The Diary of May Malen-Chapter 4

My dearest May misses Gran Pa, swee as she is i miss her aswell

 In March this year 2010, my grand Pa came to see me. So he says. I fear that she wanted to see my Mum, his daughter. I didn’t much like his visit. Was he trying to still Mum and make of her, once more, his little daughter? I do not believe so. My Mother knows very well how to defend herself from intruders of her private life; she has a husband, my Dad, and that is plenty for males around. My Abuelo – funny, himself and Chris, My Father´s Father are my grand Pa, and he prefers to be called with that impossible word to pronounce; lelo, abue, Aipuelo? What can I do as my parents seem to agree that I memorize that funny word…and to keep myself into their own way of life? Mum used to call my Abuelo’s Father Abuelo as well. Only that them saw each other very little. We used to live on opposite’s sides: we in the northern hemisphere, them, at the very South of the world. I do not know how or why, I’m too new to understand what the name geography or political life…though it seems to me they left Chile, many years ago, when my Mother had not been yet created; there were a little girl, whom I have to call aunt, why, if she has a name: Paula. Her husband has another impossible way to pronounce, if I know well is we a Cr – Cristan van Emden, as their children, my cousins. I enjoy so much being with tem! They are not giants person as all others are, except for mu Father, tall, slim, with strength to carry me on his arms or shoulders, as Mum does: a very strong woman, so cosy, warmth and with milk only for

[Read more…]

Em Primeira Mão

Pois é, meus caros, quem esteve na Maia, no passado dia 1 de Outubro na conferência de António Nogueira Leite sobre o futuro da economia nacional soube, em primeira mão, que seria Eduardo Catroga a negociar o Orçamento de Estado 2011 pelo PSD (como já AQUI expliquei). O Prof. António Nogueira Leite não brinca em serviço…

Para a próxima façam o favor de não faltar, ehehehehe.

Bem-vindos à Divina Comédia

E Portugal continua assim. Uma país que mistura a tragédia com a comédia. Cada vez mais trágico e cada vez menos cómico. Mas para alguns é ao contrário.

a globalização do genocídio das crianças

criança que tenta flutuar sobre o genocídio que sobre eles, generam os seus adultos

http://www.youtube.com/results?search_query=Beethoven+F%C3%BCr+Elisen&aq=f

Não sou adivinho. Apenas observo o que acontece no mundo. E tremo de indignação.

Gostava de ver risos, notícias de que a vida está menos cara, saber que foi editada uma nova versão de uma obra de Bach, que o leite já não é caro, que se ganha mais, que baixou a inflação, aumentou o Produto Interno Bruto, o PIB. Que não é apenas o Presidente Chávez da Venezuela a recuperar o cargo, ou que a Rainha-mãe da Grã-bretanha, esse exemplo de vida cuja história me agrada ler, pregou um grande susto ao Fascismo na Segunda Grande Guerra.

Mas sabe o leitor que ando sempre a tocar os sinos para chamar a atenção sobre o sentir das crianças. Escrevi, em Setembro de 1999, um conjunto de ideias sob o título Crianças, os senhores do mundo esmagam os fracos. Em Fevereiro de 2000, tentei chamar a atenção para um debate político (socialista/ capitalista), no qual é usada uma criança, através do texto Prostituição das crianças. Devuelvan-nos al niño, no dia em que Elias González foi o centro do debate entre Cuba e USA. Debate que levou a que o meu artigo fosse publicado, em castelhano, em Espanha e na América Latina. Em Janeiro de 2001 escrevi As ditaduras e o saber das crianças. Tinha visto os filmes de Spielberg A lista de Schindler, e La Amistad, ou O império do sol; bem como o de Roberto Benigni A vida é bela e o de John Irving: Regras da casa.

[Read more…]