Uma vitória para os animais

Nunca me imaginei a ter de dar os Parabéns a este Governo, mas há que ser justo. Foi hoje dado o primeiro passo para o fim da utilização dos animais no circo – uma prática muito mas muito mais cruel do que a tourada – através de uma portaria do Ministério do Ambinete que proíbe, a não ser em casos muito excepcionais, a compra e reprodução de animais como os tigres, os leões, os elefantes ou os macacos. De fora, para já, ficam os animais domésticos, mas lá há-de chegar a altura.
É uma clara vitória para os animais e para os valores civilizacionais de um país como Portugal. Que se apoie o circo, o «maior espectáculo do mundo» – mas sem animais que nasceram para viver em liberdade e não para estarem aprisionados e a fazer habiidades durante toda a vida.
Claro que um tal de Chen, cultor de crueldades, já veio dizer que pode não comprar os animais, mas que não pode impedi-los de se reproduzirem, porque vão estar juntos. Como é óbvio, esse senhor não é inocente nem estúpido. Pensa é que os estúpidos somos nós. Para que os seus prejuizos não sejam tão grandes, aqui fica um conselho gratuito: castre apenas os machos, homem. Sempre fica mais barato do que esterilizar as fêmeas. Ou se não quiser gastar dinheiro, mantenha-os separados.

Comments


  1. Foi uma excelente medida para o país sim senhor. E no entanto, ele move-se.


  2. estou para ver quem se oferece para castrar o tigre…

  3. isac says:

    Ouvi agora na rádio precisamente. É muito bom, sim senhor. Pena é que precisemos de chegar ao séc. XXI para aparecer uma lei destas. Nunca fui com o meu filho ao circo precisamente por causa disto dos animais. Não é que tratem mal os animais. É o facto de fazer passar uma ideia errada de que os animais são meros acessórios de entretenimento. Um miúdo com 5 ou 6 anos vai sempre pensar que os animais existem para dar cambalhotas e fazer rir. Um grande cumprimento ao pessoal do ministério que levou esta lei por diante.

  4. Paulo Ribeiro says:

    Boa medida, mas gostava de saber o que vai acontecer aos animais com o passar do tempo.Não permitindo a compra e a reprodução, o circo vai ter que mudar alguns conceitos, e vão começar a dispensar esses animais… para onde vão? São abatidos? Vão morrer de “causas naturais”?