Parabéns Professores SEM MEDO

Boa noite,

saudade é a palavra que me ocorre hoje.

O que fizemos não foi uma coisa qualquer – foi MUITO GRANDE, ENORME mesmo!

Demorou muito, tudo parecia impossível, mas o tempo parece que nos quer dar alguma razão.

Não faço ideia o que vai acontecer – não tenho ainda qualquer informação sobre o que aí vem… há uma coisa que sei:

quem não entregou objectivos não vai ser prejudicado. Como SEMPRE foi dito pela FENPROF!

Quem quis ser avaliado vai ficar com uma rolha de cortiça porque não vai servir para nada.

Podem ler isso no comunicado que o ME hoje fez chegar às escolas: http://aventar.eu/958580.html

Continuo a pensar que a questão central é o estatuto, mas isso veremos a curto prazo o que vai acontecer.

Agora, o que quero mesmo é recordar a NOSSA FORÇA!

– a manifestação de Outubro de 2006: http://serprof.blogspot.com/2006/10/um-oceano-de-esperana-corre-em_07.html

– a greve de Outubro de 2006 – http://serprof.blogspot.com/2006/10/em-greve-era-uma-vez-uma-professora-na.html

– a manifestação de 8 de Março de 2008: http://serprof.blogspot.com/2008/03/um-sonho-de-uma-vida.html

– a manifestação de 8 de Novembro de 2008:http://www.spn.pt/?aba=27&cat=118&doc=2282&mid=115

– a manifestação de 30 de Maio: http://www.spn.pt/?aba=27&cat=9&doc=2491&mid=115

Torga – a poesia é um refúgio

MIRADOIRO

 

Não sei se vês, como eu vejo,

Pacificado,

Cair a tarde

Serena

Sobre o vale,

Sobre o rio,

Sobre os montes

E sobre a quietação

Espraiada da cidade.

Nos teus olhos não há serenidade

Que o deixe entender.

Vibram na lassidão da claridade.

E o lírico poema que me acontecer

Virá toldado de melancolia,

Porque daqui a pouco toda a poesia

Vai anoitecer.

 

Miguel Torga

Diario XIV, 5 de setembro de 1986

 

FUTAventar – Catraios do norte…

Raul Meireles, Tiago, Pepe,  Bruno Alves, Ricardo Carvalho, Simão.

 

Eduardo, Paulo Ferreira, Duda, Liedson, Nani, Deco, Veloso, Edinho…

 

Uma nortada gelou a cidade, nem o batatal nos segurou, eles não sabem que o Meireles jogava atrás das balizas do campo pelado onde o pai trabalhava? Uma exibição portentosa.

 

Foi mais dificil cá do que lá, atacar obriga a abrir espaços, podíamos ter feito 2/3 golos, de baliza aberta e não marcamos. Temos uma grande equipa mas a falhar golos assim nunca seremos campeões do Mundo.

 

 

Ontem e hoje

"Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio,  fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas,

feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas;

 

Um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai;

 

Um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta.

 

Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira à falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro.

 

Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do País.

 

A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas.

 

Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar."

 

Quem é o autor?

 Guerra Junqueiro, 1896

 

Face Oculta – A Justiça a brincar aos taumaturgos

No Público o Prof. Manuel da Costa Andrade Professor de Direito Penal na Universidade de Coimbra

 

As escutas podem configurar, no contexto do processo para o qual foram autorizadas, decisivo e insuprível meio de prova.

 

A começar, uma escuta, autorizada por um juiz de instrução no respeito dos pressupostos materiais e procedimentais prescritos na lei, é, em definitivo e para todos os efeitos, uma escuta válida.Não há no céu- no céu talvez haja!- nem na terra, qualquer possibilidade jurídica de a converter em escuta inválida ou nula. Pode, naturalmente, ser mandada destruir,já que sobra sempre o poder dos factos ou o facto de os poderes poderem avançar à margem da lei ou contra a lei. Mas ela persistirá, irreversível e "irritantemente", válida!

