Mais uma vez, tenho uma premonição

Miséria dos governos da burguesia

Miséria dos governos da burguesia

Após ter solicitado ao grupo que lê Aventar um dia de reflexão antes de votar, parece-me que dois assuntos têm acontecido.

O primeiro, é mais do que conhecido: três eleições dentro de três meses a seguir, para um povo que viveu uma ditadura, o acto eleitoral não parece importante. Causa-me imensa pena que o denominado Estado Novo, esteja ainda vivo entre nós, especialmente na miséria que vive o nosso país, como é posível ver na foto de este aventa. Ninguém confia.

O segundo, eleições todas a seguir dentro de um país que é pensado para passar férias, especialmente num Domingo cheio de sol, é o terror da juventude e das famílias. A Educação Cívica ainda não entrou nem mesmo entre os governantes – um candidato à Presidência de câmara, referia  na televisão: já cumpri com o meu dever, vou almoçar e ao cinema para descansar.

Será que o povo português anda sempre cansado, como referia esse muito disputado Presidente de Câmara? O seu dever era tomar conta de manter a paz enquanto decorrem as eleições a até as urnas fecharem. Assim, nunca mais, um facto como o da Aldeia Ermelo torne a acontecer. Senhores representantes da nossa soberania, o dever acaba nas férias o na mudança de hierarquia.

O terceiro é simples: todos pensam, especialmente os mais novos, que o candidato contrário vai ganhar, pelo que nem vale a pena ir votar.

A minha premonição, por causa do motivo que causó o facto criminoso do Ermelo, enquanto  autarcas iam ao cinema, facto que não é passível de perdoar, a minha premonição, digo, é que a abstenção será muito semelhante à das eleições para o Parlamento Europeu. Que tristeza: não votar pelos que nos governam e aos que entregamos a nossa soberania? Com ou sem voto, os eleitos vão governar. Sugiro apenas que a Constituição seja reformada e defina um mínimo de eleitores, para qualquer candidato triunfar. Contra a democracia esta  minha ideia? Por amor de Deus, comodizem por ai: eu não entrego a minha soberania ao etemo candidato eleito por escassa margem de votos.

Uma triste premonição. Espero estar enganado e que a maior parte do povo tenha votado apesar de Ermelo.

Paisagem de Ermelo

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Excelente texto.A política em Portugal é vista como uma forma de se arranjar um lugar bem remunerado e não uma função que exige sacrificios.É realmente uma tristeza.

Deixar uma resposta