Antecipar o futuro: MEC e sindicatos não chegam a acordo sobre concursos

É só uma questão de tempo, mas algures ali para o meio do mês de Março vamos ter uma notícia deste tipo. E isto vai acontecer por duas razões:

– a proposta tem elementos que são inaceitáveis do ponto de vista dos professores;

– os sindicatos não podem assinar, nos dias que correm nada com o governo.

No que diz respeito a este último ponto, a  FENPROF com a GREVE GERAL marcada para 22 de Março tem que encontrar elementos que ajudem a levar os professores para a GREVE, logo qualquer que fosse a proposta, estaria sempre presente um não.

Do lado da FNE a situação é muito mais delicada – os seus dirigentes são, em boa medida, militantes do PSD e a proximidade com o Governo é por isso muito maior. Com o acordo infeliz entre a UGT, o Governo e os patrões, os dirigentes não podem dar outro passo em falso.

Agora, quanto à proposta em concreto,há alguns elementos que irão ser alvo de nova proposta por parte do MEC: vai criar um outro intervalo entre 6 e 21 horas, irá reduzir a exigência de 4 anos para entrar na primeira prioridade e penso que irá limitar a amplitude geográfica excessiva (obrigação de concorrer a 3 QZP’s) apenas aos docentes contratados.

Perante isto, creio que haverá condições para um levantamento generalizado nas escolas, em especial junto dos docentes contratados  –  a minha dúvida é: além das condições, haverá vontade?

Na próxima semana as reuniões continuam entre o MEC, a FNE e a FENPROF.

Comments


  1. e como podem chegar?
    escolas com 100 professores para 400 alunos continuam a existir
    o nº de horas de apoio aumentou extraordinariamente mas as salas estão vazias
    os horários dos apoios muitas vezes nem têm correspondência com os horários dos alunos


  2. Gente com baixa há 7 ou 8 anos e com psicoses graves voltam às escolas para ficar numa secretária ou a olhar para o tecto numa biblioteca…

    fez-se uma escola para satisfazer as necessidades dos professores

    a solução para alunos a quem a escola não interessa…é fazer mais exames

    numa escola de merda há mais de 50 anos …obviamente o que interessa são os concursos
    para os 4 ou 5.000 que obtêm colocações de 4 anos…e assim entram em algumas campanhas no “sistema” ora um sistema é feito de partes

    e no “sistema” escolar faltam tantas….o con curso…para ficar ao pé da casa?

    também faz mal à saúde professores a 10 minutos da escola demoram sempre 15 a estacionar
    isso e o cafezinho leva a atrasos crónicos…e ódepois os professores são tão selvagens como os alunos que produziram
    originam assis o esino metódico da selvajaria…agente fica cá pra ver


  3. Surdos com 6 anos de baixa voltam à escola e nada ouvem

    cegos abandonam a escola porque nunca a viram

    felizmente os mudos candidatam-se em massa …ósenão a ESCOLA PUTOGUESA taba perdida…

    tão novinho e já da FENPROF…

    aqui têm todos 60…58 é o mais novinho aparentemente sá tem 12 escolas…leva umas folhas…diz que temos que estar na manif (numa daquelas em que se faz carnaval…

    Até o único Carvalho & silva que o professorado tinha nas cúpulas

    foi substituido por um sessentão da Carris

  4. João Paulo says:

    #1: Creio que lavra em alguns erros, ou no caso de serem verdades, carecem de prova. Se me permite o abuso e para tornar mais rica a discussão:
    – qual é a escola que tem 100 professores para 400 alunos?
    – o nº de aulas de apoio aumentou? Em que escola? Quando? Isso é completamente falso e repito, carece de prova;
    – Se os horários de apoio não têm correspondência, incompetência de quem os fez.

    Durante anos e anos fiz horários de escolas públicas e nunca aconteceu tal coisa.
    JP

  5. João Paulo says:

    #2: Exames. Posso usar uma analogia? Se o Douro estiver poluído, resolve alguma coisa ir à foz limpar a água? O resto, permita-me que não comente porque não acrescentam elementos à reflexão.