 

Uma vez recebidas as certidões ou cópias, falece àquelas superiores autoridades judiciárias, e nomeadamente ao presidente do STJ, legitimidade e competência para questionar a validade de escutas que foram validamente concebidas. (bold meu)

 

Mas elas podem tambem configurar um poderoso e definitivo meio de defesa. Por isso é que, sem prejuízo de algumas situações aqui negligênciáveis, a lei impõe a sua conservação até ao trânsito em julgado. Nesta precisa medida e neste preciso campo, o domínio sobre as escutas pertence, por inteiro e em exclusivo, ao juiz de instrução do localizado processo de origem.

 

Um domínio que não é mínimamente posto em causa pelas vicissitudes que, em Lisboa, venham a ocorrer ao nível de processos, instaurados ou não, aos titulares de soberania. Não se imagina – horrible dictum – ver as autoridades superiores da organização judiciária a decretar a destruição de meios de prova que podem ser essenciais para a descoberta da verdade. Pior ainda se a destruição tiver tambem o efeito perverso de privar a defesa de decisivos meios de defesa.

 

Não podem decretar retrospectivamente a sua nulidade. O que lhes cabe é tão-só sindicar se elas sustentam ou reforçam a consistência da suspeita de um eventual crime do catálogo imputável a um titular de orgão de soberania.

 

O que não podem é decretar a nulidade das escutas: porque nem as escutas são nulas, nem eles são taumaturgos. O que, no limite e em definitivo, não podem é tomar decisões (sobre as escutas) que projectem os seus efeitos sobre o processo originário, sediado, por hipótese, em Posárgada, e sobre o qual não detêm competência

 

PS: o transcrito foi escolhido por mim e não esgota o artigo.

I Tertúlia do Aventar – Salgueiro Maia e a Memória da Revolução

 

Cartaz de Isac Caetano

 

No dia 5 de Dezembro, dando continuidade à Petição lançada para preservar a casa onde nasceu Salgueiro Maia, petição essa que em breve voltará a estar disponível no nosso blogue, o Aventar vai promover a sua primeira Tertúlia. «Salgueiro Maia e a Memória da Revolução» é o tema e o Clube Literário do Porto, junto à Ribeira, o local. O coronel Vasco Lourenço, um dos capitães de Abril e o Presidente da Associação 25 de Abril, está desde já confirmado como um dos oradores.

Como é óbvio, todos estão convidados. Para celebrar um momento único da história de Portugal. Para relembrar alguém a quem muito devemos. A quem TUDO devemos. É no Sábado de 5 de Dezembro às 18 horas.

No fim da Tertúlia, vamos todos para o «Verso em Pedra», a poucos metros do Clube Literário do Porto. Está ali a francesinha original, tal qual foi inventada há décadas atrás. Um prémio para quem aguentar o molho original.

A máquina do tempo: Guilherme Tell e a grande oportunidade perdida

 

 Diz a tradição que foi a 18 de Novembro de 1307, faz hoje 602 anos, que se deu o episódio de Guilherme Tell, a história da flecha, da maçã e da cabeça de seu filho. Todos conhecem a lenda que inspirou poetas, escritores e o grande compositor  Rossini que criou uma ópera com o nome do herói suíço, cuja abertura é particularmente famosa. A história é assim: Guilherme Tell e o filho, ao passarem pela praça central de Altdorf não saudaram, como era obrigatório o símbolo do domínio dos Habsburgos, o chapéu de Gessler, o tirano que, em nome dos austríacos, governava o território. Presos, Tell  foi condenado a disparar com a besta uma frecha sobre uma maçã colocada em cima da cabeça do menino.

Situando-se a 50 passos, atada a criança a uma árvore e colocada a maçã sobre a sua cabeça, Tell disparou, acertando na maçã. Porém, vendo que Tell tinha uma segunda frecha, o governador perguntou-lhe para que a queria: «Para atravessar o teu coração, caso tivesse morto o meu filho!» A lenda de Guilherme Tell tem várias versões. Nas crónicas de Melchior Russ de Lucerna, por exemplo, do último quartel do século XV, Tell aparece como o principal herói da luta pela independência travada pelos primeiros cantões.  

