as desmentiu, antes as confirmou. Inclusive na medida em que o reflexo da prepotência norte-americana, apoiada pelos seus aliados da NATO, sob a forma do fundamentalismo islamista, atingiu Londres, Nova Iorque e Madrid. Porém, perdura, nos dias de hoje, 64 anos depois, a memória de Hiroxima?
Para nos recordarmos, vejamos acima algumas cenas de «Hiroshima mon amour», o inesquecível filme que, em 1959, Alain Resnais realizou com script de Marguerite Duras.

O professor Eduardo Lourenço, num artigo publicado no Público há vinte e quatro anos diz: «Desde Heródoto que a História existe como discurso contra o esquecimento, como estratégia para conferir um ¨sentido¨, uma plausível inteligibilidade inerente à vida e acontecimentos humanos. Para termos essa existência plena, semelhante à dos deuses gregos, imunes ao tempo, assumimos a vigília sem noite que chamamos História. Nela e com ela, sabemos de onde vimos e para onde vamos. Subsidiariamente, quem somos. Desta ilusão fundadora Hiroxima nos despiu. Os seus “cem mil sóis” não podem ser olhados sem morrer. Mesmo a sua recordação é mortal. Hiroxima impõe o esquecimento.» (…) «Hiroxima é um não-lugar, uma Pompeia fabricada de mão pensada pelos homens. Os japoneses deviam tê-la conservado assim, arrasada como Cartago pelos novos romanos, insuportável à vista e intolerável para o coração. Preferiram dissimulá-la e ninguém está no seu lugar para os julgar. Para sobreviver, incorporaram o esquecimento na sua história privada. Sem o saber, inauguravam a lúdica era da pós-modernidade que não é culto pedantismo de intelectuais europeus expulsos de uma História como fonte de sentido, mas tempo de gente que incorpora o esquecimento-Hiroxima por saber de mais que, sem ele, desembocaria descalça num terraço com vista privilegiada sobre o nada. Aquele onde tão festivamente estamos.» Vejamos mais um pouco do filme de Resnais.

Como Eduardo Lourenço, citando Marguerite Duras, lembra nesse artigo publicado no Público quando do cinquentenário da destruição atómica: «Un jour je ne me souviendrai plus. De rien». São palavras de Emanuelle Riva, a intérprete principal do filme: «- Um dia já não me lembrarei. De nada». Um dia, Hiroxima será uma data nos livros de História. Não nos lembraremos. De nada.