O colégio “Rainha Santa”, um caso de assalto às finanças públicas em nome de deus

O Colégio Rainha Santa Isabel, em funcionamento no coração de Coimbra e rodeado de escolas públicas por todo o lado, é um dos colégios privados que agora gemem porque apareceu alguma vontade política em acabar com o financiamento público do ensino privado. É dado como exemplo pelos bons resultados que apresenta nos rankings. Pudera. No seu regulamento interno estipula-se quanto à admissão de alunos:

1-  Para  a  admissão  de  alunos,  o  Colégio, desenvolverá  anualmente  com  os  candidatos pré-inscritos um processo de selecção no qual, para além da adesão dos Pais e Encarregados de  Educação  e  do  próprio  aluno  ao  Ideário  e Projecto Educativo do Colégio, serão  tidos em conta os seguintes critérios:
(…)

f) Percurso educativo do candidato;
(…)

3- Em caso algum serão  factores de exclusão neste  processo  aspectos  relacionados  com  a raça, religião, posição social e opções políticas dos candidatos ou das suas famílias.

O ponto 3 é de uma hipocrisia espantosa. É que no seu ideário o CRS afirma ter como “Visão Educativa” isto:

“Tenhamos somente em vista a glória de Deus e a salvação do mundo. Que todas as nossas acções tendam para este nobre fim.” “A  Pedagogia  Cluny  não  é  neutra:  busca  fundamentalmente a Vontade de Deus e a felicidade da Humanidade”

No seu regulamento interno encontram-se igualmente barbaridades deste género:

O Colégio  da  Rainha  Santa  Isabel  pretende  formar  os  alunos  no  sentido  cristão  da  vida, para isso o aluno deve:

Dizer sim a Deus.
Investir  na  formação  religiosa  séria  e  actualizada  e testemunho da fé no meio em que vive.
Criar espaços de oração pessoal e em grupo.
Desenvolver uma devoção especial a Nossa Senhora.

Para remate, a cereja no topo da pastelaria: os professores estão obrigados a

Participar na oração comunitária da manhã na Capela;

Deixando de lado a questão de saber como pode um ensino religioso fundamentalista ser reconhecido por um estado laico, fiquemos pelo mais imediato: querem os vossos filhos em colégios de freiras, paguem do vosso bolso. Nós, que pagamos impostos, não temos que sustentar religiões, já fomos obrigados a fazê-lo até ao século XIX e bastou. E muito menos subsidiar uma instituição que obriga os seus trabalhadores à prática da “oração”.

Comments


  1. Ó Cardoso, pena a parvoice não pagar impostos, só você dava uma grande ajuda ao defice.

    Se é um colégio Cristão quer que defenda valores quê? Marxistas? Lê-se com cada anormalidade!!!!

    Se (como na maioria das escolas publicas onde os professores dormem em cima do Der Kapital) dissesse que a escola defendia a igualdade a todo o custo o senhor achava bem que aí se derretessem as finanças publicas a produzir pequenos ‘cardosinhos’ incompetentes mas muito chateados com os que vencem na vida.


    • Ó Carlos Alberto, quando aprender a distinguir católico de cristão diga alguma coisinha.
      Até lá vá dar banho ao cão, que sempre faz alguma coisa de útil (mas tenha cuidado, andam cães marxistas por aí, e mordem).


      • Ahhh o seu problema é com os Católicos que devem ser um ramo do Islão ou do Judaísmo… isso deve ser do cheiro do cão, é que ainda não lhe dei banho!


        • O meu problema seria com a sua ignorância, ao confundir um ramo com um tronco. Mas nem é, porque se vive bem com ela não lhe deve fazer mal nenhum.


        • Pelos vistos é tão limitado (e fanático), que nem depois de lhe ser chamada a atenção entendeu!!! Um cristão não tem que ser, obrigatoriamente, católico!!!
          Seja como for, esse nem é sequer o tema do post, mas sim a vigarice de andarmos a financiar negócios privados.

      • Manuel Correia says:

        O Cardoso tem toda a razao. O catolicismo nada tem a ver com o Cristianismo. O Cristianismo baseia-se nos ensinos Biblicos dos quais o catolicismo nao tem nada. Um so exemplo; Maria e mae de Deus, ensinam eles; e eu pergunto quem e o pai? A Biblia diz: Deus criou o homem e a mulher, como pode a mulher ser mae de quem a criou? Outra coisa bem segnificativa sao as imagens e para tal leiam o que diz a Biblia em Exodo, 20:4 e 5, para nao citar outros. Nada tenho contra as religioes mas aja bom senso no que ensinam. E temos que admitir que se nao houver dinheiro nao ha religioes, e cada um salve-se como poder. Um bom fim de semana para todos e, para quem acredita na Biblia, leia um pouco de de vez em quando.

    • Fernando Nabais says:

      Ó Carlos Alberto, nunca lhe disseram que para perceber um texto é melhor lê-lo primeiro? Vá lá ler vez o texto do João Cardoso e veja se percebeu tudo. Se não percebeu, pergunte, homem, estamos aqui para o ajudar. Quanto aos professores, é verdade: tudo comunistas! Aí, você esteve bem. E deve ser difícil dormir em cima do “Der kapital”. Em cima do “Das Kapital” é muito mais fácil.


      • Eu percebi o texto, caro Nabais… oh se percebi!
        Conheço textos destes desde pequeno onde uns iluminados acham que os seus impostos são mais importantes que os dos outros.
        O Cardoso acha que os seus impostos não podem pagar uma formação religiosa mas, por exemplo você indignou-se quando eu disse que os professores da escola publica são comunistas!!! Viu… não gostou da generalização, mas só neste caso se for ao contrário já não faz mal!
        Pois bem, eu acho que o dinheiro dos impostos é tão bem usado para pagar ensinos religiosos (onde por acaso os moços e moças até aprendem mais que nos restantes casos) como para o ensino laico ou até no ensino marxista.


        • Ensino marxista em Portugal? você delira.
          O estado não tem nada que sustentar religiões. Tem de garantir a liberdade religiosa, e mais nada. No ensino público há professores que rezam professores ateus, e professores que nem pensam nisso.
          No ensino religioso há maus professores que pregam o fanatismo. Maus porque quem aceita um emprego onde o obrigam a rezar não tem competência para falar de liberdade, já que perdeu a sua. E não me venha falar de rankings, está aí a prova que se fabricam resultados seleccionando alunos (neste colégio chegam ao ponto de aplicar as mesmas regras quando um aluno transita do básico para o secundário).


          • Aí é que está caro Cardoso, o seu erro de base é esse: Aos meus filhos não preciso que um professor lhes ensines a liberdade, isso ele aprende ele em casa, aliás a liberdade não se ensina ou vocês nada aprenderam com a queda do ‘muro’. Os povos anseiam a liberdade e ela não é ensinada por ninguém seja ele professor seja ele ‘grande educador da classe operária’ ou a vanguarda de qualquer coisa.
            Por isso é que somos diferentes, eu acho que o homem é naturalmente livre vocês acham que o homem tem de ser ensinado (por vós, claro) a ser livre.


          • A liberdade não se ensina, é verdade, mas os princípios e razões da liberdade e da tolerância ensinam-se, em casa e na escola.
            Coisa que não se faz de joelhos.


          • O público que os senhores tanto defendem, causou problemas graves na minha vida, uma escola que nunca quis saber porque não estava a correr bem o estudo, imaginou logo que era má aluna e pronto, quando afinal apenas sofri de bilíngue… o Rainha Santa, ensinou-me a acreditar em mim, deu-me uma educação exemplar, preocupou-se sempre com os meus resultados… para mim é mais que justo que os meus impostos subsidiem um local que promove o respeito pelo próximo, promove educação… coisa que a muito se perdeu nas escolas públicas em Portugal e que empastam alunos ao colo

        • Fernando Nabais says:

          Não me indignei nada. Nem sei se os professores são, na maioria, comunistas ou do Belenenses, nem me interessa.
          O dinheiro dos impostos não tem de servir para sustentar colégios privados (católicos ou outros) em zonas servidas por escolas públicas. Quando muito, para quem quer ter essa despesa, existem as deduções no IRS.
          Outra ilusão: os moços e moças que frequentam colégios como o “Rainha Santa” pertencem, maioritariamente, a um estrato económico e cultural elevado e é isso que faz quase toda a diferença. Encha o colégio com jovens vindos de zonas carenciadas e vai ver o que acontece.
          Entretanto, se conhecer alguma escola com ensino marxista, avise, porque também não era bonito ver um regulamento interno com frases como “Tenhamos somente em vista a glória do proletariado e a salvação do mundo. Que todas as nossas acções tendam para este nobre fim.” “A Pedagogia Marxista não é neutra: busca fundamentalmente a a aplicação dos ideais de Marx e a felicidade da Humanidade”


          • Ó meu caro Nabais… essa não esperava: Então os filhos dos pobrezinhos são burros? A diferença não está nos alunos (o que não quer dizer que as condições de estudo não influenciem) mas sim nas características do ensino, desde os professores até às questões disciplinares.

            A escola publica é má porque é laxiva e não porque é mal frequentada. Neste caso o problema é da Galinha não é do Ovo!

          • António Fernando Nabais says:

            Já percebi que de Educação percebe o mesmo que Isabel Alçada e toda a clique política e universitária que alimenta o Ministério com estudos encomendados. Nunca disse que os alunos dos “pobrezinhos” são burros e também lhe digo que não chega ser inteligente para se ter boas notas. O ambiente familiar é decisivo para o rendimento escolar e aqueles alunos cuja família se preocupa com o que se passa na escola têm mais probabilidades de obter bons resultados. Essa preocupação existe, sobretudo, nas famílias com estatuto sociocultural ou socioeconómico mais alto. Não há excepções? Claro que há: servem para confirmar a regra.
            Vou explicar outra vez: ser desfavorecido não é o mesmo que ser burro, é só ser desfavorecido. Ser desfavorecido não favorece, desfavorece.
            A Escola Pública poderá ser laxista e não laxiva, mas provar isso deveria ficar a cargo de quem percebe do assunto. O que vale é que estamos num país tão livre que, felizmente, todos temos direito à opinião. Só falta alguns exercerem o direito de se informar e reflectir.

          • paulo says:

            Meus caros, os srs. degladiam-se com questões desta natureza e a srª Alçada sorri de deleite! O sr. Torcato de avental vestido prepara-se para cortar e matar essa liberdade de que tanto falam! Os colégios existem, ponto! Quem os deixou abrir?! Não sei, como tb n sei se as escolas estatais lá deveriam estar! A escola de Taveiro está às moscas. Resolve-se – coloquem lá gestores privados!

            O psicopata Torcato não quer matar só as escolas de gestão privada, quer matar a escola!Ponto final! A parque escolar vai privatizar tudo….

