O Primeiro Outdoor de Cavaco Silva:

Mais um exclusivo AVENTAR:

Mário Soares: «Cavaco não é de Direita e pode causar surpresas»

UMA ENTREVISTA HISTÓRICA AO «LA REPUBBLICA»*

«Como homem e como político, Cavaco Silva não é de direita e poderá reservar algumas surpresas», afirma Mário Soares, em entrevista publicada no jornal «La Repubblica», de Roma. A entrevista foi feita pelo enviado do jornal a Lisboa, Sandro Viola. (…)
Viola afirma ter achado Mário Soares «sereno e bastante optimista» e cita o presidente português como tendo negado que «a espectacular vitória do PSD e de Cavaco Silva constitua um perigo para a democracia, como vêm repetindo os comunistas e alguns expoentes do Partido Socialista.
«Trata-se de uma derrota das esquerdas, mas não me parece que tenha sido uma derrota da democracia», argumenta o presidente.
Na opinião de Viola, a atitude de Mário Soares em relação a Cavaco Silva «é de estima». [Read more…]

amizade, uma relação cultivada

sem amizades cultivadas, podemos endoidecer

Escrever sobre um sentimento, não precisa citações. A amizade é uma   afeição recíproca entre duas pessoas que cultivam boas relações. É a sinceridade entre essas duas pessoas que sabem partilhar sentimentos e calar. Numa palavra, é a confiança mútua entre pessoas de qualquer idade que sabem tomar conta uma da outra, sem entrar pela vida privada do outro. É um sentimento de nunca abandonar a pessoa por quem se sente afectividade. Foi, na Grécia clássica que, pela primeira vez, através de Aristóteles, definido o conceito amizade. Os motivos da Amizade diferem em espécie, como, também, diferem as respectivas formas de afeição e de amizade. Existem três espécies de Amizade, e igual número de motivação do afecto, pois na esfera de cada espécie deve haver afeição mutuamente reconhecida.
Aqueles que têm Amizade desejam o bem do amigo de acordo com o motivo da sua amizade:

1) utilidade, a Amizade existe na medida em que se recebe um bem de outra pessoa. Incluindo, esta categoria, o prazer: isto é, desenvolve-se a Amizade por pessoas de fácil graciosidade, não em virtude do seu carácter, mas porque elas lhes são agradáveis. Assim, aquele cujo motivo da Amizade é a utilidade ama os seus amigos pelo que é bom para si mesmo; aquele cujo motivo é o prazer fá-lo pelo que lhe é prazenteiro; nunca o é em função daquilo que é a pessoa estimada, mas na medida em que ela lhe é útil ou agradável. Essas Amizades são portanto circunstanciais.

[Read more…]

BPN: burla fresquinha

A Polícia Judiciária e o Ministério Público têm em curso uma mega operação, com dezenas de buscas em todo o país. A SIC sabe que nesta altura há um detido, numa investigação relacionada com o Banco Português de Negócios e uma gigantesca burla que pode ascender aos 80 milhões de euros.

Notícias ainda muito contraditórias, falando-se de três advogados detidos, da implicação de Luís Duque “antigo presidente da SAD do Sporting e vereador da Câmara Municipal de Sintra”, tendo Fernando Seara, presidente da câmara de Sintra também sido abordado.

Convém lembrar que o BPN é directamente responsável pelo défice das contas do estado, havendo o risco de o termos de pagar, inteirinho.

Começa a campanha pela…


Se nas próximas “presidenciais” os portugueses levarem a abstenção a um resultado superior a 50% do universo eleitoral, talvez qualquer coisa comece a mudar.

Uma proposta radical para o orçamento

Acabar com o subsídio ferias e subsídio natal para todos os pensionistas.
Redistribuir o valor que sobra por todos os pensionistas que recebem menos do dobro do valor da pensão média (para quem não sabe a pensão média em Portugal é actualmente apenas de 404,61€).

