Cavaco, o turbo-professor e o seu processo disciplinar

Conta Luis Grave Rodrigues:

Naqueles longínquos anos 80 o Prof. Aníbal Cavaco Silva era docente na Universidade Nova de Lisboa.
Mas o prestígio académico e político que entretanto granjeara (recorde-se que havia já sido ministro das Finanças do 1º Governo da A.D.) cedo levaram a que fosse igualmente convidado para dar aulas na Universidade Católica.

Ora, embora esta acumulação de funções muito certamente nunca lhe tivesse suscitado dúvidas ou sequer provocado quaisquer enganos, o que é facto é que, pelos vistos, ela se revelou excessivamente onerosa para o Prof. Cavaco Silva.

Como é natural, as faltas às aulas – obviamente às aulas da Universidade Nova – começaram a suceder-se a um ritmo cada vez mais intolerável para os órgãos directivos da Universidade.
A tal ponto que não restou outra alternativa ao Reitor da Universidade Nova, na ocasião o Prof. Alfredo de Sousa, que não instaurar ao Prof. Aníbal Cavaco Silva um processo disciplinar conducente ao seu despedimento por acumulação de faltas injustificadas.

Instruído o processo disciplinar na Universidade Nova, foi o mesmo devidamente encaminhado para o Ministério da Educação a quem, como é bom de ver, competia uma decisão definitiva sobre o assunto.

Na ocasião era ministro da Educação o Prof. João de Deus Pinheiro.

E onde foi parar o dito processo disciplinar? ao limbo, ao lixo, ao arquivo? Pode ler o resto desta interessante narrativa. Eu finalmente percebi a espantosa carreira política de Deus Pinheiro, a maior anedota que passou pelo Palácio das Necessidades nas últimas décadas. E mais uma vez confirmei que Cavaco Silva quando está sozinho é o mais honesto dos honestos presentes naquela  sala.

Comments


  1. Já pouca gente se lembra. Vale a pena divulgares no PE.

  2. Atento só para alguns says:

    Junto a este caso, deveria o blogger apontar também a do favorecimento de que Manuel Alegre beneficiou para terminar o seu bacharelato, denunciada em vários blogs, com fotocópia do registo académico e do texto do pedido.
    Isso sim, seria serviço público e … isenção.

  3. Ricardo Santos Pinto says:

    E também é muito sério, sobretudo quando não se ri.
    Atento só para alguns, a missão de um blogger não é ser isento. Não somos jornalistas.

  4. Atento só para alguns says:

    http://futuroetradicao.blogspot.com/2010/12/revista-sabado-manuel-alegre-concluiu-o.html

    Aqui estão os documentos que vocês dizem que são falsos, apenas por serem contrários ao vosso candidato.


    • Mas quem é que disse que são falsos? a forma como os lê é que é tola de todo.

      E também não vou votar Alegre, pelo menos na 1_º volta.

      Bolas, que ao menos a brigada socretina ainda sabia o que é um blogue. A brigada cavaqueira não teve formação básica em caixas de comentários.

  5. Ricardo Santos Pinto says:

    Atento só para alguns, «vocês» e «vosso candidato» vírgula. Aqui no Aventar, cada um responde pelo que escreve e cada um apoia ou deixa de apoiar quem quiser. No meu caso concreto, ainda há uns dias escrevi este post que certamente muito lhe agradará: http://www.aventar.eu/2010/12/28/presidenciais-querem-votar-nesta-gente/
    Quanto ao resto, reafirmo que nós, bloggers, temos todo o direito de sermos parciais e não temos qualquer obrigação de sermos isentos. Não somos jornalistas. Lamento, ´
    é a minha opinião. (já agora, o blogue que linca será o exemplo de isenção?)


  6. Era só o que faltava andar a colocar aqui passadeira Vermelha para um fulano que já arruinou Portugal desde os tempos de Salazar!

  7. Assentador says:

    João de Deus Pinheiro foi ministro da educação no primeiro governo de Cavaco Silva, assim toda a lógica do texto em que se induz que ele foi premiado com a nomeação para ministro dos negócios estrangeiros para ser compensado quando Cavaco chegou a PM é uma manipulação grosseira dos factos. Inventem outra mas olhem com mais atenção aos pormenores


    • …estranha cronologia! por isso refundiu no seu ministério o processo disciplinar do camarada cavaco, que, mais tarde lhe retribuiu com a nomeação para negócios estrangeiros e de bonús á posteriori lhe deu o comissariado europeu….isto apenas ao que se sabe!


  8. E o secretário de Estado da Educação e Administração Escolar do VIII Governo Constitucional (1982-1983, um tal de João de Deus Pinheiro, é um parente?

  9. Carlos Fonseca says:

    Fui aluno da Universidade Nova de Lisboa, Licenciatura e MBA, nos tempos em que o Prof. Alfredo de Sousa foi reitor – o Ministro era Sottomayor Cardia.
    Como “bloguer” do Aventar, e principalmente como testemunha na qualidade de aluno da referida UNL, garanto que foi instaurado ao Prof. Cavaco Silva um processo disciplinar por faltas de comparência para leccionar. De resto, até na Católica, por outras razões, Cavaco e a sua mulher Maria Aldegundes Cavaco Silva (Dr.ª Cavaca) eram professores poucos estimados por alunos, mesmo os de direita. Ele nem sequer saudava os alunos quando entrava na sala e ela era o que é: uma provinciana pretensiosa.

  10. lidia sousa says:

    Neste blogg aprende-se bastante. Foi por acaso que caí aqui, mas gostei muito, Abençoada Coelho este sim Coelho Bravo enquanto o outro anda para aí a marinar para ser comido por um dos tubarões. Agora já anda acompanhado com o Zeca.
    O nosso Coelho Bravo não precisa de assessores ele próprio é uma máquina. Votei nele porque o achei ainda no seu estado natural, MESMO QUE NÃO PASSE DISTO JÁ É UM HEROI AMEAÇADOR PARA O IDDI AMIN DA MADEIRA

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.