      • José Pereira (Eu Próprio no facebook) says:

        Sim, porque o capital marxista é neutro, ele não se divide a si próprio (leia-se o texto de Raul Iturra http://networkedblogs.com/dITWX) mas sim, é dividido por quem o detém, ou seja, não sofre divisão.

    • J. Louro says:

      Ó básico, não é Der Kapital, mas Das Kapital e aposto que nunca o lês-te. Quanto aos professores da escola pública, devem ter sido eles que te ensinaram a ler… imagino o trabalho que lhes deste!!! Quanto às finanças mal gastas no ensino público, infelizmente existem! Aquelas ques serviram para ensinar marmanjos como tu!

      • Santos says:

        «Ó básico, não é Der Kapital, mas Das Kapital e aposto que nunca o lês-te.»
        Pelos vistos, percebe de alemão, mas não sabe escrever Português! Não é »lês-te» (a não ser que se leia si próprio), mas «leste»!

    • anton says:

      Este anda a mesmo a lêste.

    • Carlos Almeida says:

      O objectivo estratégico dos padres em controlarem o ensino e administrarem colégios privados é lavarem as cabecinhas enquanto são novinhas, porque quando as cabecinhas começam a pensar por elas, já é tarde para as controlar.

      Enganem-se os que pensam que pelo facto de haver menos padres, a S M Igreja e concretamente os Jesuítas não tem poder.
      Para os Jesuítas, a arma principal é agora, como quando vieram para Portugal e como sempre foi, o ensino religioso, através dos colégios privados.
      Não é por acaso que as manifestações há cerca de 1 ano, da rapaziada da camisola amarela, eram organizada pelos Colégios pertencentes aos Jesuítas. Os outros apanharam o comboio, mas quem organizou foi a rapaziada de Santo Tirso
      Mas desde que não haja dinheiro dos impostos para os manter, tudo bem para mim.

      Por muito que os católicos e muitos outros gostem do papa Francisco, a pergunta que se põe é:

      Acham que ele teria sido eleito Papa, se fosse Franciscano e não Jesuíta como é.

  2. Fernando Nabais says:

    Vá lá ler – sem vez, claro.

  3. joão figueiredo says:

    A irmã Maria da Glória precisa é de uma comissão europeia de homens direitos na alcova para ver se sossega o periquito. Meta-se mas é lá com os santinhos e deixe a política para os padres. Se quer dar missas mude de igreja que a católica não lhe admite tais aleivosias.

  4. paulo says:

    Eu sou pobre, mas católico! Quero uma educação católica e de princípios para os meus filhos. Pago impostos. Trabalho! Sou honesto! Porque razão não hei-de eu ter liberdade em escolher a escola para o meu filho?
    Vivo num bairro com uma escola estatal degradada! Sou obrigado pelo Estado a determinar o insucesso escolar e profissional do meu filho, hipotecando o seu futuro?
    Sou remediado, a escola da minha área de residência não me oferece garantias de segurança. Sou obrigado a colocar lá o meu filho?
    A escola da minha área tem professores novos todos anos, não há um projecto sólido! Sou obrigado a aguentar a pastilha?


    • Eu compreendo que queira o melhor para o seu filho. Também compreendo é que os outros pais queiram o mesmo. E que mesmo os filhos dos pais que não querem saber do assunto têm direito a outra escola. Sugiro que vão todos para a privada, e depois vamos ver qual é a escola degradada.

      • paulo says:

        Não faça essa proposta! Pois já sabe qual é a resposta!!!
        Se quiser ocupamos Coimbra Inteira e em 10 anos os Rankings sobem em todo o lado!!!!!!
        Olhe que é o que parece pelos seus magníficos mapas!!


        • Não quero entrar no reino do subjectivo, mas levo muitos anos no ensino e afirmo sem qualquer problema: a qualidade de ensino da generalidade das escolas privadas e muito inferior à das escolas pública. Mesmo muito.


    • EU QUERO PROFESSORES AZUIS!

    • Paula Vale says:

      Concordo plenamente consigo Sr. Paulo.

  5. António Fernando Nabais says:

    Paulo, na minha opinião, a educação sujeita a ditames religiosos é uma opção dos pais e deve estar a cargo das instituições religiosas. Se a Igreja quer dirigir colégios, está no seu direito, mas por que razão hão-de os impostos de uma sociedade laica sustentar essas instituições? A Igreja deve alcançar receitas próprias para ter esse direito. O curioso no meio disto tudo é que muitos (a maioria?) colégios católicos são de um elitismo que me parece contrariar o próprio ideal de generosidade subjacente à mensagem cristã e ainda vêm pedir ao Estado que pague esse elitismo. Aproveitando para incluir na resposta o Carlos Alberto, diria o mesmo para colégios marxistas ou de outra confissão qualquer ou outros sem confissão nenhuma.
    Quanto à degradação da Escola Pública, concordo consigo em tudo, incluindo a vergonhosa expropriação feita pela Parque Escolar. Para além disso, a verdade que é que a escola cada vez mais acentua, embora disfarçando, o insucesso escolar de quem tem menos possibilidades e contra isso todos levem lutar, católicos ou (alegados) marxistas, pais e professores. Diria mesmo que a grande causa do século é recuperar a Educação em Portugal.

    • Ana Maria says:

      Caro Nabais, estou de acordo em quase tudo o que diz, mas… não é verdade que a sociedade seja laica. O Estado é laico, com certeza, e deve continuar a ser, na minha opinião. Mas os cidadãos da sociedade são livres de professarem a religião que bem entenderem, em democracia e liberdade. Sociedades laicas, não obrigado!

      • António Fernando Nabais says:

        Não vejo por que razão uma sociedade laica não possa ser democrática. De resto, concordo com a liberdade de culto.


    • Aliás saliente-se o facto de nenhuma utente do Refugio da Rainha Santa Isabel, que fica a escassos 50 metros do CRS e acolhe crianças em risco, gerido também por Religiosas, frequenta o referido Colégio.

      Quen quiser ter a curiosidade de investigar os propósitos da fundação da congregação que gere o colégio percebe que o seu objectivo não era criar colégios para os ricos… o que temos aqui mais uma vez é alguma Igreja que não consegue deixar de ser un intrumento ao serviço dos ricos e poderosos e não ao lado dos pobres e dos que sofrem.
      Uma igreja em que eu como cristão não me reconheço. O CRS vai sofrer um corte no orçamento? Também o serviço publico ondr trabalho. Solução: Sevir as pessoas com mais criativaidade, simplicidade e menos luxos e festas ostentatórias…

      • Anabela Duarte says:

        Não fale do que não sabe… Essas adolescentes já frequentaram o colégio e se o não fazem, algumas, é porque acham que na escola do público, a balda é maior e por isso não se querem maçar… e j’a agora, sabia que muitos dos alunos mais velhos do CRSI disponibilizam parte do seu tempo para apoiar nos estudos e na vida muitas dessas alunas da Casa de formação cristã?!


        • Então, frequentaram, não frequentam, algumas… já agora serão todas maiores de 18 anos para serem elas a decidir que escola frequentam?

          • antoninho says:

            bem, o senhor presta mesmo um mau serviço ao país. tanto diz como “desdiz”. nunca lhe explicaram que para começar uma discussão temos que estar informados para não fazermos figuras tristes. chega a ser deprimente.


  6. obrigado Nabais, por ter entrado na discussão a ajudar o sr. professor José cardoso. explico: gosto de pessoas com argumentos sérios e capazes de os expôr com elevação. não me parece que seja o caso do Sr. Professor José Cardoso que, recorrendo muito facilmente ao insulto, desacredita a classe a que pertence. esta é a prova de que as generalizações não são saudáveis, ou seja, se há escolas privadas más também existem as muito boas e que devem ser acarinhadas independentemente da confissão religiosa.

    • J. Louro says:

      O ensino privado deve funcionar com apoio estatal quando a rede pública não permita servir a população. Esse ensino deve servir todos sem critérios de selecção baseados em motivações religiosas, culturais, sócio económicas ou outras. O ensino privado que não usufrua de apoio estata,l pode esse sim, impôr critérios de selecção, como os que neste momento são exigidos em dezenas de colégios financiados. O que se passa hoje é uma afronta à igualdade de direitos e à Constituição.

  7. filipe mateus says:

    boa tarde,
    gostaria que o senhor josé cardoso me explicasse o que quer dizer com isto.
    “E não me venha falar de rankings, está aí a prova que se fabricam resultados seleccionando alunos (neste colégio chegam ao ponto de aplicar as mesmas regras quando um aluno transita do básico para o secundário).”


    • “f) Percurso educativo do candidato;”. É um critério assumido na selecção de alunos. Entendeu?

      • paulo says:

        Não generalize!!!!! Pois ao fazê-lo mente!

      • filipe mateus says:

        “neste colégio chegam ao ponto de aplicar as mesmas regras quando um aluno transita do básico para o secundário”. continuo a não perceber. explique-me, por favor.
        saberá o senhor que o secundário, no colégio do seu ódio, é privado? tem o direito de seleccionar, se o quiser fazer, os seus alunos. saberá o senhor que o colégio do seu ódio tem contrato de associação do 5º ao 9ºano? neste caso aceita todos os alunos, mesmo alguns que não são queridos nas escolas estatais da redondezas. saberá o senhor que não é o colégio que escolhe? É ESCOLHIDO!

      • Dário Tavares says:

        Já se esqueceu do Colégio de Manique!Pronto dou-lhe outro:João Faria-Arruda dos vinhos

  8. Xokapic says:

    Porque se discute tudo “no vazio” ?
    Quanto custa um aluno no público ? Ninguém sabe ? Ou não querem saber ?
    Este é o custo que o Estado tem. Porquê não pode ser dado à família se o quiser
    colocar na escola à sua escolha e não à escola a que obrigado pelas regras do estado ?
    Os impostos são para serem devolvidos e distribuídos às PESSOAS e não a entidades
    abstractas geridas por uns boys/girls/gays .


    • Sabe-se sabe. Custa menos que no privado, como é óbvio.

      • paulo says:

        Lol!!!!!!!!

        • paulo says:

          Não me faça rir!!!
          Isso não! Não estamos a brincar!
          Andou a ler aventuras a mais nas suas horas livres!
          lol


          • http://www.aventar.eu/2010/12/04/hoje-nasceram-galinhas-com-dentes/

            Deixem-se de mentiras. Ando a discutir essa treta do custo vai para mais de um mês. Como é que se pode ter um ensino mais barato com os mesmos custos, e ainda por cima lucros?

