Educação, a árvore e o beija-flor

O Ministério da Educação e Ciência pela mão do Ministro Nuno Crato tem estado a colocar no terreno um conjunto bem significativo de mudanças (está aí a segunda versão do documento da gestão), umas troikistas, outras nem por isso.

A legislação sobre a avaliação de desempenho está aí, mas basicamente atira tudo para amanhã: diz que este ano é só produzir papeladas, não há aulas assistidas e uma amostra de relatório serve.

Mas tenho uma dúvida existencial: não há progressão nas carreiras por força do congelamento na administração pública. Logo, fazer coincidir a avaliação com os escalões torna o processo uma coisa sem sentido – quando é que terminam os escalões de um tempo que não está a ser contado?

As alterações do MEC são inúmeras e começa a ficar claro o caminho que está a ser traçado.A metáfora da árvore e da floresta é preciosa neste momento – para quem olhar apenas para um dos processos (concursos, gestão, avaliação,…) até parece que as medidas poderão interessar.

No entanto, à medida que nos afastamos da árvore, começamos a ver mais do que as suas folhas. E uma análise global permite perceber o que vai na cabeça desta gente – abrir espaço na Educação para o deus mercado.

Só assim se compreende a prioridade dada aos docentes do privado, que talvez até aproveitem a oportunidade porque a reorganização curricular também vai levar gente do privado para  a rua ou para o público.

E este é o momento do Beija-flor!

Um incêndio na floresta. Tão grande a catástrofe que todos os animais começam a abandonar o ecossistema em chamas. Os elefantes a abrir caminho, fogem a quatro patas e cruzam-se com um pequeno beija-flor que vai até um lago, pega numa gotinha e volta ao local do incêndio e deixa cair a pequena gota de água.

Os elefantes surpreendidos continuam a fuga e a pequena ave continua as suas viagens. uma após outra, uma gota do lago em cima do incêndio. Também, um após outro os animais fogem, mas cada vez mais intrigados com a atitude do beija-flor.

Falta o leão – o rei  da selva, o último a abandonar o barco (não era o comandante do Costa Concórdia). O beija-flor continua.

O Rei leão, não resiste e pergunta-lhe o que é que ele está a fazer.

– “A apagar o incêndio”, respondeu.

– “Mas… Tu NUNCA irás conseguir apagar o incêndio”, responde o leão.

– “Eu sei! Mas… Estou a fazer a minha parte!”

Comments


  1. Repare-se que numa escola cheia de corporativismo

    Com desdém pelo ministério que a deveria tutelar

    Num sistema que reprova 25% e mais dos alunos que nele entram

    Com professores que se fossilizaram na função
    E repetem chavões velhos de eras…
    Eu não trabalho com grelhas nem tenho inspetor de academia, nem contas a prestar a seja quem for…..revelador…

    Nem preciso de dar lições aos meus colegas……aos meus…

    que passam muito bem sem elas….é de mau gosto dar lições aos meus pares ou eles darem-me a mim da mesma receita…cada um mete-se na sua vida

    Somos pessoas adultas….ou seja sans peur et sans repprochichi….
    gralha não é
    g’relha deve ser a que tem enfrente (em frente…o professorado está eivado dos erros que imputa (difere de in puta ou input) aos alunos …(não adultos =indultos)
    dos olhos e que lhe turva a vista….ou seja cataratas…

    e pare (a vã mania de mandar….)de interpretar o que eu digo…pensa que está falando e não escrevendo …uma mania internética…

    E meta o P grande num sítio que eu cá sei….um sítio por onde tem apetências
    fase fálica anal bucal?
    sofrem de infantilismo por privarem com miúdos da mesma idade mental

    quem arma aqui em pedagogo (pensam sempre em vocações e em pedo gogein acompanhar infantes) de P grande e espertalhão das dúzias com E é você

    ou seja P grande ao invés de médio..simbologia fálica

    con funde pedagogia com psico…

    que vem para aqui dar lições….vê a vida em termos de lições

    fazer pouco de quem não conhece…..ou seja do que os alunos lhe fazem a ele

    deve ser um lindo cinema lá na sua (a escola como propriedade da classe

    a minha escola os meus funcionários o meu reino é o discurso típico do diretor

    os meus alunos as minhas aulas…é um sistema muito egocêntrico
    .
    Pelo menos se tem a falta de respeito que demonstra aqui em relação a nós…respect não se dão ao respeito mas exigem-no

    ridicularizam as suas hierarquias mas exigem respect é a mentalidade do gang normal

    o Crato a maria de lurdes a gaja dos livrinhos para putos eram pretensamente o topo hierárquico dum sistema que leva o egocentrismo a máximos