A ciência histórica contradiz as lendas, pondo mesmo em causa a existência de Tell. Porém, no imaginário popular suíço, ele é uma figura com que os helvéticos se identificam – numa recente sondagem, verificou-se que 60% dos cidadãos da Confederação acreditam que ele existiu. Para o escritor argentino Ernesto Sábato, quando Tell acertou na maçã, perdeu-se uma grande oportunidade de ocorrer uma tragédia na Suíça…

*

A Suíça é um país bonito. Visitei-o há uns anos na Primavera, por altura da Páscoa. Apanhei alguns daqueles fortes nevões sem os quais a Suíça tem tanta graça como o Algarve sem sol ou a Alemanha sem cerveja.  Com a minha mulher e outro casal amigo e o seu filho (o Gomes Marques, a Célia e o António Pedro), percorremos o país que, como sabemos é pequeno – uma área ligeiramente superior à soma do Alentejo com o Algarve – ao longo de um pouco mais de uma semana. Chegados de avião a Zurique, visitámos depois as demais cidades – Genebra, Lausana, Basileia, Montreux, Lucerna, Zermatt, os Alpes… (estive a ver as fotografias, mas não sei se o itinerário seguiu esta ordem). Quando atravessámos a fronteira e chegámos a França, após uma maravilhosa viagem sem incidentes, sentimos uma certa sensação de alívio. Porquê?

A Suíça é um país muito bonito, mas é um bocado monótono, os suíços são inteligentes e diligentes, fabricam relógios, chocolates, canivetes e tudo isso, mas são um pouco, como hei-de dizer … (ia a dizer chatos) previsíveis em demasia. Para nós, latinos, habituados a uma certa balbúrdia, fora e dentro das cabeças, toda aquela limpeza, método e arrumação são enervantes. Contou-nos uma imigrante portuguesa que quase foi expulsa por, no Natal, estar a partir nozes que lhe tinham chegado de Portugal. Os vizinhos acharam o ruído insuportável e chamaram a polícia que a intimou a cessar de imediato a operação. Senão…

Pese embora este irritante (para nós) feitio miudinho, não pode deixar de surpreender como, quase sem recursos naturais, num território pequeno e super-povoado com quase oito milhões de habitantes, consigam ter um dos níveis de vida mais elevados do mundo. Embora, num registo diferente, surpreenda também, como tão civilizados, só em 1971 tenha sido concedido o direito de voto às mulheres, sendo que, até então, a maioria das cidadãs entendia não dever votar.

Recusando-se a integrar a União Europeia (não sei se resistirão durante muito tempo), conservam a moeda, o fortíssimo franco suíço, mantendo a condição de principal praça financeira do mundo na gestão de fortunas, lugar que ocupam mercê de um blindado sigilo bancário que permite aos europeus ricos fugirem à apertada rede fiscal que vigora na União. E não só.

Um país impecavelmente limpo que mantém essa limpeza asséptica mercê da sujidade que reina em seu redor. Uma jangada, um paraíso fiscal, num oceano mafioso. Em todo o caso, o cerco a esta vergonha vai sendo apertado: em 2 de Abril deste ano, depois da reunião do G20 em Londres, a Suíça foi finalmente incluída pela OCDE na lista dos paraísos fiscais. O governo helvético comprometeu-se a dar mais informações sobre os depósitos nos seus bancos. O que irá prejudicar este negócio tão próspero que teve avultados lucros quando, após a segunda Guerra Mundial, tendo desaparecido no fumo dos fornos crematórios do tio Adolfo muitos dos depositantes judeus, os valores depositados foram incorporados no património dos bancos.

Depois foram os políticos corruptos, os barões do narcotráfico e outros activos empreendedores internacionais a usar os bancos suíços como máquinas de lavar para o seu dinheiro. Por isso, deixar de ser um porto seguro para os miseráveis que enriquecem com a miséria e com a morte, vai ser um duro golpe para um país tão limpo, tão certinho. Mas de uma coisa podemos estar certos: tudo se passará sem tragédia. Rodeada pelo oceano da tragédia dos outros, na jangada Suíça não acontecem tragédias.