          • paulo says:

            Sabe que os Colégios foram construídos pelos capitais privados! Ou esqueceu-se?! Sabe quantos funcionários existem na secretaria de uma escola?
            Sabe quantos pessoas se andam a passear na DREC todos os dias? Sabe que a carreira do privado é diferente? Sabe que é muito diferente ter uma fábrica com operários que passados alguns anos ganham mais e trabalham 12 horas!!!!????
            LOL

      • Dário Tavares says:

        E as galinhas e os dentes e o Paizinho Natal existem sim senhor!

      • Mãe says:

        O verdadeiro problema é que NINGUÈM sabe quanto custa um aluno no público! NINGUÉM! tal é a desordem! e por isso é que os valores não são conhecidos. Agora, as contas dos colégios com Contrato de Associação são públicas e transparentes! E é s’o por isso que são incómodos. Que há colégios que fogem às regras? Claro que há! como tudo na vida! Que há muitos professores bons na escola do estado? claro que h’a! é merecem todo o meu aplauso. só é pena que sejam pouco interventivos, pois fica por vezes a ideia de que esses professores são uma corja, gente reles, acomodada e sem valores como o “setôr” João Cardoso.

  9. paulo says:

    Oh Xokapic, depois o que aconteceria? As escolas Estatais vazias e as com contrato a serem obrigadas a aumentar as suas infra-estruturas!
    A escola Estatal não acompanhou a evolução social e as suas necessidades, nem quer!


    • As escolas com contrato que não seleccionam o seus alunos são muito poucas, não sabia mas vou descobrindo. Obrigue as privadas a aceitarem todos os alunos e depois vamos ver onde é que os pais querem que os filhos estudem.

      • paulo says:

        Isso é que era! E que tal o cheque – ensino!!!!????
        Huiiii, até tremeu!! Um arrepio!! Foi uma corrente de ar!!! Concerteza!

      • Xokapic says:

        Mas é claro. Se são financiadas deverá haver os mesmos critérios de entrada…e será que não serão já aplicados ? Alguém já deixou o diz-que-disse e foi à DREx ?

      • Dário Tavares says:

        Eu também gostava que deixassem as escolas não estatais a admitir os alunos que para lá querem ir. Finalmente estamos de acordo. E claro que os nossos impostos pagassem exactamente o mesmo seja estatal ou não. O problema é o segredo de estado em volta do custo na estatal. O cidadão João acredita na ministra e no Socrates.Mas eles não deixaram o Parlamento criar uma comissão independente para estudar o assunto. PORQUÊ? Já sei! para que o João José não descubra que foi enganado!

  10. paulo says:

    Nas suas declarações, camarada João José, alinhada com a do Camarada Nogueira, passa aquela ideia de quem,há muito, muito tempo, descobriu que a vocação não era ser professor, mas qualquer coisa tacho! Com tempo para pensar estas coisas da educação no conforto dos seus escritórios! Aliás o dr. Nogueira, note-se, fez o que mais ninguém conseguiria: organizar a maior manifestação de professores da História em Portugal para conseguir uma “vitória Histórica” para os professores! Essa vitória foi um ENORME ZERO REDONDO! Nada! Prestou um grande serviço aos professores: diminui-los e confiná-los a uma condição precária!
    O Camarada tem os mesmos preconceitos! Os preconceitos do lobo mau salazarista! Ficou preso neste pesadelo e no sonho que se seguiu! A escola é para os professores! Não é para a nação, nem serve para a sociedade, nem para prestar serviço público! Servem-se da escola! Para fazer o que conseguiram fazer dela! Está como queriam não está!? Pelo menos estiveram os srs nos locais certos para a construírem assim! O SR DORME TRANQUILO COM O QUE ACONTECE NAS ESCOLAS ESTATAIS E NÃO SÓ? FOI O SR. E OUTROS COMO SI QUE A FIZERAM ASSIM! DEGRADARAM O NOME DOS PROFESSORES! DEGRADARAM A IMAGEM DO FUNCIONÁRIO PÚBLICO! NÃO QUEREM O MÉRITO! A QUALIDADE! NÃO QUEREM SABER DAS NECESSIDADES DOS PAIS.


    • Paulo, vá gritar para sua casa, pode ser? E não insulte quem não conhece.

      • paulo says:

        Então, caríssimo?!

        • paulo says:

          Não insulto! Apresento o que me apetece dizer quando se discute sem argumentos honestos! Quando quisermos discutir a sério, estou sensibilizado para o assunto! Agora fazer generalizações! Apontar aos outros sem olhar para nós! Apresentar argumentos demagógicos e populistas?!
          Assim não!
          A opinião que tenho relativamente ao dr. Mário Nogueira é esta mesma!
          Quanto ao João José, não sei mesmo! Parece-me, por vezes, honesto em termos intelectuais, mas, em outras, nem por isso!
          Discutamos factos!
          Posso ir à DREC fazer um estudo sobre o custo aluno no Estatal? A resposta é negativa! Posso fazê-lo no privado? Sim! Pois, enquanto não sairmos deste paradigma do só interessa o que eu quero, não há hipóteses de falarmos sobre o que ambos sabemos!

      • Mãe says:

        O sr. é que insulta quem não conhece… Ou por acaso conhece o “rainha Santa”? Não creio…. Sabe que mais? muito me apraz que fale nele. é sinal que o incomoda. E se assim é, é porque não é uma escola qualquer…é sinal que lhe faz sombra. Tenho muito orgulho de l’a ter os meus filhos. E olhe que não sou rica, faço muitos sacrif’icios… E vejo bem a diferença entre esta escola e uma escola do estado!… E quer saber mais…? os meus filhos não são alunos brilhantes, mas são, desde que frequentam o colégio, pessoas muito melhores; ninguém me conhecia de lado nenhum, não meti cunha nenhuma e os meus filhos estão lá. e tremo só de pensar que poderão ter de sair. Não é uma escola de elite, lhe garanto, mas vejo e posso comprovar que forma elites. E é isso que a torna tão especial e tão “invejada”. E deve ser isso que o incomoda – por lhe mostrar a si o que é incapaz de fazer como professor! Pensar que um filho meu poderia correr o risco de ir parar às mãos de um imbecil como o senhor para lhe ensinar o que quer que fosse. O senhor não forma, pelo que vejo que escreve aqui – o senhor deforma!


        • Ó minha senhora, assim sendo aprenda com os seus filhos a ser uma pessoa melhor, uma pessoa que não insulta a competência profissional de quem não conhece, por exemplo.

          • Mãe says:

            foi só para ver se o senhor acordava. Insulto fácil e sem fundamento é o que o senhor faz continuamente! insulta a competência profissional de quem não conhece e estranha quando os outros o fazem dirigido a si! Eu sabia que não ia gostar…
            e tenho muito gosto em aprender com os meus filhos a ser uma pessoa melhor!


          • Insultei quem, e onde? importa-se de exemplificar?

          • Mãe says:

            O seu título, por exemplo – O colégio “Rainha Santa”, um caso de assalto às finanças públicas em nome de deus.
            chamar hipócrita e bárbaro…
            e é para não me dar ao trabalho de ler meia-dúzia de outros posts…


          • O título é descritivo. É a minha opinião, sem dúvida, mas basea-se em factos. Hipócrita? onde? Bárbaro? quando?

          • mãe muito preocupada com mentiras says:

            gostaria de conhecer os FACTOS em que se baseia para fundamentar a sua opinião. o diz que disse é muito bonito numa conversa de café, quando queremos impressionar o(s) interlocutor(es). num espaço em que a palavra escrita é rainha deveria haver mais cuidado, da parte de quem profere certas leviandades pois estas podem virar-se contra quem as alardeou.

  11. Xokapic says:

    Esta defesa absurda da escola pública é porquê ? Alguém não quer ter patrão!? Só se for a
    trabalhar (ou fingir) para o estado…só é pena que seja com os meus impostos. Se me derem a escolher…

  12. miguel dias says:

    Aqui por estas bandas um amigo cubano descreveu-me como funciona a educação em Cuba. O ensino é universal e gratuito. os alunos entram às 8 . entre aulas não há intervalos. quarenta cinco minutos sai um professor entra outro. a meio da manhã quinze minutos. almoçam na escola e de tarde actividades extra curriculares. diz que nas áreas á volta das escolas impera um silêncio impressionante. um miúdo apanhado nessas horas na rua por um polícia é imediatamente levado para a escola. se não estiver matriculado grande problema para os pais. problema criminal inclusive. depois do nono ano ou ensino profissional ou ensino médio e depois universidade ou politécnico. O aluno do nono ano cubano possui uma cultura geral de fazer inveja a muitos doutores portugueses ( p.e. o meu amigo é um simples canalizador e no entanto está perfeitamente à vontade em matérias que escapam ao doutor português quanto mais ao canalizador) . Na verdade, o ensino marxista em Cuba assenta em dois princípios que nos fazem falta. Primeiro é para todos, rigorosamente todos. E depois assenta em disciplina. Todos os putos vão à escola para aprender, não é para passar tempo. Estes marxistas são fodidos!

    • Xokapic says:

      Não me parece que os nossos profs queiram isso….dá trabalho!

      • António Fernando Nabais says:

        Caríssimo cereal achocolatado, você parece estar muito bem informado acerca daquilo que os professores querem. Deve conhecer muitos.

    • maria monteiro says:

      pois é Miguel… enquanto lá se aposta no ensino por cá apostou-se nos subsídios ao ensino privado que por sua vez aposta no lucro.

  13. Patricia says:

    Gostaria de prestar uma informação: dos quinze anos leccionados neste Colégio, apenas cinco anos são financiados pelo Estado. Eu sou da opinião que cada criança possa ir à escola escolhida pelos seus pais e por si. Agora, vamos obrigar a toda as crianças sem condições a ir a uma escola pública! Vamos tirar a escolha aos pais… Vamos abrir mais o fosso entre os mais ricos e os mais pobres! Mas parece-me que a razão de tanto comentário é por ser um colégio católico, actualmente há um movimento contra os movimentos religiosos… Ninguém é obrigado a andar numa escola pública! Os meus impostos também pagam muitos professores públicos que apenas estão à espera da idade da reforma (ou pré-reforma), que não esforçam por ensinar as crianças, apenas despejam a matéria! Agora, neste e noutros colégios católicos, há o cuidado em ensinar devidamente as crianças. Será que tudo deve ser dinheiro?

    • maria monteiro says:

      “Será que tudo deve ser dinheiro?” Pois parece que por banda das escolas alvoraçadas tudo gira à volta do dinheiro… uma vez reduzidos os subsídios é o aí Jesus e toda a Santíssima Trindade. É mesmo que tudo gira à volta do dinheiro porque ficam com menos lucros.

