PCP + BE = serão responsáveis ?

Cada um por si pouco valem. Os dois juntos podem ser uma força poderosa e a chave das políticas do próximo governo.

Chegou o momento que mais tarde ou mais cedo, todos temos que confrontar. Ou nos escondemos ou partimos para a luta, para a solução dos problemas. Não podemos aceitar que o PCP venha com a velha história do “abraço do urso” eufemismo para dizer que não quer contribuir para encontrar as soluções para o país, a não ser que sejam as suas.

Ou o BE com a “super visão” da Esquerda sem Sócrates, mas com Alegre e o seu milhão de votos, o que quer dizer que só após partir o PS.

Quem quer um governo de Esquerda, os que navegam nas águas do PCP ou do BE ,defendem essa solução como se fosse a única, o que obviamente não é, pois o PS faz maioria com o CDS. Mas disfarçam , clamando a solução como se Sócrates fosse o único responsável para se se concretizar.

É mau sinal porque aqui a responsabilidade é de todos. Se não o fizerem é porque têm outros interesses que não os nacionais e de esquerda, preferindo ficar pelas tamanquinhas de “aquele menino é que é mau”. A posição, à partida, é como se não houvesse necessidade de negociação, onde se ganha e se perde para que o país saia vencedor.

Não aceitamos essa ligeireza e essa irresponsabilidade. Se querem uma maioria de esquerda façam por isso!

Comments

  1. Adão Cruz says:

    Amigo Luis Moreira, há líquidos que não são miscíveis, por mais que os agitemos, por mais voltas que a gente lhes dê. Em política séria e genuina acontece o mesmo. A interpenetração entre pensamentos diversos não é fácil. Ou é falsa, quando apenas obedece a princípios tácticos, ou é inglória quando pensa em estratégias que só levam à derrocada.

  2. Luis Moreira says:

    Não, amigo Adão, a democracia é, por natureza, negociação, encontrar soluções em conjunto. Dizer que ou é como eu digo, ou não brinco, não faz nenhum sentido. Muito menos para quem tem 8% dos votos.

  3. maria monteiro says:

    mas também a democracia não faz sentido quando se diz coisas do tipo ou é como nós queremos ou então pegamos na massa e vamos todos investir para outras bandas

  4. Luis Moreira says:

    Por isso é que a democracia é dificil mas é a única que vale a pena. E a massa não vai embora com essa pressa. Só em Portugal é que todos os partidos têm a “certeza absoluta”

  5. Nuno Castelo Branco says:

    Creio que após o 25 de Novembro, espalhou-se a ideia de uma oportunidade perdida ou melhor, esmagada, da construção de outro tipo de economia e sociedade. Temos vivido há mais de três décadas, enfeitiçados por essa miragem. Neste mundo sem urss, com a China hiper-capitalista e o castrismo a abrir brechas por todos os lados, seria interessante verificar até que ponto Portugal – sem matérias primas, escassa população e economia dependente do vizinho – poderia fazer algo para regressar ao estatismo completo. É por isso mesmo que defendo essa aliança do PS ao PC+BE. Para o final tira-teimas. Depois, logo se vê, mesmo que regressemos aos anos 50. Por mim, como sou anti-consumismo, tudo bem. O pior é o resto!

  6. Luis Moreira says:

    Eu não aprovo ou deixo de aprovar, acho é que os partidos têm que encontrar soluções no quadro do resultado das eleições e não podem fugir sistematicamente às suas obrigações

  7. maria monteiro says:

    Os partidos também podem “fugir às suas obrigações” na mesma proporção em que muitos portugueses fugiram às deles não indo votarafinal de contas quem não foi votar lavou as mãozinhas e… continua a assobia para o lado como se nada fosse