Em «Heróis e Túmulos», o escritor argentino Ernesto Sábato tem uma frase lapidar sobre o tema: «os mitos nacionais» (…) «são fabricados intencionalmente para descrever a alma de um país, e assim me ocorreu naquela circunstância que a lenda de Guilherme Tell descrevia com fidelidade a alma suíça: quando o arqueiro acertou na maçã com a flecha, por certo no meio exacto da maçã, perdeu-se a única oportunidade histórica de uma grande tragédia nacional. Que se pode esperar de tal país? Uma raça de relojoeiros, no melhor dos casos.»

Por falar em relógios: de72 em 72 horas, há um suicídio na Suíça. É a principal causa de morte no país, que tem uma das mais elevadas taxas de suicídio do mundo.  Porque será?

 

 

 

Os estudantes tambem querem…

Proprinas nem vê-las, bolsas cheias e para todos. Cantinas, serviços sociais, tudo à borla que alguem terá que pagar.

 

Estes alunos do ensino superior que vão tirar cursos que depois lhes asseguram um rendimento muito superior a muitos dos contribuintes que lhes pagam as proprinas, reagem  ao fartar vilanagem em que se tornou o país. Tudo mama, porque não hei-de mamar tambem?

 

Todos deviam pagar, conforme as suas possibilidades, presentes e futuras, sendo que ninguem pode deixar de estudar por razões económicas. Um empréstimo bancário, avaliado pelo Estado e pago durante a vida profissional é uma medida justa.

 

Pessoalmente, não teria tido nenhuma dificuldade em pagar as proprinas ao meu filho, que cursou Arquitectura na Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa e como eu a maioria dos pais não têm dificuldade em pagar as proprinas. Sabemos bem que, por enquanto, a maioria dos pais dos alunos universitários continuam a ser economicamente privilegiados.

 

Reafirmo, com exclusão dos que não podem, todos deviam pagar. É inaceitável que num país onde as diferenças salariais entre os que têm cursos superiores e os que não têm, é abissal, se apoie financeiramente quem não precisa e quem em alguma fase da sua vida vai ganhar muito acima do contribuinte médio.

 

Que ninguem deixe de estudar por razões económicas! Que ninguem deixe de pagar se o puder fazer!

Comunicado do Ministério da Educação sobre o 1º ciclo de avaliação do desempenho docente

Completando as palavras dos sindicalistas à saída das reuniões de hoje, transcreve-se uma comunicação enviada esta tarde às escolas. O meu comentário é só este: gramava ser um dos professores que por não terem entregue os Objectivos Individuais foram impedidos pelos Directores de entregar a ficha de auto-avaliação, e como tal não foram avaliados. Gramava, porque amanhã me ia rir na cara de um adesivo qualquer mais papista que o Papa

 

O 1º ciclo de avaliação do desempenho docente prossegue e conclui-se, nos termos da lei, até 31 de Dezembro de 2009.

  • Todos os docentes serão avaliados no âmbito do 1º ciclo de avaliação desde que se tenham apresentado a avaliação na primeira fase desse processo, tal como identificada na alínea a) do Artigo 15º do Decreto Regulamentar nº 2/2008, de 10 de Janeiro e como tal mantida no chamado procedimento de avaliação simplificado, nos termos da alínea a) do nº 2 do Artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 11/2008, de 23 de Maio.
  • Assim, a apresentação do avaliado à primeira fase do processo de avaliação concretiza-se através da entrega da ficha de auto-avaliação, que é legalmente obrigatória (conforme dispõe expressamente o nº 2 do Artigo 16º do Decreto Regulamentar nº 2/2008, de 10 de Janeiro), ainda que não tenham apresentado previamente, no prazo previsto, a respectiva proposta de objectivos individuais.
  • Nos termos da alínea a) do nº 1 do Artigo 8º do Decreto Regulamentar nº 2/2008, de 10 de Janeiro, a avaliação de desempenho tem sempre por referência os objectivos e metas fixados no projecto educativo e no plano anual de actividades para o agrupamento de escolas ou escola não agrupada.
  • Quando estejam fixados objectivos individuais, o grau de cumprimento desses objectivos constitui, nos termos do Artigo 10º do Decreto Regulamentar nº 2/2008, de 10 de Janeiro, referência essencial da classificação atribuída em relação aos parâmetros a que tais objectivos se reportem.

Torga – poeta

ALENTEJO

A luz que te ilumina,

Terra da cor dos olhos de quem olha!