  6. marai celeste ramos says:

    Por este tipo de diálogo não admira que de montante a juzante ninguém se entenda . E coitados dos alunos que não nasceram anormais, mas crescem anormalmente. E a única verdade insofismável é que a classe dos professores, e desde há muitos anos, que parece ser a que mais problemas de stress (grave) têm, e mais continuadamente – Eu gostava de saber porquê – Passei pelo ensino privado e pelo público (profissional) ao longo de 20 anos encontrei vários problemas a ponto de ter sido tão injuriada pelo director de uma delas, e ter refilado tanto, que me meteram processo em tribunal – O que agradeci é claro – o processo no tribunal do trabalho correu bem depressa o que nem é habitual – depois de muita nervoseira porque nunca me tinha visto e imaginado em tal alhada, ganhei o processo (e um interessante despacho do juiz que guardo carinhosamente) e, depois, fui às escolas mandar os directores à merda de maneira a toda a gente ouvir, embora tivesse ganho em tribunal, o direito de voltar a dar aulas – mas não quiz – Até porque podia mandar tudo à merda pois que tinha alternativas, o que não sucederá, certamente, ao professor regular e de carreira – que eu nem era, pelo que a “escravatura” era bem maior (mas eu ignorava o que não me interessava e interferia no meu real prazer; e o que fiz de me terem mandado para tribunal e berrei com o director até me satisfazer, deu “inspiração” a que os professores de carreira dessa Escola superir, fizessem o mesmo que eu, e tal que, o mais interessante é que, mais tarde, uma das ESCOLAS (superior privada) fechou mesmo o que me foi comunicado por colegas – Dei mesmo cabo daquela merda como um boi ribatejano – fui muitos anos toureada e já chegava – Mas tenho muitas saudades dos alunos de quem não tinha razões de queixa de maior (anos 80 e 90) e durante o tempo de ensinar até os alunos chegados de novo do ensino m+edio é claro, acsavem que de onde vinham seria de ambientes já em vias de degradação mas eu endireitava mesmo aquela porcaria, ou, então, sairia logo – E, mesmo assim, gostava de voltar ainda “à escola” – adorava os alunos e a grande mistura socio-cultural, com quem a comunicação sempre me foi fácil. Mas pelo que vou vendo, agora, as coisas pioraram de forma exponencial mas, mesmo assim, gostava de voltar. Gostava muito


  7. É o problema da net: todos somos fortalhaços e melhores do que os outros. O pior é que há sempre uns filósofos instantâneos que nem se dão a conhecer. Preferem esconder-se atrás de pseudónimos pseudo-intelectuais, mesmo. Leram umas coisitas de tradição clássica durante o curso que tiraram e não lhes serve para nada…
    É mesmo o que mais me chateia neste socio-filósofo; a sua sobranceria que redunda em isolamento megalómano. Vais longe vais, ó jovem.
    Falando de coisas sérias, temos, na verdade, um grande problema entre mãos e todas as forças serão poucas para levar o barco a bom porto. Parece-me que chegou a hora de nos levantarmos todos e virar a mesa. Se repararmos bem na inflexão do discurso do governo, no sentido em que o discurso da pieguice está a suavizar, ou a tornar-se, ele próprio, mais piegas, só temos mesmo é que o confrontar. Denunciar que este sector vai continuar a pagar a crise. O emprego docente será uma miragem para os mais novos (eu sei que o outros senhor ali em cima acha que eles é que são melhores) e mesmo os que têm algum tempo disto vêem o desemprego a aproximar-se. Não pode ser! Não é este o caminho de um país que precisa de aproveitar o potencial humano que tem, do melhor que por aí há.


  8. A FNE…foi uma construção gira como o sindicato de professores da grã lisboa


  9. Creio que lavra em alguns erros,…Escola secundária do Vale da Amoreira (Baixa da Banheira tinha 1100 alunos em 1995-8 em 2008-2009 tinha 103 professores para 383 alunos Escola Secundária do patrão da CUF 107 professores para 418 alunos no mesmo ano…podia pôr mais 20….

    – qual é a escola que tem 100 professores para 400 alunos? Agora como agrupamento de escolas Alfredo da Silva tal rácio está out…o que não impede que haja o triplo das horas de apoio que existiam há uns anos…é enviar um mail à direcçãso que eles dizem qual é o pessoal do quadro na secundária All Fredo da silva

    o nº de aulas de apoio aumentou…. Em que escola? Nas 6 em que estive o ano de 2011 Quando? Isso é completamente falso…se acha que sim… e repito, carece de prova;
    lamento já não sou director de turma há uns anos deixei de guardar as actas e demais papelame…

    Se os horários de apoio não têm correspondência, incompetência de quem os fez….

