Associação de pais – dinheiro, poder e partidarite

Eu quando “era pai” no sentido de ter o filhote na escola, ía às reuniões de pais com mais uns quantos, ouvíamos o que tinhamos a ouvir ,fazíamos as perguntas que tínhamos a fazer e até à próxima reunião se tudo corresse como esperado.

Depois comecei a ver um senhor a ser convidado como representante da Confederação de pais, para falar na TV, nos jornais, nas rádios, enfim, uma parceiro social .Mesmo assim sempre pensei que se tratava de uma organização expontânea de pais preocupados com os filhos, com as escolas, com o encontrar de soluções, independente de ideologias, de outras organizações partidárias, eram os filhos ponto!

Pois sim, escorrega por ali dinheiro que vem como sempre, cá no burgo, do orçamento de estado que nós pagamos e não é tão pouco assim, revela-me quem sabe da coisa. Por isso se percebia a defesa das políticas do governo, a colagem mais ou menos evidente a certas medidas que a bem dizer pouco teriam a ver com o interesse dos pais e dos respectivos rebentos.

Agora, dirigentes da Confederação das Associações de pais demitem-se conta a colagem às políticas do governo, entre os quais o seu vice-presidente e mais quatro dirigentes desta estrutura que tem cerca de 1 700 associações federadas. Albino Almeida, o presidente, participou na Convenção do PS o que tambem não caiu bem .

Há um subsídio de 137 mil euros que parece que está a ser utilizado com uns cartões de crédito à mistura e que reforça a hipótese de umas quantas associações se juntarem a outra Confederação entretanto criada, esta mesmo independente, pelo menos no nome, e o que aqui temos é mais uma guerra entre partidos à cata de dinheiro e de poder.

E eu nunca mais deixo de ser anjinho!

Comments


  1. gostei do «partidirite»..alguma inovação lexical…De resto votação para este post:10, padrão, norma, nada de especial!