A visão que eu tenho do subsídio de natal e subsídio de férias é diferente da de muita gente, principalmente aqueles que sempre foram empregados por conta de outrem…

Esta visão deve-se em primeiro lugar porque no inicio da minha carreira trabalhei a recibos verdes e por isso ou trabalhava ou nem sequer tinha salário, quanto mais subsídio ferias e subsídio de natal.
Depois porque a seguir a isso tive uma empresa durante cinco anos o que me permitiu também ficar a conhecer os custos para a empresa de ter funcionários e a dupla penalização que é não poder contar com um colaborador e ter ainda que lhe pagar o valor habitual mais o subsidio de férias.

Esta proposta permitiria diminuir a amplitude entre quem ganha mais e as reformas miseráveis que ainda temos bem como eliminava esse conceito, para mim estranho, de pagar subsídios que provavelmente fazem sentido no mundo das pessoas que trabalham como incentivo ou prémio, a pessoas que têm como principal característica precisamente serem não activos.

Também podiamos falar de acabar com o pagamento de pensões acima de um determinado valor ou a não acumulação de pensões mas isso já outros disseram.

Crime passional, jornalismo e analfabetismo

Ana Cristina Pereira escreveu no Público uma peça sobre um clássico crime passional (marido corneado mata mulher e amante e tenta o suicídio), com a particularidade de ter ocorrido num Portugal rural que por vezes achamos já não existir.

O texto não tem sangue, não tem pormenores mórbidos, não é do Correio da Manha que para já tem disponível online uma foto nojenta e um vídeo abaixo de cão. Está bem escrito, como é de resto habitual no trabalho da jornalista.

Assim não o entenderam vários comentadores: “Esta notícia parece ter sido copiada de um site estrangeiro e traduzida com Google!” é um dos mimos que por ali se podem ler.

Temo que isto já sejam efeitos de se ter em muito abandonado o estudo da literatura nas escolas. E de pelo contrário se leccionarem idiotices sobre o texto jornalístico, tal como se usava muito atrás no século passado (entre as quais o mito do parágrafo lead, essa velha muleta para textos coxos).

Por alguma razão o campeão dos tablóides é mais lido que o Público. É a vida.

Viver acima das possibilidades

Oiço dizer que boa parte da Europa vive acima das suas possibilidades. Olho de soslaio para os meus botões, abano a cabeça e dou por mim a achar que é capaz de ser verdade. Depois, meramente a título de exemplo, pego no caso português -que nem é um referente de boa saúde através dos tempos- e digo aos meus botões:

-Portugal tinha pescas, pescadores e pequenas indústrias em torno delas. Abateram-nas.

-Portugal tinha agricultura, agricultores e alguns mercados em torno disso. Desmantelaram-nos.

-Tinha solos agrícolas classificados. Betonizaram-nos.

-Tinham sobrado algumas produções tradicionais e artesanais. Chamaram a ASAE.

-Tinha indústria, ainda que incipiente. Deslocalizaram-na.

-Tinha técnicos experientes e competentes. Puseram-nos a desenvolver teorias e estudos que não saem do papel mas rendem taco e tachos de gabinete.

-Tinha… (interrompo a conversa com os botões porque, entretanto, chegou o almoço e eu olho para a travessa pronto a atacar)

O peixe, apercebo-me, é importado. As batatas, as cenouras e o feijão verde são importados. O pão, ou aquilo com que é feito, é importado. Os talheres são importados. O prato, o copo e a travessa são importados. A toalha e o guardanapo (de pano) são importados. A mesa e a cadeira já não são de Paços de Ferreira, foram importados pelo IKEA. O vinho e a água, vá lá, são portugueses e estão ao preço da uva mijona porque, lá fora, ninguém sabe que são bons e não os querem. Porra, pergunto eu aos meus botões, foi mesmo o povo, o português comum, que escolheu isto, que decidiu assim, que inventou este caminho, que teve poder para executar? E os que tinham poder para executar onde é que andam? Estão presos? Foram penalizados? Andam por aí? Devem ter empobrecido conjuntamente com o país, coitados…

Os botões respondem-me alto e bom som, mas não entendo o que eles dizem. É que, para mal dos meus pecados, os meus botões também foram importados e eu, lamentavelmente, não falo chinês.

A cidade de Ceuta é espanhola?


