A parvoíce não poupa ninguém

“Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, no que respeita ao universo, ainda não adquiri a certeza absoluta”.

Albert Einstein, um dos poucos homens que deveria ter sido autorizado a flutuar acima de todos os outros, deverá ter morrido sem esta certeza. Para aqueles mais dados às prosaicas parvoíces do dia a dia, resta-nos o lamento, o desabafo livre e uma certa dose de indignação.

 

Algumas pessoas não devem mesmo saber onde têm a cabeça. Duvidam? Vejam então a notícia do ionline, segundo a qual “durante 13 minutos, as conversas dos jornalistas estiveram a ser gravadas por um funcionário do Ministério da Educação”. “Enquanto os jornalistas esperavam por uma declaração do secretário de Estado-adjunto da Educação (…) o funcionário entrou na sala de imprensa e pôs um gravador junto dos microfones e dos tripés que estavam em cima da mesa. Ninguém deu conta de que o aparelho estava a gravar. Durante vários minutos, as conversas dos jornalistas giraram à volta das notícias do dia, nomeadamente sobre o caso Face Oculta. Comentários informais foram trocados entre colegas que não se aperceberam de que estariam a ser escutados”.

 

Lindo, não é?

Comments

  1. dal-TÓNICO says:

    Este Zé-frei até tem uns artigos giros, intensos e bem apanhados..mas faz-me aflição este estilo coloquial não, mas colonial sim..!! É muito sério, muita pose de auto confiança, auto moralidade, auto distanciamento e muito chapéu por tirar!!! ..muito anti-FP 25 Abril (funcionários públicos depois do 25 Abril..)..Ou estou a confundir com os textos do outro Zeca, o Magalhães? Mas pronto.. é só para dizer quer gostei tirando sempre essa discrição e descrição um pouco pós-salazarista-pós-moderna-pós de pózinhos de rimpimpim.. dal