Um restaurante em Coimbra

Tenho dois amigos visionários, casados um com o outro, ele, um comunicador puro, ela, uma mulher de acção. Há uns anos, contra todas as expectativas, resolveram criar um restaurante numa aldeia improvável, perto da Guarda. Deixando para trás comodidades e enfrentando riscos, o Eugénio, hedonista a tempo inteiro e antigo relações públicas, fez-se chefe de sala; a Manucha saltou dos jornais e das escolas para a cozinha, dotada também de mãos que tornam simples o acto de criar pratos extraordinários.

Desde então, o restaurante “Casas do Bragal”, na aldeia do João Bragal de Baixo, foi elogiado por clientes e incensado por críticos, tendo ganho projecção nacional. Se não acreditam, façam uma busca no google.

No dia 27 de Janeiro, com mais armas e com a qualidade do costume na bagagem, o “Casas do Bragal” transferiu-se para Coimbra. Na sua página do facebook, fica esta perigosa ameaça: “Para os indefectíveis cá estará, à vossa espera, a vitelinha assada, o risotto de cogumelos, as bochechas de porco preto com redução de vinho tinto, o bacalhau, a perdiz, a sopa de cação…Não esquecemos que entre a aletria dourada e a tarte de amoras, haverá motivo para voltar ao buffet.” Entre o bom gosto da decoração e o gosto apurado da culinária, trata-se de uma das melhores maneiras de passar o tempo. Encontramo-nos lá.

Comments

  1. mário martins says:

    Pois,sabia o amigo comum em Coimbra,não sabia era já estar em actividade.
    Quando,aqui da Beira,por aí for,não dispensarei,a deliciosa refeição,a magnífica e culta conversa e uma música de fundo sempre encantatória.
    Desejo-lhes tudo o que eles desejarem.

    Um abraço,
    mário

  2. Lucinda Coutinho Duarte says:

    Desejo as maiores felicidades a este novo projecto do casal Eugénio e Manucha!
    Coimbra bem precisa, pois tem muitos restaurantes, mas nem todos têm a qualidade a que ” Casas do Bragal” nos habituaram!!!
    Só tenho pena que o restaurante tenha encerrado na Guarda…será que não valeria a pena manter os dois? eu sei que estamos em crise…mas tenho pena que aquele local encantatório “in the midle of no where” tenha deixado de existir como restaurante único, num pedaço de paraíso terrestre que nos remetia para uma paisagem tranquilizante e única…

  3. manuela cerca says:

    +Es um querido! Bem haja a tua generosidade!!!

  4. carlos says:

    Desejo os maiores sucessos. Mas fazia falta na Guarda, onde estava, com aquele enquadramento único e aquela cozinha. É pena.

Trackbacks


  1. […] conseguimos discordar no que se referiu à qualidade da comida, do espaço e da hospitalidade. Sei que sou suspeito, mas, a partir de ontem, pelo que me pude aperceber, deixei de ser o único deste grupo: as Casas […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.