  14. António Fernando Nabais says:

    Cara Patrícia
    Não percebo: não devemos obrigar todas as crianças sem condições a ir para a escola pública? Então, devemos salvar só algumas dessas crianças? E com que critério? Das suas palavras depreende-se que a escola pública é uma lixeira longe de toda a esperança. Deixe-me dizer-lhe uma coisa: por muitos defeitos que tenha, é a escola pública que consegue alguns milagres, como o de, tantas vezes, compensar as asneiras cometidas pelo Ministério ou as insuficiências reveladas pelas famílias. Nos colégios que se dedicam a escolher os alunos (não sei se é uma maioria), está tudo muito mais facilitado pelo estatuto socioeconomico de origem, o que não retira mérito nem aos colégios nem aos professores.
    E por que razão não devem os cidadãos portugueses pugnar por uma escola pública de qualidade? Se os pais se preocupassem com aquilo que o Governo anda a fazer à escola pública, estavam em manifestações há anos.
    Os seus impostos pagam professores que não se esforçam por ensinar as crianças? Não servirão para pagar também os que se esforçam? Conhece muitos professores? Os meus impostos também servem para pagar a incompetência de políticos e de gestores públicos e servem, ainda, para financiar colégios que, provavelmente, não deveriam andar a ser financiados pelos impostos de ninguém.

    • António Fernando Nabais says:

      socioeconómico, com acento, claro

      • filipe mateus says:

        caro Fernando Nabais,
        tem toda a razão quando diz que os cidadãos devem pugnar por uma escola pública de qualidade. eu diria, mais devem pugnar por uma escola de qualidade, quer ela seja pública ou não. mais uma vez, andamos todos alegremente distraídos, com um assunto marginal, sem discutir o essencial. o problema é que muitas vezes a escola pública não pugna por um ensino de qualidade. se há uns que se esforçam, e conheço alguns, há muitos outros que preferem consolidar o seu estatuto de funcionário público. Veja-se o exemplo, aqui, do senhor João José Cardoso.

        • António Fernando Nabais says:

          Dinheiro de impostos mal gasto não pode ser um assunto marginal.
          Não sei se há mais gente a esforçar-se ou mais gente a consolidar o estatuto de funcionário público, mas sempre lhe digo que são as pessoas que trabalham as escolas que vão conseguindo compensar a quantidade descomunal de disparates que emana do Ministério da Educação. Para que o caos não se tenha instalado nas escolas, deve haver muita gente competente espalhada pelo país.
          Quanto ao João José, sou suspeito, porque somos amigos e até já fomos colegas na mesma escola, há muitos anos. Provavelmente, estará em melhores condições para avaliar o seu trabalho do que eu.

          • António Fernando Nabais says:

            trabalham nas escolas, claro

          • filipe mateus says:

            “dinheiro de impostos mal gasto” – não entendo. a escola pública é paga com que dinheiro? não é o dos impostos? eu sei que sim, que há gente muito competente nas escolas a fazer um trabalho meritório sem ser reconhecido. não discuto isso. discuto, sim, a vossa teimosia em perceber o que é óbvio. há escolas com gestão privada a prestar um serviço público e um serviço público de qualidade reconhecida. se prestam serviço público devem gozar dos mesmos privilégios que as escolas públicas estatais. nem mais nem menos. se há escolas com estão privada a prestar um mau serviço público que revejam os termos dos contratos com essas escolas. o que andam a fazer os nossos ministérios e serviços de inspecção? o que não me agrada é que sejam todas incluidas no mesmo barco. temos que ser sérios. e não me agrada mesmo nada o ataque cerrado, sem argumentos sérios, a algumas instituições, só porque tenho que opinar. opine-se com razões não com devaneios.


  15. Agora, vamos obrigar a toda as crianças sem condições a ir a uma escola pública!
    Coitadinhos!
    Vamos tirar a escolha aos pais… Coitadinhos tnho tanta pena!
    Vamos abrir mais o fosso entre os mais ricos e os mais pobezinhos… Coitadinhos dos pobezinhos, ( são muito bonzinhos e muito pobezinhos e tal ) mas o estado, qual lobo mau, quer proibi-los de se matricularem no Rainha Santa em Coimbra, esse local de refúgio de tantas crianças “sem condições”…
    Quantos meninos ciganos frequentam o Rainha Santa em Coimbra? Quantos meninos com NEE?
    Quantos meninos com famílias de baixos rendimentos? Quantos meninos com limitações motoras?
    Quantos meninos pretos frequentam o Rainha Santa em Coimbra?

    • Paulo Tomé says:

      Nossa senhora que discurso tão básico e infeliz caro Bluesmile!!!!
      Há pobres e há ricos??? Não tinha reparado!!!!
      Eu farto-me de ver, isso é verdade, carradas de ciganos no D. Maria!!!! São imensos!!!!! Aliás, as hipóteses que a nossa/sua sociedade faz relativamente a esta rapaziada é …ui!!!!!!


  16. Ah, se calhar não existem meninos assim na área de abrangência geográfica do colégio.
    Uns metros mais abaixo do colégio até há um acampamento cigano, será que há vagas ?

    • mãe muito preocupada com mentiras says:

      o bluesmile pode ter a resposta às sua dúvidas dirigindo-se à escola que tanto o atormenta e verá que sim, frequentam ou já frequentaram o Colégio da Rainha Santa meninos ciganos, de famílias muito carenciadas e de outras confissões religiosas. Parece que as baterias dos senhores de Coimbra estão todas viradas para o Colégio da rainha santa. Pergunto porquê. Adivinho a resposta. Escuso-me a verbalizá-la, pois todos a conhecemos. Já agora, o colégio não escolhe o meninos, são os meninos/famílias que o ESCOLHEM! Será que isto o ajuda nas suas inquietações?

      • J. Louro says:

        O direito à escolha é um princípio fundamental da democracia. Todos têm o direito de escolher a escola. Pena é que só alguns lá consigam entrar. Apoio a existência da escola privada, quando esta se rege pelos mesmos princípios da escola pública. Caso contrário, quem escolher (e for seleccionado) uma destas escolas privadas, deve pagar. Eu não tenho de subsidiar a educação dos seus filhos, quando esse serviço lhe é oferecido na porta do lado!

        • filipe mateus says:

          estranho direito à escolha, esse. tens aqui pão com chouriço. se quiseres sandes de leitão, compra-a.

          • A. Silva says:

            Sim. Tens aqui pão com chouriço, que é o que todos comem. Se quiseres sandes de leitão, compra-a. Não há verdade nem evidência mais lapalissiana.

          • J. Louro says:

            O problema é precisamente esse, caro filipe. Neste colégio só entra quem pode comer sandes de leitão e não quem quer comer as mesmas sandes…

        • Paulo Tomé says:

          Tens aqui farelo! Queres farinha? Compra-a!
          Haaaaa!!!! Assim, sim!
          Tens aqui o telefone. Queres internet? Compra-a!
          Tens aqui um tanque de lavar a roupa comunitário. Queres uma máquina de lavar roupa? Compra-a!

    • Paulo Tomé says:

      Penso que foram todos admitidos na Infanta D. Maria!
      Ahh, não! Esperem, estão no conservatório de música!!

      • filipe mateus says:

        Boa! quem tem dinheiro, escolhe. quem não tem… só se dá capacidade de escolha a quem tem capacidade financeira para isso. Lindo!

  17. mãe preocupada com mentiras says:

    afinal o que têm os senhores contra o Colégio Rainha Santa? o bluesmile se quer respostas a essas perguntas pode ir directamente à secretaria do colégio e recebê-las-á. sabe quantos meninos com NEE lá entraram a pedido da DREC porque não eram aceites na escola pública? sabe quantos ali estão no secundário (PRIVADO, portanto, sem contrato de associação) que não pagam? ou que não têm pago ao longo dos anos?
    e sim, há lá meninos com limitações motoras, que não quiseram ir para o ensino estatal. e sim, também já lá andaram meninos de etnia cigana.
    o colégio não escolhe alunos. SÃO OS ALUNOS QUE ESCOLHEM O COLÉGIO.

  18. mãe preocupada com mentiras says:

    o bluesmile pode ter a resposta às sua dúvidas dirigindo-se à escola que tanto o atormenta e verá que sim, frequentam ou já frequentaram o Colégio da Rainha Santa meninos ciganos, de famílias muito carenciadas e de outras confissões religiosas. parece que o ódio dos senhores de Coimbra está todo virado para o colegio da rainha santa. pergunto porquê. adivinho a resposta, mas escuso-me a verbalizá-la pois todos a conhecemos. já agora o colégio não escolhe o meninos, são os meninos/famílias que o ESCOLHEM! será que isto o ajuda nas suas inquientações?

  19. J. Louro says:

    Não se pode escamotear o que está à vista de todos! Vão à R. do Brasil, à porta do CRS às 8:15 horas. Reparem no parque automóvel que se dirige para lá! Agora vão à mesma hora à porta da escola da Pedrulha, ou à escola D. Dinis, ou à Quinta das Flores, ou, … a outra escola pública qualquer. Solicitem a caracterização sócio-económica das famílias donde provêm os alunos do CRS. Comparem-na com a de qualquer escola pública de Coimbra… mais palavras para quê?

  20. xokapic says:

    Sinais exteriores de pobreza de espírito.


  21. Para o básico Louro a caracterização sócio-económica vê-se a olho nu pelo parque automóvel e para que o básico seja completo o ‘assistente de bronco-louçã’ acha que se o popó tiver mais que 900cc os filhos desses fassssscistas não devem ver um cêntimo do Estado (presume-se financiado pelos impostos das empresas do economista-mor).

    Assim é que é Louro (J. não papagaio) Fassssscismo nunca mais 25 do A sempre.

    E já agora: fiat 600 unidos jamais serão vencidos.

    • J. Louro says:

      Caro básico Cabé, bem vindo ao clube dos básicos. Estamos a crescer a olhos vistos. Quanto fiat 600, considero um belo exemplar de automóvel, raro nestes dias. Também sei que muitos dos os bmw, audis e outros topos de gama que se vêm à porta do “Rainha”, são propriedade de bancos ou empresas de leasing, e servem apenas para os seus orgulhosos condutores mostrarem ser ou ter aquilo que não são ou têm (espero que não seja esse o seu caso). Também para estes, o estado tem um lugarzinho numa escola pública, e mais próximo da sua residência. Mas também para aqueles que são proprietários do seu bmw, o estado oferece uma cadeirinha numa sala com 28 alunos provenientes de famílias heterogéneas, com bmw, fiat 600, 500, skodas, peugeots, alguns com V5 e zundappes … é esta a riqueza da escola pública. É a diferença entre um filme a cores dum a preto e branco. Caro Cajó deixe-se de merdas…

      • Dário Tavares says:

        Cidadão J. Louro, não havia necessidade de mostar ao cidadão Cajó o que lhe vai na cabeça!

