semana de desencontros

Eusébio da Silva Ferreira, grande goleador do Benfica

tEusébio da Silva Ferreira GCIH, GCM (Lourenço Marques, 25 de Janeiro de 1942) é um ex-futebolista português, de origem moçambicana. Considerado um dos melhores futebolistas de todos os tempos, marcou 733 golos em jogos oficiais e 1137 golos na carreira. Foi o melhor jogador do Sport Lisboa e Benfica, e, se compararmos, um dos melhores jogadores de vários clubes nacionais e internacionais. Esta semana fica marcada por este primeiro desencontro. Nascido na então Lourenço Marques, hoje Maputo, capital de Moçambique, ficou conhecido como Pantera Negra, biografia em: http://www.slbenfica.pt/Clube/Historia/GrandesJogadores/Avancados/avancados.asp. Para nossa tristeza, faleceu exactamente dois dias depois do seu clube (Benfica) ter conquistado, pela trigésima terceira vez, o Campeonato da Liga Portuguesa de Futebol, a 9 de Maio deste ano.

Este é o início do texto que tinha preparado para o dia de hoje, mas um grande e feliz, neste caso, desencontro me aconteceu. O Eusébio falecido não é o Pantera Negra, mas uma das lontras marinhas do Oceanário de Lisboa, nunca uma gargalhada me soubera tão bem quanto aquela que dei ao perceber o meu grande equívoco.

Outro desencontro. O Benfica foi capaz de mobilizar milhares de pessoas para comemorar a sua vitória. Nesse ansioso Domingo, estávamos todos de olhos fixos no aparelho de televisão, todos os que não tiveram lugar no Estádio da Luz, nem com a revenda de bilhetes à porta do estádio. Uma especulação inaceitável para quem faz do desporto momentos de divertimento e convívio e não um comércio. É a mesma contradição que tornou este desporto um comércio, em que cada jogador é negociado e comercializado por milhares de euros, movimentando avultadas quantias os clubes interessados na transferência dos profissionais da bola. Nessa noite ninguém dormiu para poder ver os cansados líderes do campeonato nacional a passearem de autocarro (aberto) no meio da multidão. Eusébio esteve essa noite no Estádio da Luz para desejar o melhor ao seu clube.

Tivemos apenas um dia para recuperar da festa, porque, Terça, dia 11, estava convidado o Chefe da Igreja Católica, esse antigo Cardeal Ratzinger, companheiro de Wojtila (Papa João Paulo II), assíduo visitante do Santuário de Fátima. No dia da sua chegada, o antigo lutador nazi, que derrubava aviões das Forças Aliadas na fronteira Austro-Húngara por ordem dos seus chefes, esse Santo Padre, como é denominado, não teve outra alternativa senão entrar num seminário para ser sacerdote e assim fugir dos julgamentos de Nuremberga, como ele próprio afirma na sua autobiografia de 1977, por mim pesquisada e da qual falo num outro sítio de debate chamado Estrolabio, em três capítulos; um capítulo por dia, entre 11 e 13 de Maio, para comemorar a visita de Ratzinger, que podem ser lidos em http://estrolabio.blogspot.com/. Uma República Soberana e de livre Pensamento, que traz um chefe de Estado e de uma confissão que colaborara com a ditadura portuguesa dos anos 20 a 70 do Século passado, uma República que comemora este ano 100 anos da sua libertação de uma Monarquia dura para o povo, traz um Monarca como parte das festas do Centenário. Um Monarca que contradiz o discurso de boas vindas do nosso Presidente que refere o convénio entre os dois estados de 2004, e que o antigo solado alemão diz ter sido assinado em 1940, entre Cerejeira, um Cardeal Patriarca de Lisboa, bem conhecido pelo seu apoio ao fascismo que nos governava na pessoa do ditador Salazar. Um Chefe de Estado a corrigir o Chefe de Estado de quem é hóspede, como um pai que dá pequenas turras na memória do representante da nossa Soberania. Dias marcados por festas, concertos e liturgia religiosa de milhares de pessoas que se deslocaram ao Santuário, não sabem se para ver o antigo combatente nazi ou, sem saber essa verdade, receber a sua bênção, que, conforme essa fé que respeito, faz parte do pensamento que norteia o bom povo português. Chefe de Estado que comenta no voo que o transfere de Roma a Lisboa, que o inimigo da Igreja Católica está dentro dela mesma, especialmente ao referir-se à pedofilia que impera entre sacerdotes e os seus estudantes do Norte de Portugal, comentário que deve ser escrito em texto separado pela sua importância e abrangência geográfica.

E mais uma outra contradição, para fechar este texto: a subida dos impostos, essa ruptura da promessa do chefe do Poder Executivo, que usa a distracção do povo e acrescenta uma taxa extra de 1% no IRS para os que ganham um ordenado entre 475 e 2375€, e de 1.5%, para ordenados superiores ao valor mencionado; aumento de 1 ponto sobre o IVA de 20%, passando os bens essenciais a ser de 6% de valor acrescentado e outras tropelias nas entradas do povo e os seus representantes, que podem ser lidas nos jornais do 13 de Maio.

Se Portugal era o 2º país mais pobre da União Europeia, passa, com estas medidas, para primeiro lugar, juntamente com a Grécia, classificados antes da Espanha, que tem tido o terceiro lugar de pobreza e de ideias de fé e dos melhores clubes de futebol do mundo, com um Eusébio de feliz memória, que nestes minutos navega à deriva no mar, onde foi silenciosamente a enterrar, para não perturbar as festas, descoladas hoje para o Porto, que pagamos com os nossos incrementados impostos.

Uma semana de contradições, sintetizada no acolhimento de um antigo nazi louvado por um povo que se libertara dessa opressão faz poucos anos, se assim for o caso….

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.