A paz que se adivinha

Na tua solidão

Que nenhuma mesquinha

Condição

Pode compreender e povoar!

O mistério da tua imensidão

Onde o tempo caminha

Sem chegar!…

Miguel Torga

Diário XII, 20 de Outubro de 1974

 

Uma matriarca à maneira

 

"Dona Canô", a mãe do cantor brasileiro Caetano Veloso, afirmou que vai pedir desculpas em seu nome ao presidente Lula da Silva, depois do filho o ter chamado de "analfabeto".

Com 102 anos, a popular "Dona Canô" garante que esse pedido será feito em pessoa quando Lula da Silva visitar o Estado da Baía, avançou o diário A Tarde de Salvador.

Também mãe da cantora Maria Bethânia, Claudionor Viana, assim se chama Dona Canô, expressou o seu incómodo pelas declarações do filho Caetano, que, no dia 5 de Novembro, classificou Lula como "analfabeto, ordinário e grosseiro".

Dona Canô é ainda mãe da poetisa Mabel Veloso e de outra cantora, Belô Veloso. Mas é mais que uma mãe, que uma lutadora, que uma protagonista de décadas de vida do Brasil. É também um símbolo. Da Baía e do Brasil. Uma matriarca à moda antiga.

Manuel da Fonseca – poeta

Aldeia

Nove casas

duas ruas

um largo

ao meio do largo

um poço de água fria.

Tudo isto tão parado

e o céu tão baixo

que quando alguém grita para longe

um nome familiar

se assustam pombros bravos

e acordam ecos no descampado

Manuel da Fonseca

 

PS . aventado pela Manuela, nossa leitora

Os nossos leitores

Requerimento a Fernanda

Ó Fernanda, dado

que já estou cansado

do ar teatral

a que ele equivale

em todo o horário

de cada canal,

no noticiário,

no telejornal,

ligando-se ao povo,

do qual ele se afasta,

gastando de novo

a fala já gasta

e a pôr agastado

quem muito se agasta

por ser enganado.

Ó Fernanda, dado

que é tempo de basta,

que já estou cansado

do excesso de carga,

do excesso de banda,

da banda que é larga,

da gente que é branda,

da frase que é ópio,

do estilo que é próprio

para a propaganda,

da falta de estudo,

do tudo que é zero,

dos logros a esmo

e do exagero

que o nega a si mesmo,

do acto que é baço,

do sério que é escasso,

mantendo a mentira,

mantendo a vaidade,

negando a verdade,

que sempre enjoou,

nas pedras que atira,

mas sem que refira

o caos que criou.

Ó Fernanda, dado

que já estou cansado,

que falta paciência,

por ter suportado

em exagerado

o que é aparência.

Ó Fernanda, dado

que já estou cansado,

ao fim e ao cabo,

das farsas que ele faz,

a querer que o diabo

me leve o que ele traz,

ele que é um amigo

de Sao Satanás,

entenda o que eu digo:

eu já estou cansado!

Sem aviso prévio,

ó Fernanda, prive-o

de ser contestado!

Retire-o do Estado!

Torne-o bem privado!

Ó Fernanda, leve-o!

Traga-nos alívio!

Tenha-o só num pátio

para o seu convívio!

Ó Fernanda, trate-o!

Ó Fernanda, amanse-o!

Ó Fernanda, ate-o!

Ó Fernanda, canse-o!

 

 

 

Euleriano Ponati

(poeta não titular)

 

 

 

 

 

Assim, Não Custa Nada

SUSPENSÃO COM VENCIMENTO

. . .

Assim até nem custa nada estar com o emprego suspenso. Não trabalhar, mas continuar a receber os trinta mil euritos por mês de vencimento, é que é uma maravilha.

O sr Vara, o tal amigo do nosso Primeiro, Sócrates II O Dialogador, e apanhado com ele em conversas telefónicas duvidosas, e que terá recebido uma gorgeta de dez mil euros por um favorzito feito, continua a receber o seu vencimento chorudo, do BCP, apesar de ter o seu emprego suspenso. E tal vai continuar, enquanto não se apurarem todos os factos. O homem tem capacidades, lá isso tem. Desde um aumento após a saída da CGD até receber sem ter de trabalhar nem um bocadinho, ele há de tudo.

