O aventar na Volta – O campeão Fernando Moreira de Sá

Lembro-me dos meus tempos de miúdo a volta era uma epopeia. Desde logo porque “os forçados da estrada” era esta a ideia que se tinha deste desporto, arrancavam de manhã e depois só se sabia deles por volta da uma da tarde.

Com um bocado de sorte conhecia-se o vencedor e as classificações às 19 horas, as surpresas das desistências, as fugas de 100 kms a lutar sozinho. Um dos que fazia destas fugas era “o velho Venceslau” (já naquela altura era assim tratado por causa daquele ar sofrido ) o pai da campíonissima Vanessa, eram pouco mais de trabalhadores rurais e da construção que se lançavam à aventura.

Já mais tarde, na vida militar, um dos soldados do meu pelotão era um conhecido corredor a quem eu dava umas baldas para ele poder treinar. Quando voltou da volta metia medo e dó. Não era branco e magro. Era transparente. Drogas todos os dias durante os 15 dias da volta. Dizia-lhe eu, mas não ganhaste em Abrantes, levavas uma mão cheia de minutos de avanço no ínicio da subida (uma subida dificil à entrada da cidade)e ele, saltou-me a pedaleira, saltou nada o que é que se passou? e ele não podia ganhar ía ao controlo e era apanhado.

A partir daí tenho uma relação amor/ódio com este desporto. É um desporto que eu jamais conseguia praticar (falta-me tudo, coragem, capacidade de sofrimento…) mas é muito bonito. As emissões do TOUR são uma fantástica viagem pela França, uma propanganda extraordinária ao país. Não perco uma.

Depois o desporto evoluiu muito, hoje temos atletas muito bem preparados, com óptimas máquinas (muito longe das velhas pasteleiras) muito bem apoiados médica e tecnologicamente, a ponto de o Director saber pelas informações do ritmo cardíaco se o atleta pode ou não continuar no esforço ou se tem que abrandar.

O problema é que fazem 200 Kms, sobem 3 montanhas e fazem 45kms /h, após 5 horas em cima de uma bicicleta e no outro dia outro tanto, e isto por mais que me expliquem eu não consigo entender.

Dormem uma noite sossegada, tomam banho, fazem uma massagem e comem quilos de esparguete com um bife e no outro dia estão como se fossem “recarregados ?

Desculpem mas não consigo perceber!

PS: Ontem fui à volta aqui em Lisboa depois jantei e enfrasquei-me, andei “de bar em bar” como na célebre canção do Toni de Matos, a polícia às três da manhã estava á espera do pessoal, uma hora na fila, vai embora que já tens idade para ter juízo. As docas de Alcãntara estão um “must”!

O Fernando Moreira de Sá foi um muito antigo vencedor da volta. Como vêm o Aventar não brinca em serviço. Já é aventador!

Comments


  1. Eheheheheheh. O Fernando Moreira de Sá vencedor da Volta a Portugal, de seu verdadeiro nome, José Fernando Moreira de Sá, é um primo meu afastado (grande amigo do meu Pai). Por diversas vezes temos sido confundidos – há uns tempos atrás a C.M.Maia e a Junta de Silva Escura (Maia) decidiram homenagear este campeão atribuindo o seu nome a uma rua. Tive a oportunidade de com ele falar e nos rirmos com as constantes confusões. Imaginem um homem sossegado a ser incomodado por causa de artigos de opinião violentos escritos por um tal Fernando Moreira de Sá, ehehehehehehe.


  2. Eu de bicicleta nem uma volta em redor da minha rua quanto mais uma volta a Portugal, eheheheheh. Eu é mais bolos, eheheheheh.