  2. Joao says:

    Há pessoas que têm sérios problemas com a liberdade…


  3. num mundo cheio de egocentrismos e siglas MEC erro Crato (do prior dos Crassus) GAVE esperar reformas com sentido é o mesmo que esperar que um estado destruturado há centos de anos se reforme em dois…

    é estúpido mestre joão….Mas… Tu NUNCA …repare-se no ênfase do términus da história moral (é psicologia dos contos de fadas básica)

    o beija-flor tal como a mosca que caga na janela está embuído de um sentimento de missão
    tem por vocação ser fanático (ou seja seguidor de um fanum (templo) acredita que é o único que pode dar lições de moral

    a moral é a do seu templo (corporação)

    Nunca conseguirás exterminar todos os professores

    Eu sei responde o puto que matou o professor de Matemática de Al-madén(que há uns 20 anos surgiu como nota de rodapé e 1ª página no jornal o crime)
    mas estou a fazer a minha parte…

    isto de moral imoral e de imorais morais tá o mundo che….

    nã enxa mais por amor do demo….agente nã aguenta tanto reytor a dar na moral das pupilas….


  4. O país desbaratou recursos e dissipou por 1000 e tal escolas e lugarejos recursos que deveria ter concentrado…daqui a uns anos os pentium serão jogados para o lixo que engoliu os 286 os 386 os 486 e a tralha da mac…os projectores começarão a falhar
    a moeda já não dará para os substituir
    ou pagar aos professores o suficiente para terem os seus luxos
    e talvez como as professoras reformadas de físico-química que pagavam 110 contos a uma professora primária do Ceará para lhe lavar as cuecas…
    os putogoeses farão o mesmo que seus colegas brasileiros fizeram nos anos 90

    esta é a moral meninas meninos
    se não lhes pagarmos
    eles ficam finos

  5. João Paulo says:

    Mas, qual moral? Nem mural, quanto mais moral! Nada disso! Não é sequer um apelo! É uma afirmação! Perante as propostas que estão a ser colocadas, entendo que a escola pública, como nunca, pode ficar em causa. E, consciente disso, faço a minha parte. Nada mais que isso.
    JP


  6. Em 1982 havia uma professora de liceu que se dizia injustiçada, pois as suas colegas reformavam-se com o dobro do que ela ganhava…

    depois da reforma das pensões por cavaca…ficaram todas a ganhar o mesmo e a serem actualizadas…dos 30 e poucos contos que ganhava de pensão em 1982
    ganha hoje 2500 euros brutos…e continua a pagar a uma empregada dantes era beirã a 4 contos e tal agora é uma brasileira

    aparentemente liberdade (li berdade) é estar constantemente a con cordar em con cordatas …sursum corda…

    sério problema com a liberdade é haver imbecis dispostos a assassinarem pelas ideias particulares que têm da liberdade

    cada um quer ter os seus fuzilamentos e linchamentos no campo pequeno da sua mente

    ?….!!!!#


  7. João Paulo em 01/03/2012 ás 00:01 disse:

    É uma afirmação…..é uma visão do mundo

    Perante as propostas que estão a ser colocadas….fracas como todas as últimas em 37 anos de auo-gestão escolar

    entendo que a escola pública, como nunca, pode ficar em causa….errado a escola tal como os tribunais nunca mudarão são estruturas com uma inércia muito própria

    aquela treta do currículo dentes de sabre…e da recapitulação das práticas

    E, consciente disso, faço a minha parte….da minha vocação em servir um sistema

    Nada mais que isso.
    JP
    pronto é uma fé…a defesa de um fanum…de um modo muito estricto de ver um mundo de 7000 milhões num Portugal cheio de velhos e numa escola velha que não serve os novos


  8. Talvez se tivesses dado aulas noutros países percebesses o busílis

    Não que sejam melhores ou piores mas há diferenças…

    Foram o ano passado 4 meus ex-colegas para a Grã-Bretanha…apesar dos problemas de ajusttamento estão bóptimos

    os que tinham nacionalidade canadiana voltaram para lá…não se ajustaram à tacanhez da escola portuguesa

    a tecnologia não faz uma escola
    alunos e professores presos num sistema anacrónico ainda menos

    por mais mudanças que haja…nos anos 80 até puseram economia obrigatória no 9ºano

    nos anos 70 (1976)fizeram provas “quasi-globais” no 3ºciclo (exames feitos por cada escola)…mas isso foram mezinhas que nada fizeram pela escola

    tal como 13 disciplinas no 3º ciclo nada fizeram pelos alunos…entendido?

