Assunção Cristas e a Linha do Oeste

Assunção Cristas (CDS/PP) destacou a necessidade de requalificação da linha para desenvolver o potencial turístico da região e também “animar” o porto da Figueira da Foz, com o aumento do transporte de mercadorias.
“Mais do que obras megalómanas, faz sentido ajustar o que temos e dar-lhe um novo fôlego”, defendeu a deputada, acrescentando que a modernização desta linha é uma opção mais “modesta, menos interessante para inaugurar, mas com maior impacto nas populações”.
A deputada centrista disse ainda ser “inadmissível” que um automóvel demore menos de uma hora a fazer o percurso, enquanto que o combóio precisa de duas horas e meia.

Gazeta das Caldas

Já sei: nessa altura ainda ninguém tinha descoberto o buraco (embora o BPN já fosse um caso), e não podemos viver acima das nossas possibilidades. Sucede que eu também não pedi um Plano Nacional de Barragens, nem tenho que andar a salvar bancos; mas pela Linha do Oeste assinarei o que for preciso.

Destruída pelas administrações ferroviárias nomeadas para dividir a privatizar a velha CP a linha só vai encerrar para os passageiros, já afastados pelos horários de maluquinhos (tipo paragem de 1 hora nas Caldas da Rainha “para reabastecer” quando as máquinas saem de Lisboa com gasóleo para 700km que certamente se evapora pelo caminho) e material circulante de museu, porque os comboios de mercadorias vindos das celuloses da Figueira não são pessoas.

Trackbacks


  1. […] governo que tem uma Cristas que defendia ontem o que hoje se esquece, ou um Mota a dar aos caridosos o que não dá aos pobres, um Crato que não faz absolutamente […]


  2. […] emocionam-me as palavras de Assunção Cristas, ministra do Ambiente. A sério. Filed Under: ambiente Tagged With: Assunção Cristas, barragem, barragem do sabor, barragem do […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.