      • Mãe says:

        A preto e branco deve ser a vossa vidinha… para se preocuparem tanto com os bens dos outros. Desocupados! Ressaibiados! Se trabalhassem a sério… se merecessem sequer o nome de trabalhadores, com toda a certeza que Portugal era um país melhor.
        Eu sou pela qualidade seja ela de iniciativa do estado ou privada! Funciona bem, incitiva-se; funciona mal, elimina-se! As guerrinhas entre público e privado são “terceiromundistas” e não fazem progredir, deixam quem as alimenta numa tacanhez mórbida e infértil! O futuro dirá e reporá a verdade!

  22. A. Silva says:

    Já pensaram em aplicar os mesmos raciocínios à saúde? Quem concordar em pagar com os seus impostos os cuidados de saúde prestados a outras pessoas em clínicas privadas de grupos económicos que resolveram investir na área, também concordará em pagar com os seus impostos a educação dos filhos dos outros; quem achar que aqueles que quiserem um tratamento diferenciado devem pagá-lo porque podem (como tem acontecido no secundário), com certeza concordarão com a redução dos montantes proposta. Aliás, conheço muito bem um colégio em que a média de custo de turma não chega aos 52.000 € e os restantes 68.000€ (no contrato-programa ainda actual) ficam para investimentos diversos, nomedamente algum lucro para a família larga que o possui. Depois serão apenas 28.000. Tudo valores acima do zero.
    A questão do CRSI é apenas uma, porque, que eu saiba, a redução dos valores dos contratos-programa de 120 para 80 mil euros é para todos. Não se trata de ser católico ou evangélico.
    Sou pai trabalhador (na divisão financeira de um Instituto Educativo) e, ironia das ironias, não tenho capacidades para pagar ensino privado para os meus filhos. Mas não fico ressabiado se os meus vizinhos o puderem fazer. Fico é muito zangado quando o estado em quem eu, por necessidade, confio vai pagar com dinheiro dos meus impostos parte do ensino dos filhos do meu vizinho, que escolheu livremente colocá-los lá e eu não pude. E ao lado temos a escola de todos e para todos. Essa é que é a questão.

    • filipe mateus says:

      o seu vizinho “escolheu livremente colocá-los lá”. o senhor tinha a mesma liberdade de escolha. se não o fez, escolheu também. não queira que a sua escolha se sobreponha à do seu vizinho.
      já agora, o estado subsidia a minha/sua escolha por um médico privado, pagando-lhe parte da minha/sua factura. também quer cortar com esses protocolos?

      • A. Silva says:

        Sim, escolhia livremente colocá-los lá e pagava com…o dinheiro que não tenho. Então vou direiro ao estado e digo “Quero colocar os meus dois filhos no colégio X, porque não os quero na escola ao lado e agora façam o favor de pagar o que eu não posso, mesmo que haja vaga nessa escola pública paga já com o dinheiro do OGE”. Sem comentários…
        E quanto à questão da saúde, há aí uma grande confusão; ninguém está a falar do uso de medicina privada paga por subsistemas com convenção; está-se a falar de Eu decidir fazer uma intervenção cirúrgica numa clínica privada, de estética, por exemplo, e depois solicitar ao Sr. que pague parte da factura que me cabe em sorte. Sei do que falo quando tenho o meu pai quase cego com cataratas e estou à espera que o Santa Maria o chame. Se tivesse dinheiro (+- 4.500€) já estava operado. Mas se o Sr. me diz que afinal eu posso fazê-lo e apresentar a conta ao estado, que vai pagar parte, fico muito satisfeito. Ah!! como lamento não viver no seu país!

        • filipe mateus says:

          bem, a confusão que vai nessa cabeça. comparar cuidados de saúde com operações estéticas é comparar necessidades básicas com luxos. será que o ensino privado é um luxo? porquê? será que vejo aí implícita a ideia de “luxo = melhor qualidade”? nunca foi a um médico privado e deixou lá pouco mais do que uma taxa, porque o resto é pago pelo estado, ao médico? nunca ouviu falar de ADSE? vamos acabar com esses subsídios também e deixamos os médicos privados apenas para os riquinhos. os pobrezinhos vão todos para os hospitais. não vivemos mesmo no mesmo país.

          • A. Silva says:

            Viva. Vejo que não compreende o que é uma generalização e, felizmente, parece que nunca necessitou de cuidados de saúde no sector público. Se tivesse tido essa necessidade, veria que só consegue acesso ao serviço de privados com a passagem de uma credencial (dito P1) e isso é o assumir por parte do estado de que não consegue dar resposta à sua necessidade. Mas tem de ser o estado a dizê-lo e a partir daí a sua factura é paga pelo SNS. Se por sua própria iniciativa decide ir fazer determinado exame (não precisa de ser de estética) de certeza que o estado não paga. Já ouvi falar de ADSE, de ADM e de ADEM, mas, tanto quanto sabemos, os seus beneficiários, além da taxa social única igual para todos os portugueses, pagam um adicional que pode ir de 1,5 a 3% do seu vencimento ilíquido para alimentar esses subsistemas. O fundo é colectivo e partilhado e também é devido à taxa de desconto que a ADM é bem melhor que a ADSE, mas isso é a própria dinâmica dos subsistemas. Deve saber que desde 1/1/2011, as novas admissões na função pública já têm como opção aderir ou não à ADSE, é o funcionário que decide, descontando mais ou não. Não tenho este regime, mas acho que quem paga para ele deve usufruir, tal como o cartão MEDIS, EspíritoSanto, VitaLife, etc. Pagam, logo devem ter o direito de usufruírem disso.
            Gostaria agora é que esclarecesse em que subsistema de educação entram os colégios e institutos privados e quanto é que os pais das crianças que usufruem de financiamento estatal (do 1º ao 9ª ano até 2011 e do 1º ao 12º a partir do próximo ano) descontam a mais que os outros no seu ordenado.
            Acho que as pessoas estão a confundir a sombra com o gebo quando dizem que vai ser o fim do ensono privado. Não vai e, felizmente, vai continuar a existir. Se as pessoas podiam pagar na totalidade os custos do 10º ao 12º ano, agora passam a fazê-lo em todos os anos. Eu fiz isso no infantário dos meus filhos, paguei o custo absoluto porque não quis colocálos no jardim da junta de freguesia. Custou, esforcei-me, mas foi a minha decisão. Sei é que nem um escudo foi paga por outra pessoa que não eu, o usufrutuário.
            Na minha profissão sei tão bem do que falo! Toda essa contabilidade me passa pelas mãos há mais de 15 anos! A redução de 120 mil euros anuais para 80.000 no financiamento estatal para cada turma chega perfeitamente para se continuar a ter um ensino de qualidade. O que deixa de servir é para mudarmos de autocarros (5 na frota) de 3 em 3 anos, de mantermos a piscina gratuita e a academia de música e canto, as aulas de equitação no CDUL, que tem sido ‘oferta’ do colégio aos meninos. Já agora, o meu colégio já assinou, não precisou de despedir ninguém; apenas já decidiu que vai aplicar uma taxa adicional aos pais de acordo com a declaração de rendimentos. Ainda ninguém disse que não vai pagar e que quem quiser algo mais que as aulas, vai pagar o valor real dessas actividades. Tão simples quanto isto. Ah, também continuará a ter verbas para fazer a manutenção de espaços e instalações.
            Espero ter sido claro e repito que não permito que os outros deduzam por mim pensamentos que não tive. Um pouco de ilustração e educação fica sempre bem a toda a gente, mesmo àqueles que têm filhos no ensino privado.

  23. José Pereira (Eu Próprio no facebook) says:

    Eu não entendo isto tudo muito bem. Sou dos tesos (em todas as suas vertentes). Mas um colégio que tem como nome Rainha Santa, como todos sabem, uma senhora que decidiu transformar pão em rosas, é de princípio já suspeito quando apregoa o cristianismo. O truque deveria ter sido feito ao contrário… rosas em pão, tal como o seu professor fez com a água em largos tempos idos. A educação em entidades de teor político, ou religioso, ou mesmo desportiva, passa sempre por parâmetros específicos que as escolas públicas não possuem por estes (os parâmetros) serem mais generalizados, visto servirem a educação geral e não serem complemento duma tarefa específica (política, ou religiosa, ou desportiva ou até mesmo, hoje em dia andam por aí, cientológica).
    Se a questão é dinheiro, só há uma solução: estatal, paga o Estado; privado, paga o utente. Se o privado forma melhores indivíduos, então o Estado nalguma coisa está a falhar… caso contrário, toda e qualquer prestação de serviços deveria ter apoio estatal! A estrada em frente da minha casa sou eu que a varro…
    Se encontrarem erros gráficos é favor devolvê-los, eu aceitá-los-ei de volta com dignidade.


  24. ó mãe precupada com mentiras:

    Não minta. Não frequenta o Colégio da Rainha Isabel de Coimbra NENHUM menino cigano, nenhuma criança de famílias muito carenciadas ou de outras confissões religiosas que não a católica. Assim como não há nesse colégio NENHUM menino com deficiência, ou atraso do desenvolvimento, ou trissomia 21.

    • Mãe says:

      Sabe o que me disseram de si? Nem imagina!!
      Acha que acreditei? se fosse como o sr., acreditaria. Mas como eu gosto de ver para crer, de me basear em factos para fundamentar as minhas opiniões. Como nunca o vi, pois se mantém “escondido” pela ventania de um blog… não posso afirmar.

      Neste momento não há nenhum cigano no RSI, de facto, mas já houve! Há meninos de países diferentes, religiões diferentes, não batizados, há-os com posses, os tais ricos, e há-os remediados, e há aqueles que não pagam nada porque não podem e estão lá por caridade.


      • Você é uma canalha. Esconde o seu nome e ataca ad hominem quem se identifica e dá a cara.
        Já em Dezembro tinha sido assim nesta mesma discussão. Canalhas.
        E muito mal informados. Perguntem a quem tenha entre os 50 e os 55 anos, de Coimbra, quem me conseguiu calar antes e depois do 25 de Abril, quando se trata de defender as causas em que acredito.
        A parte nojenta de Pide não vos sai do debaixo da roupa. Ameacem, acusem, venham venham, vamos ver se quando forem identificados, por exemplo através do IP 89.153.165.145 utilizado ás 13:24 não metem o rabinho entre as pernas, já que esgotaram os argumentos que não têm.
        Canalhas, vamos dançar o vira? ai vamos vamos.

      • maria monteiro says:

        Gosto mesmo dessa “e há aqueles que não pagam nada porque não podem e estão lá por caridade” É a chamada caridade para compor o ramalhete… um pobrezinho fica bem em qualquer colégio…


  25. Claro que podemos sempre pensar que na zona de residência do CRSIC não há meninos com NEE, nem sequer um ciganito a morrar ali np Vale das Flores e arredores, não há um único miúdo pobre nas imediações do colégio, que chatice.