Está tudo mesmo oculto, até a face.

.

Coerência de Ministro…

Interpretação autêntica sobre a destruição das escutas…

 

 

Aventado em Do Portugal Profundo

 

Um golaço de outros tempos

 

Há 24 anos também a selecção portuguesa lutava por um lugar na fase final do Campeonato do Mundo. Espero que hoje apareça na Bósnia um novo Carlos Manuel…

 

"Sem mais comentários. Isto é só para ver."

à deriva….

O Dr Rolf Dahmer partilha comigo os seus óptimos textos analíticos sobre o que se passa, no  mundo da política e da economia.

 

Não é a primeira vez que publico no Aventar alguns dos seus textos.

 

“A estratégia sem táctica é o caminho mais lento para a vitória.

Táctica sem estratégia é o ruído antes da derrota.”

 

Sun Tzu (544 – 496 A.C. – um dos maiores estrategistas militares de todos os tempos e autor de “A arte da guerra”

 

____________

 

Os ensinamentos da “Arte da Guerra” de Sun Tzu também têm aplicação no campo civil, isto é, político, empresarial, cultural e ecológico.

 

Sendo assim, esta breve citação mostra-nos o actual estado das coisas, tanto em Portugal como no resto da União Europeia, assim como em grande parte do mundo.

 

Com efeito, o que vemos e ouvimos quando abrimos os telejornais diários é o “ruído antes da derrota”.

 

 

O sonho que comanda a vida

Maria da Conceição é portuguesa. Tem 32 anos e vive e trabalha há seis anos no Dubai como assistente de bordo da Emirates Airlines. Este é o seu trabalho. A dedicação coloca-a nas acções humanitárias que decidiu dinamizar num subúrbio de Daca, a capital do Bangladesh.

 

O objectivo é simples mas parece inalcançável para uma simples mulher: ajudar a tirar crianças da pobreza. A fé, dizem, move montanhas. A determinação deve fazer o mesmo.

 

Maria da Conceição, mulher, portuguesa, venceu esta noite o prémio de Mulher do Ano nos Emirados Árabes Unidos (EAU). Além de ter vencido o prémio de Humanitária do Ano.

 

Mais que a vitória, o que a deixou feliz foi poder ganhar notoriedade para o seu projecto, que pode obter, assim, mais apoios e ajudar mais crianças, procurando estende-lo a outros destinos.

Não é tarefa para qualquer um. 

 

Modesta proposta para combater o desemprego

Vi numa reportagem um senhor panificador que resumiu o grande problema nacional assim: as pessoas querem emprego e isso não temos, temos é trabalho mas isso  não querem.

Fez-se-me luz. O desemprego tem aumentado porque as pessoas andam à procura de trabalho das 9 às 17, como dizia o panificador, e não estão dispostas a trabalhar noite fora a troco de um mínimo da salário e um saco de carcaças.

O trabalho induca, liberta, é saudável. A mania de alguns, insistindo em serem remuneradas, terem um contrato, e outras mariquices, é que estraga tudo, já para não falar na questão semântica: temos mais de 10% de desempregados, mas é falso que abundem os desemtrabalhados.

Mesmo os poucos empregos que foram criados não podem chegar para todos porque os todos são muitos. Vamos lá baixar o número dos muitos: limite-se o acesso ao trabalho, sobretudo ao emprego, às mulheres – enfermeiras, telefonistas, professoras e assistentes de bordo, vá que não vá. Admito ainda meia-dúzia de excepções para profissões pouco masculinas como as de mulher-polícia, costureira, mulher-a-dias e vendedora de sardinhas na praça.

Não se trata de um regresso ao antigamente salazarista: dispenso as senhoras da obrigatoriedade de autorização superior para contraírem matrimónio, como se usou nesses tempos.

Resguardadas no remanso do lar, as portuguesas não só libertavam ocupações laborais para os homens como asseguravam a perpetuação da família, essa nobre instituição vilmente ameaçada nos dias de hoje. As que não quisessem casar com homens sempre podiam ser freiras, há sempre solução para tudo, o que é preciso é boa vontade, não acham?