    não?

    faz mal não a cada um a sua fé…

    e mesmo em escudos há cá fé…já máquina para o fazer não garanto…

  9. João Paulo says:

    Deve ser do adiantado da hora, mas tive dificuldade em acompanhar o último comentário.
    O que sugere?
    JP


  10. O Ministério da Educação e Ciência não anda pela mão de Ministro Nenhum… Crato não tem estado a colocar no terreno nada…o ministério seja da justiça ou da agricultura tem uma vida muito própria

    e não é tirando os 900 professores que estavam e continuam (em grande parte) a estar destacados num ministério que lança muito diploma vazio de conteúdo ou de aplicação prática
    os horários zero…deviam ser redistribuídos há 10 anos…de 2002 até 2012 foram-se reformando sem sair do lugar

    fizeram voltar às escolas gente que estava de baixa variada há anos…gente que já não conseguia nem queria dar aulas…não é que seja uma medida que piore significativamente o ensino mas melhorar não melhora

    temos 70% dos professores acima do antigo 6º escalão
    com 100 e poucos mil professores para 1 milhão de alunos que diminui a olhos vistos

    o sistema deixará de ter dinheiro para se suster em 4 ou 5 anos..

    a tentativa patética de nuno crato para alterar um sistema inalterável
    nada conseguirá
    tal como as outras reformas e paixões educativas…

    não é que o ensino tenha piorado desde a década de 70….não piorou nem melhorou
    está na mesma…


  11. Sugerir o quê…um sistema não se reforma com sugestões

    A hora nem está adiantada pois nem sequer estamos na 1ªhora

    Havia um manual de Português que tinha o poema ….é a hora na 1ª página

    propunha ser um manual inovador para cortar com o monolitismo do livro único (que era mais variado a nível do lyceu mas enfim) do estado novo

    estava cheio de prosa dos amanhãs que cantam
    interpretação de textos (que eram feitos pelos professores e que os alunos se limitavam a papaguear…estamos a fazer isto porquê diziam os putos…

    estão a aprender…diziam os professores

    mas estamos a aprender exactamente o quê?…diziam os putos reaccionários

    e os professores escreviam….os putos não querem compreender as subtilezas inerentes ao texto do grande autor da classe operária…os putos tinham 11 anos…ou 12 ou 14 tanto fax

  12. João Paulo says:

    #11 – “não é que o ensino tenha piorado desde a década de 70….não piorou nem melhorou
    está na mesma…”

    Isto não é verdade. A forma como absorveu TODA a gente, ainda que – concordo – com algum abandono, algum insucesso, mas os passos dados são positivos. E aconteceram apesar dos Ministros e dos Ministérios. Estou de acordo. No terreno, muitas vezes houve a capacidade de ignorar o que vinha de cima. E bem!
    JP


  13. menos yo que tiengo insomnes in sónias


  14. Isto não é verdade. …foi nos anos 70 com as reformas do caetanismo marcelista que milhares de putos encheram as escolas pré-fabricadas com telhado de betão (cheio de crisólito…asbestos…cancro por inalação- vulgo fibrocimento) que 38 anos depois ainda subsistem

    A forma como absorveu …..e esse é o ponto absorveu não integrou na escola….TODA a gente,

    o abandono, que começou nos anos 70 com muita gente que não acabava o 9º apesar de nem todos terem dificuldades económicas…os anos 80 viram mais algum insucesso, juntar-se à heroína injectável (a escola como supermercado de droga que duma forma mais diluída ainda persiste)

    mas os passos dados são positivos….quais diz lá diferenças entre a escola onde dás aulas e a escola onde andaste….

    No terreno…mais terminologia militar…é uma batalha pela educação… houve sucessos e insucessos pontuais como em muitos outros anos antes

    de 1975 a 1977 metade dos professores não tinha qualquer grau académico ou frequência alargada de um …no entanto o ensino não era pior por isso

    nem se tornou melhor quando essa gente obteve cursos universitários por frequência ad-hoc (para esse fim) de cursinhos vários

    é como estas acções de formação vazias..formmação para quadros interactivos

    não se forma deforma-se…


  15. Meter numa escola ou numa prisão, putos que não querem lá estar…não é integrar

    é aculturar numa falsa cultura …é de facto tentar absorver misturas imiscíveis num grande caldeirão coloidal…(da vida e da morte dos colóides)

Trackbacks


  1. […] Se ainda continua por aqui, permita-me que lhe sugira que continue a ler o post porque não se vai arrepender. Não, não vamos ter mulheres nuas, mas uma fábula: E este é o momento do Beija-flor! […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.