Sim, é.
Vejam aqui. E aprendam alguma coisa com esta casa de má fama.

Portugal em orçamentação e corrupto

O País vive mais uma jornada do complexo trabalho orçamental, desta feita tendo como ruído de fundo o 35.º lugar no Índice da Percepção de Corrupção publicado pela organização Transparência Internacional para um conjunto de 178 países.

Os trabalhos orçamentais, com participação exclusiva dos partidos do ‘centrão’, diz-se, estão a ser acelerados, com o objectivo da viabilização do OGE ficar assegurada antes de Cavaco Silva, esta tarde, anunciar a recandidatura. Isto revela a típica maneira de fazer política na actualidade. Há uns quantos super-cidadãos e, numa pura lógica de individualismo acentuadamente provinciano, o tempo do acordo orçamental tem de submeter-se ao “timing” do anúncio de recandidatura de Cavaco. Se não fosse ocasião de candidaturas para eleições presidenciais, qual seria o prazo limite? Indefinido, certamente. São os interesses deste tipo de estadistas que fazem mover o País e não o inverso. Infelizmente.

Como sublinhámos antes, ao som das trompetas orçamentais junta-se o ruído da queda para 35.º lugar no índice da Transparência Internacional. Classificámo-nos no 32.º lugar em 2009. Piorámos. Com legislação confusa e ineficaz e demora de processos judiciais, continuam a proliferar por aí os Varas, os Isaltinos e outros mais ou menos conhecidos, como o ex-deputado do PS acusado de 19 crimes de corrupção. Honra lhe seja feita, João Cravinho bem lutou por legislação dura e eficaz neste domínio. Porém, afastaram-no. Continuaremos, pois, a assistir à ascensão, súbita e altiva, de certos ‘Zés ninguéns’ que, chegados à política, a cargos de gestão pública de institutos, hospitais e empresas, são impulsionados pelo dinheiro vilipendiado ao erário público através de adjudicações, compras ou ajustes directos. Quando é que esta gente ajusta contas perante o País?  

Sondagens Aventar

Resultados da última sondagem:

Com vitória destacada de Teixeira dos Santos, após uma luta corpo a corpo com Manuela Ferreira Leite  e Cavaco Silva, cujos apoiantes terminaram por desistir.

Já a correr nova sondagem: como vai votar nas Presidenciais? numa barra lateral perto de si.

Reformados e pensionistas: Eduardo Catroga

9693 euros

“Tenho uma carreira de vinte anos como funcionário público e de quarenta como funcionário privado”
“Fiz em paralelo as duas carreiras e agora, por questões de simplicidade e por ser mais prático, as duas pensões são unificadas numa única prestação”

CM

Eduardo Catroga, apesar de reformado, continua a ser presidente da empresa Sapec, administrador não-executivo da Nutrinveste e do Banco Finantia e membro do Conselho Geral e de Supervisão da EDP.
Catroga, que se tornou conhecido como quadro relevante do grupo Mello, foi ministro das Finanças do terceiro Governo de Cavaco Silva, entre Dezembro de 1993 e Outubro de 1995.  Destacou-se então como um dos maiores privatizadores dos governos de Cavaco Silva: foi nesse período que o BPA (Banco Português do Atlântico) foi entregue ao BCP.

esquerda.net

may malen´s diary, the beginning

when Mum and Dad were little and very good friends

Some thirty years ago, I used to carry my youngest daughter to the school, half a block away from the house.  She was blonde, red on her white cheeks, very cheeky, even with me. What a big patience from Dad… [Read more…]

O orçamento judicial

O roubo aos funcionários públicos médio-altos (os 1500€ que dispensam a ralé da banhada são ilíquidos mas há pouca gente a dar por isso) tinha as suas excepções: a tropa, que afinal é promovida, a bófia, onde  além de tanques anti-motim parece que enfim, sempre há carreira na parte do poder  que não está na ponta da espingarda mas na mãos de quem a segura, os padres e que deus nos valha, o Banco de Portugal não conta porque são inimputáveis, e normalmente haveria uma arte subliminar de vírgulas num decreto safando juízes e magistrados, sempre falamos do poder judicial, e o respeitinho é muito lindo.