    Já agora, quantas meninas do antigo refúgio da Rainha Santa frequentam o colégio do mesmo nome, que fica mesmo ao lado?


  26. “já agora o colégio não escolhe o meninos, são os meninos/famílias que o ESCOLHEM! será que isto o ajuda nas suas inquientações?”

    Se há coisa que me repugna é a mentira descarada.


  27. Quanto às formas de admissão, o CRSI em Coimbra só funciona por cunhas, toda a gente em Coimbra sabe.
    Há até uma hierarquia de cunhas e um bocadinho descarada- TODA a gente em Coimbra sabe.


  28. Não é de Coimbra.

    • mãe preocupada com mentiras says:

      Senhor(a) Bluesmile,
      eu gostaria que me apresentasse as provas que lhe permitem dizer que minto, ou seja, mostre-me, prove-me que não há meninos no colégio com NEE, de famílias carenciadas e de outra confissões religiosas. eu tenho provas de que sim, portanto, quero as provas em contrário.
      espero que as suas provas não sejam do tipo “toda a gente em Coimbra sabe”.


  29. Caro(a) Bluesmile Vê se perfeitamente que o CRSI lhe faz sombra e o atormenta profundamente!
    Posso-lhe garantir que sim existem crianças carenciadas e com NEE’s. Garanto-lhe ainda que não se entra por cunhas no “Rainha Santa”. Os meus filhos entraram e ninguém me conhecia de lado nenhum. Faço um grande esforço para os ter lá, mas como disse uma “mãe” eles são pessoas muito melhore, bem formados e principalmente com valores.Não que dizer com isto que sejam óptimos alunos…
    Quanto à obrigatoriedade dos professores irem à oração da manhã é outra grande das mentiras…. Mas porque é que falam sem terem certeza do que estão a dizer?
    Não são obrigados, os que vão fazem-no por gosto. E aposto que há por aí mt dor de cotovêlo de mts professores por não leccionarem no CRSI.
    Há um ambiente familiar entre Docentes, não docentes, alunos e direção.
    Que falta de informação corre neste blog….
    Só não perecbo porque é que com tantos colégios em Coimbra só atacam o Rainha Santa… porque será?


    • Se está no regulamento interno a obrigatoriedade de os professores participaram na “oração”, porque mente? Não sabe que mentir também é pecado?

      • filipe mateus says:

        será que se preocupa tanto com o cumprimento das funções inerentes ao seu contrato de trabalho como professor, como se preocupa com o cumprimento do regulamento interno do rainha santa?


        • Será que você tem alguma coisa a ver com isso? Será que esgotados os argumentos de treta passamos ao ataque pessoal? Quem é você, filipe mateus? Identifique-se e depois vamos lá discutir as nossas vidinhas.
          Não, não estou para canalhas.

          • filipe mateus says:

            não respondeu à minha pergunta.

          • Dário Tavares says:

            Está tão zangado, cidadão João José! Tenha calma. Ainda lhe dá um ataque. Por favor, não perca a compostura. Olhe que um professor é sempre um educador onde quer que esteja. Se continua assim irritado, ainda nos vai gastar dinheiro com a ADSE. Mas se for preciso eu tenho muito gosto que os meus impostos sejam aplicados em si!


          • Não respondo a perguntas canalhas “fiilpe mateus”.

        • filipe mateus says:

          por perguntas canalhas entende o quê? aquelas que tocam nas feridas? aquelas para as quais não tem resposta? aquelas para as quais não interessa ter resposta?


          • As suas quando faz insinuações sobre o meu profissionalismo. Quando como idiota que é pensa que atacando a pessoa se esquecem os argumentos.
            Canalha também porque é feita por um canalha que nem sequer repara que está na minha casa, num espaço que é meu e dos meus colegas do Aventar, que não temos nada que suportar comentários sobre nós próprios enquanto pessoas.
            Querem trocar argumentos? Tudo bem. Insinuações ou mesmo meias-acusações sobre mim passam a ser de imediato apagadas.
            A menos que me dê a sua morada para eu lá ir perguntar se você cumpre os seus deveres profissionais.

          • filipe mateus says:

            sem comentários. as suas palavras falam por “SI”.


  30. sem comentarios…

  31. Mãe says:

    Caro Cardoso, o senhor é funcionário público não é? E pago pelo Ministério de Educação, não é verdade? E se lhe tirassem a ADSE?
    Fique-se com esta!
    http://www.expresso.pt

    “Então, pá, acabe-se com a ADSE
    Outra aplicação do raciocínio (errado) que legitima os cortes nas escolas-privadas-com-contratos-de-associação: acabe-se com a ADSE. Se querem saúde privada, os funcionários públicos têm de pagar isso do seu bolso. A ADSE dá dinheiro a privados, logo, é ilegítima.
    Henrique Raposo (www.expresso.pt)
    8:49 Terça feira, 1 de Fevereiro de 2011

    I. Eis o argumento que está a ser usado na crítica às escolas privadas com contratos de associação com o Estado: “O Estado não deve financiar privados; se querem ensino privado, que paguem”. Pois, muito bem. Vamos então aplicar este belo raciocínio a outras esferas. De forma coerente, as pessoas que estão contra os contratos de associação com escolas tinham de dizer o seguinte em relação à ADSE: “o Estado não tem nada que financiar privados, não tem nada que dar dinheiro a hospitais privados, não tem nada que dar dinheiro ao funcionário público para ele ir à procura do serviço de saúde da sua escolha. Os funcionários públicos têm de ir aos hospitais públicos, pá, como toda a gente”. Mais: “vamos, então, retirar a ADSE aos professores das escolas estatais. Por que razão um professor de uma escola estatal tem direito a um seguro de saúde que lhe garante liberdade de escolha, quando o resto da população não tem direito a essa opção?”

    II. Meus caros, a ADSE é uma boa solução (ou melhor, será uma boa solução quando for uma solução para todos, e não apenas para os funcionários públicos). Esta ADSE aplicada às escolas (os contratos de associação) também é uma boa solução. É preciso acabar com este rígida dicotomia rígida público/privado. O que interessa é o serviço público, e esse serviço público pode ser feito por actores não-estatais. Alguém anda a gritar que o Estado dá dinheiro a privados através da ADSE? Alguém anda a dizer que a ADSE não é um serviço público? Claro que não. A ADSE é um serviço público feito através de hospitais e clínicas privadas. E, além de permitir liberdade de escolha ao doente, é mais barato para o contribuinte. Ora, o mesmo tem de ser dito sobre as escolas privadas em associação com o Estado: prestam um ótimo serviço público (não por acaso, os pais preferem estas escolas em detrimento das escolas estatais) a um preço mais barato. Repito: para o contribuinte, é mais barato ter miúdos numa escola privada do que em escolas estatais. Ou seja, o nosso actual modelo assente – quase em exclusivo – em escolas estatais junta o inútil (o ensino é de menor qualidade) ao desagradável (ainda por cima, a escola estatal é mais cara).

    III. A OCDE é clara: apoiar as famílias a escolher as escolas dos seus filhos é mais barato do que manter escolas estatais. Perante isto, o nosso ministério, além de não revelar os custos totais das escolas estatais, está a cortar apoio a escolas que fazem serviço público de ótima qualidade e a um preço mais baixo do que as escolas estatais. Expliquem-me qual é a lógica disto? Devíamos estar a alargar os contratos de associação, não a cortar nos ditos contratos. É isso que está a fazer o Reino Unido.”

    Haja saúde e discernimento! Saúde, espero que a tenha. Discernimento sei que não tem. Ou se o tem, aplica-se em mostrar o inverso!
    Já agora, o RSI não é um colégio de ricos, mas, por vontade do Ministério da Educação, vai passar a ser! E é pena!

  32. maria monteiro says:

    A voracidade com que os privados investem contra o ensino publico só pode dar mesmo muito dinheiro e esconder muita coisa….
    Esta história dos colégios e dos subsídios ainda vai ser uma bomba maior do que a da pedofilia na ICAR. Também negavam, negavam, negavam, e escondiam até ao dia….

    • Mãe says:

      Está enganada! É bem o contrário. Não é a escola com contrato de associação que ataca a estatal (caso não saiba a escola com contrato de associação é pública, faz parte da rede escolar pública!), é precisamente o contrário. Vá-se lá saber porquê!
      Eu pago os meus impostos e tenho o deireito a escolher a escola dos meus filhos, seja ela do estado ou de iniciativa privada.É tão simples quanto isto! Não é a Sr.ª Ministra que decide onde eu quero educá-los e onde quero que eles sejam formados. Essa agora!

      • maria monteiro says:

        Eu enganada? olhe que não mãe. olhe que não.
        Eu escolho a escola, a casa, o carro, a empregada e até o restaurante onde vou jantar. Tão simples quanto isto. Agora vou tratar dos meus impostos. Tenho aí uma permuta de casa para resolver.

        • mãe preocupada com mentiras says:

          maria monteiro, faça uma ronda pelo blog, desde novembro e verá. só não se entende porquê. é uma pena que ponham as coisas nestes termos, público/privado, quando o que se deveria discutir era com qualidade/sem qualidade.

          • joão seabra says:

            mas essa discussão não interessa a muitos destes senhores, porque têm outros afazeres.

          • maria monteiro says:

            Ó mãe eu conheço muito bem o blog. Sou visita oficial cá da casa e leitora atenta.
            Em relação a essa escola mais uma vez leio que apenas 1,6% dos seus alunos estão nos escalões A e B (mais carenciados) da acção social e que, em contrapartida, grande parte dos estudantes terá residência “nas zonas da cidade onde a habitação é mais cara”. Querem o quê? Bom se calhar são todos filhos de empregadas domésticas, porteiros e … deram como local de residência as casas dos patrões.

        • mãe preocupada com mentiras says:

          oh maria monteiro algum elemento do CRS foi bater à sua porta a pedir que lá colocasse o(s) seu(s) filho(s)? certamente que não! alguém de uma qualquer outra escola de Coimbra foi bater à sua porta, a solicitar que lá colocasse o(s) seu(s) filho(s)? certamente que não! foi a senhora que decidiu onde os matriculava, certo? optou. certo? poderia ter optado pelo CRS? claro que sim! não o fez? está no seu direito. O CRS acolhe todos aqueles que às suas instalações se dirigem a solicitar lá a matrícula dos filhos, quer sejam empregadas domésticas, secretários de estado ou porteiros. volto a repetir, O COLÉGIO NÃO ESCOLHE, É ESCOLHIDO! é escola tão pública como qualquer outra, entre o 5º e o 9ºano.


