Pragas salgadas, num Egipto perto de si


Lembram-se deste edifício na Duque de Loulé? Pertencia ao Departamento das Florestas, estava em perfeito estado de conservação e foi demolido em menos de uma semana. Inacreditavelmente, não foi incluído na lista do Inventário Municipal – o prédio/porcaria da SPA lá está, por incrível que vos possa parecer – e assim, a sua destruição não foi passível de discussão nos órgãos competentes da CML. Tal se deve dever ao desejo de rápida adequação aos “novos tempos”, até porque o casarão neo-medieval, era dos tempos da “ominosa monarchia”.

Foi susbtituído por este miserável monte de betão que como podem ver, nem sequer pode ser considerado como um “mérdico” trabalho de arquitectura. Uma caixa de sapatos com janelas abertas, tectos baixos e Pladur às toneladas, focos no tecto, uma grande garagem, lataria, pedra “fake” e vidralhada, é praticamente tudo o que haverá para ver. Tudo para a especulação. Ergueu-se pela intervenção do famigerado Fundo de Reconversão (!) Imobiliária BES, uma parte dos domínios do senhor Ricardo Salgado. O detentor da pasta do urbanismo/demolições em Lisboa, é o senhor Salgado (Manuel Sande). Uma dupla mais temível, do que todas as pragas do Egipto juntas e agravadas!

Salgado&Salgado. Entretanto, o arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, já deve ter percebido com que tipo de gente, é administrada a Câmara Municipal de Lisboa.

Comments

  1. graça dias says:

    Verdadeiramente Incrivel. Sem comentários

  2. Maria Martins says:

    Sem comentários, infelizmente os monstros de betão estão a engolir tudo e estas casas extraordinários imóveis de arquitectura ,raramente são recuperadas, porque segundo as mandanças autárquicas competentes
    é mais barato construir de raiz.
    É o país de quinto mundo que temos.

Deixar uma resposta