Não houve. Falou mais alto o clamor da vingança e optou-se por correr o risco de, julgando em causa própria, os juízes complicarem a aplicação do orçamento.

Preventivamente vai-se espalhando sobre eles o que Maria de Lurdes Rodrigues não chegou a pensar dos professores, que por sua vez já ultrapassava em muito os piores delírios de Maomé perante o toucinho. Hoje são os mais bem pagos da Europa, no topo da carreira, quando chegam ao Supremo. E são muitos, em número.

Não tivesse provado já desta carne e acreditaria que todos chegam ao Supremo Tribunal de Justiça. Mas sei dos professores, com o melhor topo de carreira mas o detalhe de ser quase impossível lá chegar antes de ultrapassada a idade limite para a reforma e ao mesmo tempo um dos piores salários médios acrescido da maior carga de trabalho, tudo isto na Europa dos estudos devidamente aparecidos nas redacções no intervalo de na Presidência do Conselho de Ministros escreverem na Corporativa.

Começa a falhar o truque, moços. Sei de uns 140 000 que nessa já não caem. A ver se a coisa vos corre mal já somos uns 400 000, fora o resto.

Não é em tribunal que acabam os gamanços?

Os grelos

(Pormenor de quadro de adão cruz)

Eu seguia rua abaixo, pelo lado esquerdo de Sá da Bandeira. À minha frente ia um casal, ela de meia idade, gordinha, ele mais velho, hemiplégico, de bengala na mão direita, arrastando a perna esquerda, pendendo sempre para a direita, trajectória que a mulher ia corrigindo com um pequeno toque na mão dele. Se assim não fosse, as sequelas do seu AVC, à semelhança de um GPS, obrigavam-no a tombar para fora do passeio.

Lá mais ao fundo, frente ao Pingo Doce, o homem, como se uma mola o puxasse sempre para aquele lado, faz, com toda a facilidade um rodopio de noventa graus para a direita, ficando em linha recta com a porta do supermercado. A mulher olha para a direita e para a esquerda (look right  and look left, à londrina) e atravessa a rua, tendo o cuidado de pegar na mão do marido, pois de outra forma, com a sua pendência para a direita, ele iria desembocar dez ou vinte metros acima.

Já dentro do Pingo Doce, resolvi seguir os passos daquele par amoroso, ao mesmo tempo que ia dando uma olhadela às prateleiras que me interessavam. A dada altura verifiquei que o homem parou, olhando insistentemente para o sítio onde estavam as carnes de porco. A mulher puxou-o mas ele resistiu. Apoiou-se na prateleira, encostou a bengala, e com a mão direita pegou numa embalagem contendo uma orelha de porco. Imediatamente a mulher gordinha o dissuadiu dizendo-lhe:

 – nem penses, vou-te comprar uns grelinhos que vi ali e que têm um aspecto do carago!

– Que se fodam os grelos, respondeu ele de forma bem entendível, apesar da fala meia entaramelada.

Só tive tempo de dar meia volta e tapar a boca com a mão, a fim de abafar uma explosiva gargalhada, que eu não saberia explicar aos circundantes.

Golos do Porto? sábado há mais

http://rd3.videos.sapo.pt/play?file=http://rd3.videos.sapo.pt/gpZSdOEPQjiO6HjQez0O/mov/1
O FCPorto treinou com uma equipa de Leiria que agora tem um boxeur sentado no banco, e foi engraçado. O primeiro golo saiu uma delícia.

No sábado vai ser lindo: os dois melhores ataques e os cinco primeiros marcadores da liga encontram-se no estádio do Calhabé.

Os jogos entre o meu clube de nascença (pesem estas vergonhas deslavadas, e se pesam, o primeiro amor nunca deixa de o ser) e o meu clube de razão claro que me dividem, e normalmente agradeço que empatem ou fique com os pontos quem mais precisar deles.

Desta vez espero que ganhe o que jogar melhor, e se empatarem que seja pelo menos 4-4. Este campeonato está a ser um luxo  inimaginável.