  33. ò mãe

    Eu pago os meus impostos e tenho o direito a NÂO PAGAR a escola PRIVADA dos seus filhos. Era o que faltava. É tão simples quanto isto!
    Daqui a pouco ainda diz que tem diteiro a escolher a marca do carro onde trasnportas os piquenos e que eu tenho obrigação de lhe pagar o BMW
    ou o monovolume de alta cilindrada porque só assim é que os infantes podem ter um transposrte rodoviário de qualidade.
    Haja pachorra.


  34. ò mãezinha+

    Eu pago os meus impostos e tenho o direito a NÃO PAGAR a escola PRIVADA dos seus filhos. Era o que faltava. É tão simples quanto isto!
    Daqui a pouco ainda diz que tem direito a escolher a marca do carro onde transporta os piquenos ( o carro onde os meus filhos andam quem escolhe sou eu)
    e que tenho obrigação de lhe pagar o BMW ou o monovolume de alta cilindrada, porque só assim é que os seus infantes podem ter um transporte rodoviário de qualidade.

    Haja pachorra!

    • mãe preocupada com mentiras says:

      pois é, tem razão. quem paga a educação dos seus filhos não é o senhor, não sou eu, nem é todo e qualquer contribuinte deste país. É um Sheik árabe, que não sabendo o que fazer ao dinheiro resolveu pagar a uma empresa para requalificar e construir umas escolitas, logo ao lado de outras que já existiam há alguns anitos. e tão benemérito é que ainda ofereceu a essa escola uma renda mensal de cerca de 500mil euros, para além dos projectos arquitectónicos iniciais e outras benesses de que se calhar já ouviu falar.


      • Mãezinha preocupada:

        Pelos seus últimos posts parece-me que lhe andam a acontar uma histórias das das mil e uma noites ( ou srá uma históra da carochinha?)

        • mãe preocupada com mentiras says:

          pelo seus últimos posts o senhor(a) parece-me um pouco a reboque de ideias preconcebidas, distorcidas, para as quais não tem fundamento. baseia-se no diz-que-disse e ainda não me provou a veracidade daquilo que tão veementemente AFIRMA.


  35. JB:

    “Garanto-lhe ainda que não se entra por cunhas no “Rainha Santa”. Os meus filhos entraram e ninguém me conhecia de lado nenhum.”

    Ó JB, não minta que é um pecado muito feio.EStá no catecismo. Se quiser tomar um chá comigo eu conto-lhe como é que os seus filhos entraram no rainha santa e quais os critérios de selecção.
    Já agora, o CRSI me faz sombra nenhuma – é um instituição de duvidosa qualidade educativa – não gosto é que o dinheiro dos meus impostos seja desbaratado inutilmente.
    E que usem tantas mentiras para o continuar a desbaratar.

    “Divulgado hoje, o relatório “Reorganização da rede do ensino particular e cooperativo com contrato de associação”, da responsabilidade da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, analisou a situação dos 91 colégios com contrato de associação (eram 93, mas dois já acabaram com esta ligação), considerando que existem vários casos onde é de “equacionar a resolução dos contratos de associação”.
    É o caso dos Colégios Rainha Santa Isabel, São Teotónio e São José, em Coimbra (…).Esta recomendação abrange situação “em que a oferta da rede pública se apresenta como manifestamente suficiente”, justifica o relatório.


  36. ò mãe, Então a senhora ( cof , cof) escreveu que no CRSI” há aqueles que não pagam nada porque não podem e estão lá por caridade.”
    Caridade?

    Ops!E eu que pensava que era um colégio com contrato de associação , pago com os meus impostos e portanto gratuito do 5 ao 9 ano…


  37. A escolaridade gratuita para todas as crianças NÂO È CARIDADE – é um direito constitucional garantido pelo Estado através do ensino público.

    • mãe preocupada com mentiras says:

      então, em que ficamos? uns devem pagar e outros não? agora perdi-me.

      • maria monteiro says:

        Bem enganada andava eu que pensava que as escolas católicas ofereciam ensino de graça. Afinal o de graça é à conta do Estado. P o r r aaaaa


  38. Mãezinha preocupada com verdades:

    Sim, sim a senhora perece-me bastante confusa e perdida.
    Vamos por partes. A senhora parece desconhecer os princípios constitucionais – a escolaridade gratuita para todas as crianças NÂO È CARIDADE – é um direito constitucional garantido pelo Estado através do ensino público.ENSINO PÙBLICO percebeu?

    Ou seja, os seus filhos têm livre acesso a escolas públicas de qualidade ( financiadas integralmente pelo Estado) que garantem aos seus filhos, como a todas as crianças a escolaridade obrigatória.
    Se mesmo assim a senhora quiser colocar os seus filhos no ensino privado, é livre de o fazer.
    Não pode é exigir que o EStado (e todos nós) pague os seus caprichos privados, quando há escolas públicas disponíveis ( e de excelência) na sua zona de residência. Percebeu agora?

    2 – A senhora lamuriou-se que faz sacrifícios ( imagino que económicos) para que os seus filhos frequentem o CRSI. Se isso for verdade é porque estão matriculados em anos lectivos que não são abrangidos pelos contratos de associação, pagando propinas.
    Mas se faz sacrifícios é porque quer e porque pode. Na sua área de residência há escolas públicas excelentes e com vagas, onde pode matricular as suas criancinhas. Se não o faz tem de se responsabilizar ( mesmo do ponto de vista económico )pelas suas escolhas.
    Se o faz por ignorância, por opção pessoal, por comodismo, por preferência estética, por capricho ou por beatice não me interessa nada , não é problema meu. Quer ensino privado,pague. Se paga , é porque pode pagar. Portanto, não venha lamuriar-se.

    3 _ Jà agora, aproveito para a informar que os alunos matriculados em anos lectivos que não estão abrangidos pelos contratos de associação em nada poderão ser prejudicados pelos cortes de financiamento do EStado e redução de turmas que vai haver no CRSI.
    A não ser que o CRSI utilizasse o dinheiro dado pelo Estado para financiar algumas Turmas do 5º6º7º8º9º anos de escolaridade, para financiar outras turmas ou outros anos sem o tal contrato de financiamento, coisa que de certeza nunca aconteceu, não é verdade?

    Portanto, não tem quaisquer motivos para andar assim aflita e preocupada. Se quer continuar afazer sacrifícios para pagar as propinas da sua prole, continue a fazê-lo livremente.

  39. Dário Tavares says:

    João José, olhe a surpresa que encontrei! Uma resposta sua:«Até pode ter alguma razão quanto a empreitadas. Mas não tem nenhuma quanto a gabinetes de arquitectura Pedro.»
    Já comparou o custo de um projecto de arquitectura na Parque Escolar?E já investigou os brilhantes arquitectos, que se fazem pagar daquela maneira?E como são escolhidos?
    Fico contente por já ter abordado o assunto em Abril. Mas, agora há muito mais dados e arrepiantes. Vamos a ver o que descobre a investigação levada a cabo pelo Tribunal de Contas. Verá como ficará preocupado.

    • Paulo Tomé says:

      O Tribunal de Contas???’!!!
      Meus caros, não vai encontrar nada!
      Sejamos realistas! O José João percebeu algo desta maqiavélica construção que nos deixa aqui a mandar umas bocas espumadas de raiva! Entretemo-nos e pronto! Assim o quer a boa maneira portuguesa e assim o quer o Eng. Técnico que nos governa, como a corte de criaturas que reinam na sombra do palhaço!
      O Carro dos Loucos vai passando, espezinhando tudo e as pessoas discutem o sexo dos anjos! Lembram-se da cena do Titanic do James Cameroon? O barco afundava, as pessoas morriam, mas a banda continuava a tocar! É isso que está aacontecer e o povo encontra-se nos compartimentos fechados pela tal corte, esperando a morte lentae doce da asfixia!!


  40. Olhe, Tavares, deixe-se de tretas. Eu prefiro que o dinheiro dos meus impostos sirva para financiar o parque escolar ou um novo pediátrico – estruturas que beneficiam TODAS as crinaças de coimbra – do que ir directo para os cofres dos colégios privados, que excluem a mior parte dessas crianças.

    • Dário Tavares says:

      Senhor ou senhora bluesmile nada tenho quanto às suas preferências. Só que no roubo que nos fazem com os nossos impostos depois não nos perguntam pelas preferências. Quanto aos cofres dos colégios privados, que ajuda a defender, como por exemplo, o da família Soares, cuja filha, em recente programa de manipulação televisiva se sentou ao lado da escritora ministra em mais uma aventura, e que defende posições iguais à sua, esses Colégios estão encantados com as vossas posições. Eles também querem os seus colégios só para ricos. As escolas com contrato de associação são um empecilho. Dão aos pobres o acesso que doutra maneira só os ricos poderão ter, com o acordo Bluesmile. Acha que a directora fica preocupada se lhe tirarem as turmas em contrato de associação. No dia seguinte ela abre com turmas só para ricos. E o senhor ou senhora Bluesmile fica todo orgulhoso(a). Dirá:«Porreiro, Pá, agora, os mais pobres vão gastar mais dinheiro aos impostos nas escolas do estado.Os ricos já podem ficar todos no Rainha Santa». Isto é que é uma treta, digo eu.

    • Paulo Tomé says:

      Bluesmile…….. enfim! Perfiro o Mussolini ao Franco! Que declarações tão destituídas de sentido! Parece no tempo do Salazar: prefiro o Estado Novo à 1ª República! Prefiro morrer daqui a uns minutos do que agora!

