O principio do fim da globalização ?

“O actual desmoronamento global, o pior desde a Grande Depressão de há 70 anos, veio cravar o último prego no ataúde da globalização. Já assediada por factos que mostravam o incremento da pobreza, quando os países mais pobres experimentavam pouco ou nenhum crescimento económico, a globalização viu-se definitivamente desacreditada nos dois últimos anos, quando o processo anunciado com pompa e circunstância, da independência financeira e comercial, inverteu a sua marcha, para se converter em correia de transmissão, não de prosperidade, mas de crise e colapso económico.” Walden Bello .

Nas suas respostas à actual crise económica, embora falando de coordenação global, os governos inventivam programas separados de estímulo económico para revitalizar os seus mercados nacionais. Ao fazê-lo, os governos adiam o crescimento orientado para a exportação, motor real de tantas economias.

A “desglobalização” elaborada há uma década, como uma alternativa para os países em desenvolvimento, não deixa de ser pertinente para as economias capitalistas centrais.

The Economist, observa que as corporações empresariais continuam crendo na eficácia da oferta global, “mas como qualquer cadeia, estas são tão fortes como o seu elo mais fraco. O momento perigoso chegará quando as empresas decidirem que este modo de organizar a produção chegou ao fim”

Walden Bello, professor de ciências políticas e sociais na Universidade das Filipinas.

Comments

  1. Nuno Castelo-Branco says:

    Este tipo de globalização não faz falta, dadas as discrepâncias evidentes entre todos os continentes. A menos que queiramos ver a Europa e a África afundarem-se completamente na miséria. Que venham as quotas de importação e que os chineses passem a beneficiar de sindicatos livres, possam fazer greves, etc.

  2. Luis Moreira says:

    Nos países pobres “alimenta-se” e perpetua-se a miséria.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.