    Durante anos e anos fiz horários de escolas públicas e nunca aconteceu tal coisa.
    JP…cê jura comissão de horários em anos e anos….como voluntário?

    bolAS felizmente quainda há desses …olha na última imprimimos umas 18 versões diferentes antes da mancha de horário final….

    e sinceramente isto não me interessa provar tou farto de escolas até aos cabelos

    diz lá onde estás que eu nem con corro para aí….

    e olha se é ao pé de Oliveira de Azeméis há aí uma miúda de 27 de Inglês a precisar de um horário…o ano passado teve que ir pra 300 km de distança

    e tinha melhores notas para ficar por aí…é azar

    como é que se prova isto…simplex é ir ver o código do colocado e ir ver na lista

    tinha 12 valores e 43 dias de aulas…ela tinha 16 e 500 e picos em dias

    aparentemente ele vivia a 60 km da escola ela vivia a 40 e teve de ir pagar casa a 300 km de distância..

    por isto os sindicatos que dominam o ministério tão-se lixando

    30 de ponderação beijar o cu do director directora do agrupamento
    provas…vai ver as cartas que chegaram ao último secretário de état…


  10. Isto já nem me chateia

    Paulo Costa É o problema da net: o gajo parolo vê o problema
    Vais longe vais, ó jovem depreende que estou mais novo do que ele

    quando já nem pra jovem agricultor sirvo…

    .todos somos (faz generalizações )fortalhaços e melhores do que os outros….não sou tão imbecil e tapadinho como ocês ó agarrados da net…

    O pior é que há sempre uns filósofos instantâneos…..nunca gostei dessas merdas são uns suicidas esses gaijos

    que nem se dão a conhecer. …e o que é um Pau ló na Costa…conheci uns 30 u já morreu de overdose e enrabadelas ao serviço da nação presumo que não sejas um dos outros 29

    Preferem esconder-se atrás de pseudónimos ….isto .é uma frase ó picolho…pseudo-intelectuais, Krypteia é uma prática de inte lélé actuais sunt é um verbo Maltusiana é outra merdA QUALQUER?.mesmo.

    Leram umas coisitas de tradição clássica durante o curso NÃ nunca andei em cursos desses de direcção garantida pró desemprego…

    que tiraram e não lhes serve para nada…ou seja o gaijo acha que o processo do ensino aprendizagem pra nada serve…

    É mesmo o que mais me chateia neste socio-filósofo..; a sua sobranceria…ó sô tã pequenino e humilde nem anavalhei ninguém inda…
    que redunda em isolamento (merda isolado queria eu estar,,,
    megalómano….o isolamento(puro) raramente é megalómano isolamento resulta de processos
    geralmente mais hebefrénicos do que maníaco-depressivos

    Falando de coisas sérias,..ou seja insulta e diminui os adversários políticos e outros (FENPROF da mais pura estirpe…cruzado com uma profe de raça produzirá mais um ou dois imbecis…um paulinho e quiçá um tiago..
    temos, na verdade,.um problema grave…o estado está canibanalizado por canalha corporativa há 70 anos…

    (é uma constatação…nã é insulto…pois os funk cionários são muito impermes a in sultes
    ou solturas…31 paulos costa e nem um serve pra adubo…..

Trackbacks


  1. […] Tínhamos escrito que: “Agora, quanto à proposta em concreto,há alguns elementos que irão ser alvo de nova proposta por parte do MEC: vai criar um outro intervalo entre 6 e 21 horas, irá reduzir a exigência de 4 anos para entrar na primeira prioridade e penso que irá limitar a amplitude geográfica excessiva (obrigação de concorrer a 3 QZP’s) apenas aos docentes contratados.” […]


  2. […] o PSD e depois do acordo da UGT com os patrões e o governo, este pode ser, ao contrário do que pensava há dias, o passo seguinte do frete dos sindicalistas laranja ao governo da mesma cor. partilhar:Facebook […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.