ELEIÇÕES DE CAPOEIRA

ELEIÇÕES DE CAPOEIRA

O ridículo destas eleições domésticas sem ideias, projectos, sonhos e utopias enoja-me.
Este emaranhado de mentes obsoletas, desertificadas, desenraizadas de tudo cria em mim um tédio avassalador.
Esta indigência mental atrofia-me.
Esta capoeira, alheia á abrangência dos problemas do mundo, arranha-me o espírito.

Da infernal religião do mercado, dos rituais dos sacerdotes do poder, espalhados por todos os cultos reverenciais do dinheiro, em congressos de ética onde é notório o défice de moralidade, ou em cimeiras de repartição do que ainda resta do terceiro mundo, nada se diz.
Da perversão dos conceitos, inversão e anulação de valores, nada se fala.
Da descarada hipocrisia, nesta floresta de enganos e desvios, em que as grandes nações vendem a morte dos filhos da humanidade, nada se julga.
Da invenção e criação de organizações ditas humanitárias para lavar o rosto e as mãos das manchas de sangue, nada se comenta.
Da despudorada ingerência externa no coração dos povos soberanos ninguém quer saber.
Da submissão e prostituição da própria ciência perante os apetites do poder, ninguém se importa.
Do tenebroso domínio do poder económico sobre o poder político, do ameaçador “pensamento único” que tenta criar um homem desprovido de razão, vontade e emoções, ninguém fala.
Da arte e da cultura, consideradas supérfluas e perigosas ninguém se lembra.
Da ética e da dignidade, valores supremos do homem, ninguém se vale.

Aleluia, aleluia! Bem-aventurada a proliferação de falsos profetas que proclamam a morte das ideologias.
Aleluia, Aleluia! Bem-aventurados os homens com etiquetas de preço e comportamentos negociáveis.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.