  41. Paulo Tomé says:

    A Parque Escolar é uma empresa pública criada para proceder às intervenções de requalificação e ampliação das escolas secundárias do Estado. Não lembraria ao diabo que, feita a intervenção, o património das escolas secundárias, até então do Estado, passasse para a posse desta empresa… mas lembrou ao governo. A Empresa é agora dona e senhoria das escolas secundárias públicas que passaram a ter de lhe pagar uma renda, a partir de Janeiro de 2011 – coincidências?!!. Estamos perante um primeiro e decisivo passo para uma certa “privatização” das escolas secundárias “públicas”. Esta Empresa tem fins lucrativos e era necessário eliminar dois obstáculos ao magno objectivo da maximização dos lucros desta Empresa e dos seus actuais e futuros donos que são os BANCOS: Os dois obstáculos são as escolas profissionais e as escolas com contrato de associação. As primeiras, entraram em declínio há já algum tempo e receiam justificadamente o seu futuro para além de 2013 (fim dos apoios da União Europeia). Faltava a “solução final” para as escolas com contrato de associação de forma a deixar livre o caminho para a “solução final” veio agora através destes dois diplomas legais. O Ministério da Educação asfixia financeiramente até à morte as escolas com contrato de associação mais antigas, com maior implantação junto da comunidade local e… com mais alunos. Asfixia, simplesmente, as que podem fazer alguma sombra à Parque Escolar. Por outro lado, quando o aluno completa o 9º ano, o governo vai decidir: o aluno fica na escola com contrato de associação ou vai para a escola da Parque Escolar? Uma escolha difícil, não é? Mas temos de conjugar estas medidas com outras: a criação dos chamados MEGA-AGRUPAMENTOS tem o objectivo declarado de fazer com que os alunos concluam o percurso escolar, até final do ensino secundário, no MEGA-AGRUPAMENTO. Mais uma vez, o mesmo governo empenhado em encaminhar clientes para a “sua” Parque Escolar cujos donos já são os seus boys e vão ser, no curto prazo, os BANCOS… os mesmos bancos para os quais foi encaminhada a imensa maioria do dinheiro gasto em Portugal para combater a crise. E não foi só para o BPN… As escolas secundárias intervencionadas pela Parque Escolar vão pagar em 2011 à empresa pública uma média anual de cerca de 500 mil euros de renda. Somadas as 105 escolas que já passaram para a sua dependência, a Parque Escolar encaixa quase 50 milhões de rendas, valor que triplicará daqui a cinco anos. No caso da Parque Escolar, os contratos a celebrar com as escolas terão uma duração de 10 anos. O único entrave a esta alienação de escolas por parte da Parque Escolar são mesmo as escolas com contrato associativo! As restantes já se encaminham para ser exploradas (literalmente) por esta empresa! E se as escolas públicas têm de pagar uma renda a esta empresa, quem vai pagar a renda?…o estado! Pois é! Contra isto ninguém reclama, mas vão todos pagar sem problema…são escolas públicas (por enquanto!)!E esta da Parque Escolar tem piada…o estado cria uma empresa de gestão escolar, atribui-lhe património PUBLICO e esse património tem de pagar renda à empresa! Entre isto e transferir directamente o dinheiro do estado para os gestores desta empresa, a ‘treta’ é a mesma! Isto sim, é roubar o contribuinte e é financiamento ruinoso! Escolas públicas, propriedade do estado a pagar …Parque Escolar.

    Texto de um Anónimo, in Publico, 27/01/2011

    .


  42. Vamos lá a ser um bocadinho honestos:

    1) quem tem que provar que este e outros colégios não seleccionam alunos são os seus defensores. Eu apresentei uma prova na forma de regulamento interno.

    2) não é por repetirem 100 vezes que eu minto, sem provar o contrário, que passam a ter razão.

    entendido?

  43. Paulo Tomé says:

    Caro João José,
    O amigo também afirmou que o Colégio S. Martinho escolhia alunos!O que é MENTIRA!
    Ambos concordámos que o Infanta D. Maria escolhia alunos, só não tendo essa permissa no Regulamento Oficial, porque no “não oficial” fá-lo!
    Qual é a diferença entre o CRS e O D. Maria? Esta é a minha única questão!
    Só afirmo que o CRS está a ser substituído pela Parque Escolar! Porquê acabar com o que existe para construir/substituir pelo que vai ser feito pela Parque escolar?


  44. Coelho:
    Você disse que “Perfiro o Mussolini ao Franco!”

    Nota-se , nota-se.


  45. Tomè:

    ” O Ministério da Educação asfixia financeiramente até à morte as escolas com contrato de associação ….”

    Eu não percebo essa coisa da asfixia. Se são escolas que, apesar de serem privadas viviam exclusivamente da subsidiodependência estatal , parece-me claro que essa treta da asfixia. Parece-me mais uma forma de autoasfixia…
    Enfim, vale tudo, não é?


  46. E se o CRS está a ser substituído pelo Parque Escolar isso só pode ser uma execelente notícia para os pais e mães de Coimbra.
    È que todas as crianças de Coimbra podem usufruir livremente do Parque Escolar com recursos e equipamentos excelentes. Já o CRS está vedado à maior parte das crianças de coimbra porque é um colégio privado que escolhe a clientela.
    Portanto se houver um investimento de milhões no parque escolar isso só me satisfaz, tal como m satisfaz que o EStado tenha investido uns milhões no Hospital Pediátrico , em vez de pagar a clínicas privadas.


  47. Ainda bem que a maêzinha preocupada recolheu ao colégio em retiro espiritual.
    Mas a última afirmação maternal é um must:

    “Acha que a directora fica preocupada se lhe tirarem as turmas em contrato de associação? No dia seguinte ela abre com turmas só para ricos.”

    Hum, e eu que pensava que era um colégio só para pobezinhos, coitadinhos, um colégio cheio de canalizadores e costureiras ( com todo o respeito) , um colégio pobrete mas alegrete, um colégo inclusivo, à pinha com meninos com NEE ( nem um lá existe) como diz a “mãezinha preocupada”, nas suas pungentes comunicações.

    Mas afinal poque é que a directora do CRSI se anda a lamuriar pelos jornais e a ameaçar fechar o colégio e despedir professores se lhe cortarem o dinheirito dos meus impostos, quer dizer as verbas dos contratos de associação?

    Enfim, os mistérios de Deus são insondáveis.

  48. rosa says:

    Acho horrivel o director do site.Nao quero ofender ninguem,mas…QUANDO É QUE AS PESSOAS APRENDEM A VALORIZR OS COLÉGIO PRIVADOS OU PARTICULARES?E ñao me venha com tretas de que acha que as maes nao se podem preocupar com os filhos e vice versa.Quem escolhe se poe as crianças numa escola publica ou estatal,num estituto particular ou privado ou num colegio privado ou particulãr sao os pais e os encarregados de educaçao!Por isso nao me venha com coisinhas!!!!Acho muito bom,que o estado dê uma boa maquia aos institutos e ao colegios particulares porque a educaçao èum bem escasso que neste momento so estes espaços têm a total capacidade para dar em excelentes condiçoes.Melhorar aos poucos o ensino publico/estatal e APOIAR A CEM POR CENTO os colegios e institutos particulares/privados.E já agora qual o problema de os professores darem exeplo do que é a fé,e de como se deve aplica-la? Por amor da santinha da luz!!VÊ A NOVELA REMEDIO SANTO? POIS SE NAO VE DEVIA VER SEMPRE E MELHOR DO QUE OS FILMES QUE VE NO CINEMA E EM CASA E LHE FAZEM MAL A CABEÇA!!!aCORDE PARA A VIDA E PARA A FÉ!!!!

  49. rosa says:

    Privados com força!

  50. hkihujggyyu says:

    O COLEGIO é uma bela merda!

  51. Pedro says:

    És um génio…dá mesmo para ver porque és comuna.

    Os pais dos alunos desta escola pagam os impostos que sustentam a escola publica, o financiamento público é para compensar esta situação mas está longe de ser justa.

    Já agora…é só a melhor escola do país…lol

    Ou seja, graças a escolas como esta o ensino público tem mais dinheiro e a qualidade geral do ensino aumenta. Toda a gente ganha porque choras?!? Ahhh…és comuna a tua visão do mundo é “toda a gente deve perder por igual” lol

    Talvez os pais dos alunos de ensino privado devam exigir não pagar mais impostos para o ensiono público. “Queres colégio de gado? Paga do teu bolso!”

  52. Kurcudilo says:
  53. cristina amado says:

    Muitos dos colégios privados mantêm professores com vínculo precário (tenho visto casos de recibos verdes a mais de 10 anos, sem receber nas férias, licenças de maternidade, etc) – e é aí que “poupam” nos seus custos. Quem quer ensino privado para os filhos que pague por isso e tudo bem.

  54. Adelino Ricardo Pereira says:

    Olá! Bom dia! Há lógica no que dizem mas… Os que isso assim preferem também pagam impostos. Considero violento imporem o quer que seja a quem seja! O estado é laico , os cidadãos podem não o ser!

  55. Rita Neto says:

    Bom dia
    Não me choca minimamente este RI. Pelo contrario, acho-o corretissimo.
    Choca-me, isso sim, haver pais q não elogiem esta atitude do governo q permitiu criar uma oferta educativa de qualidade superior e com acesso permitido a alunos sem recursos, diminuindo o fosso social fomentado pela capacidade financeira dos pais.
    É livre. Coloquem lá os vossos filhos. Agoram não sejam ditadores e o queiram roubar aos pais q se preocupam com a educação dos filhos.
    Deviam, isso sim, de obrigar as escolas públicas a seguir este exemplo de comunidade edcativa e educar os professores e funcionários dessas escolas

  56. Paulo Cunha says:

    Ó Zéquinha Cardoso, tanta raiva só pode ter como fundamento qualquer recalque a precisar de tratamento psiquiátrico. Sei bem que a exigência não é para todos, e que a inteligência não foi distribuída a todos de forma igual… mas ao menos podias fazer um esforço, tomar os comprimidos, e pensar DEZ vezes antes de debitares recalcamentos e dizeres os dislates azininos da tua a leitosa prosa.
    Pago integralmente os meus impostos, para financiar a borga da escola pública que temos. Quanto a ti Zeca…. és o exemplo acabado da sina só povo português e do seu lugar entre os povos. Pensa Cardoso… vais ver que não dói!

Trackbacks


  1. […] This post was mentioned on Twitter by der_terrorist, Blogue Aventar. Blogue Aventar said: O colégio “Rainha Santa”, um caso de assalto às finanças públicas em nome de deus: O Colégio Rainha Santa, em f… http://bit.ly/dNNLs5 […]


  2. […] textos acerca do Colégio Rainha Santa, em Coimbra, do Colégio Paulo VI, em Gondomar, ou do Grande Colégio Universal, no Porto, não tiveram como […]


  3. […] Quanto aos contratos de associação deixa-me rir: até este ano lectivo, ou seja durante 5 anos, aumentaram todos os patrocínios aos colégios, ou seja à Igreja e ao grupo GPS. Houve uma pequena redução agora, perfeitamente ridícula, continuando-se a sustentar colégios no centro de uma cidade com escolas públicas às moscas onde os professores sã…. […]


  4. […] igualmente o número de turmas subsidiadas sem ter em conta a concorrência desleal (porque muitas escolas privadas seleccionam os seus alunos) com o ensino […]


  5. […] Complicando mais as coisas, um colégio pode ser subsidiado parcelarmente: é o caso por exemplo do Rainha Santa Isabel em Coimbra, que apenas não tem contrato de associação para todos os níveis de ensino, embora faça selecção de alunos quando lhe apetece. […]


  6. […] GPS à parte, a ideia em cheque é esta: as escolas católicas seleccionarão os meninos e meninas bem comportados que frequentarão as suas catequeses. Quem […]


  7. […] Fonte: O colégio “Rainha Santa”, um caso de assalto às finanças públicas em nome de deus […]


  8. […] GPS à parte, a ideia em cheque é esta: as escolas católicas seleccionarão os meninos e meninas bem comportados que frequentarão as suas catequeses. Quem […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.