Tudo pelo Brasil. Nada contra os Jogos.

O meu texto aqui no Aventar sobre os Jogos Olímpicos, atribuídos ao Brasil, teve repercussões no pais irmão. Não ficava de bem comigo mesmo se não deixasse uma palavra de profunda solidariedade com os nossos leitores Brasileiros, e não “esmiúçasse” melhor o que queria transmitir.

Ganhar a corrida para efectuar os Jogos Olímpicos é uma enorme vitória! Mostra a capacidade das autoridades Brasileiras em apresentar um projecto digno e ganhador. Mostra que o Mundo reconhece ao Brasil a capacidade de executar e organizar um evento que envolverá milhões de reais, milhões de adeptos, milhares de atletas e receber as autoridades da maioria das nações.

Isto exige capacidade de organização, sentido de Estado, uma sociedade irmanada no mesmo objectivo, segurança de alto nível e meios financeiros, humanos e estruturais superiores. Por aqui temos as razões de estarmos todos orgulhosos pelo Brasil!

O que não podemos deixar passar é a ideia que o Brasil é samba e cachaça, futebol e praia. Que é o carnaval em Fevereiro, e o Mundial em 2014, e agora os Jogos Olímpicos em 2016. Essa ideia de pão e circo, não pode fazer caminho entre os políticos (que bem a vendem se os deixarem) e muito menos entre o povo.

Porque as favelas existem! Porque a pobreza existe! Porque as diferenças existem! E existem num país abençoado por Deus, que tudo lhe deu. Desde um povo bom e amigo, até riquezas incalculáveis, que farão do Brasil, em futuro próximo, uma das potências mundiais, por muitos anos e bons.

Os cientistas, os médicos, os engenheiros, os arquitectos, os artistas, os desportistas Brasileiros, mostram que o povo Brasileiro guarda dentro de si o talento que ilumina e orienta.

Só é preciso que a distribuição de riqueza seja mais justa, e que os jogos não nos ceguem para a realidade de milhões de pessoas que vivem mal.

Nós, cá em Portugal, já tivemos o Europeu de 2004 e sabemos que levantada a feira tudo ficou como estava antes.

Comments

  1. maria monteiro says:

    Sendo o Presidente Lula da Silva sensível às questões ambientais, à pobreza extrema, à segurança … quero acreditar que os J.O. do Rio se construam no espírito do “humanamente correcto”… assim sendo os cidadãos brasileiros serão os verdadeiros ganhadores.