Ouça o Sócrates, espere o contrário

Com os primeiros sinais de abrandamento da crise duas posições se consolidaram. As dos que não têm qualquer ideia para sair dela e as dos que sabem muito bem o que têm pela frente e respondem em sintonia.
Ângela Merkel vem dizer que ninguem de bom senso pode ver nestes brandos sinais o fim da crise. Sócrates decreta o fim da crise.
Entretanto, para além das preocupações com o aumento do desemprego, outras preocupações se revelam. Todas as instituições financeiras internacionais apontam para um desemprego, em Portugal, superior a 10%. Como não podia deixar de ser o nosso governo aponta para valores mais baixos. Uma preocupação, muita portuguesa, tem que ver com quem já esgotou o direito de receber apoio no desemprego. Como este subsídio corresponde ao tempo de descontos, quer dizer que temos os jovens sem emprego e sem subsídio.
Voltam a casa dos pais desempregados? Emigram ? Recorrem à violência?
Outra questão que passa ao lado do discurso político é que a margem de retoma das economias é muito frágil, tanto do lado da oferta como da procura. Podemos entrar em estagnação por muito tempo como aconteceu com o Japão, nos anos 90.
Portugal se não apostar na criação de riqueza , na produçõa de bens e serviços transaccionáveis e dirigidos para a exportação, vai entrar num período de empobrecimento. Não são os lucros dos bancos, nem das empresas públicas, dirigidas para o mercado interno que darão a volta ao problema. Como só não vê quem não quer. Foi sempre a política económica dos últimos cinquenta anos e que nos arrastou para este beco. Não são os megainvestimentos.
É a produtividade, a inovação, a exportação. Mas para isso é preciso ser muito bom, ser determinado, não ter medo dos senhores do dinheiro. É preciso a reforma da Justiça, da Administração Pública, da Fiscalidade!
É tudo muito dificil mas é o único caminho! Leiam o programa do PS e não se encontra lá nada que não tivesse sido experimentado nos últimos cinquenta anos!
Que a coragem comece por quem vota!

Comments

  1. maria monteiro says:

    a coragem de votar porque… Já chega mais do mesmo!

  2. dalby says:

    Maria beijos, obrigado pelos livros querida..farei chegar ao Luis também..Olhe, quando for a Fatima ou a Lourdes-FR reze não pela conversão da Rússia mas do Miguel Dias e sobretudo do nosso (aliás meu mais não é, que já é ‘ex’, agora é só Vosso !!!) R’ -Todo-Poderoso que está capaz de me comer vivo! NÃO FALA COMIGO, NÃO ME RESPONDE E SE ABRE A BOCA É PARA ME ATIRAR COM UMA PEDRA DIREITA AO CORAÇÃO..Por isso Maria, venha também ao ZOOM no Sábado comigo com a o Willy com a Martine, com provavelmente a Carla, e com a Belina mas passe-me por Fatima e ponha uma vela pelo R e pelo MDias, pela revonversão de dois grandes pecadores e uma promessa que se estes forem bonzinhos comigo de futuro, que vou a pé para o ano e lhes canto o Turtle Blues da Janis Joplin!!!dalby seu, merci bien pour tout ma cherie!

  3. maria monteiro says:

    Meu caro “A”, agora estou mais virada para o sul mas logo, a caminho de Portalegre, farei um desvio até às terras da realeza… e no Santuário de Vila Viçosa as minhas preces serão mais para que cada um de nós seja construtor dos seus próprios caminhos… os milagres acontecem… digo eu que acredito nas pessoas e…continuo a acreditar no Aventar.O Zoom fica para uma próxima vez …1Abraçomaria


  4. Luís, José Sócrates não decretou o fim da crise. Tal como Merkel, disse haver sinais positivos.