Ai as minhas ricas exportações…

Cartoon de Santy GutiérrezLa Opinión de A Coruña

Comments

  1. Miguel says:

    Tudo bem que as exportações só ajudem alguns, mas alguém me pode explicar o porque da queda nas importações ser um mau sinal?


  2. Também não entendo e ficaria grata se alguém me explicasse!

    Na minha leiga opinião, o facto de as importações decrescerem significaria que teríamos que nos valer da produção nacional, teríamos que aprender a ser autónomos. Ora, isso significaria maior procura do produto nacional, logo maior produção e maior consumo, logo maior necessidade de mão-de-obra, logo decréscimo do desemprego, logo o dinheiro manter-se-ia dentro de fronteiras e serviria para o investimento interno. Mas, estarei, muito provavelmente, a dizer um grande disparate!


  3. Aliás, nem sequer consigo compreender como é que um país da Europa, em pleno século XXI, depende de outros para se alimentar!

    Por que é que nós não produzímos? Temos terra fértil por cultivar, temos gente para cultivar, somos capazes de cultivar produtos de boa qualidade (falo por experiência porque sou cliente da PROVE!) e importamos o que comemos!

    Há aqui, decididamente, qualquer coisa que não está bem!

  4. Amadeu says:

    A quedas nas importações é má porque é devida aos desempregados consumirem menos, aos expoliados do 13º e 14º mês consumirem menos, das empresas e pessoas falidas consumirem menos, dos novos emigrantes não consumirem em Portugal, das pessoas, que em geral não sabem o que lhes vão roubar amanhã, consumirem menos …

    Mesmo o aumento das exportações é medíocre se é devido à exportação do ouro que as famílias vendem, do gasóleo que a Petrogal vende aos EUA com um valor acrescentado ridiculamente pequeno e se é devido a vendas, a preço de saldo, de empresas e mercadorias ao estrangeiro.

    Podem crer que anda muito boa gente a vender stocks antes de declarar falência


  5. Sim, Amadeu, sim, obrigada, mas isso que me está a dizer são as causas que levam ao decréscimo da importação e o que eu quero saber é por que é que essa diminuição é um factor negativo.

    Porque, se as importações diminuem, isso significa que deixámos de consumir produto estrangeiro, certo? E significa que, em termos de bens de primeira necessidade, se deixámos de consumir os estrangeiros, passamos a consumir os nacionais, certo? Ao consumir os nacionais estamos a escoar a produção nacional e a fomentá-la, certo?

    Então, se estamos a comprar aquilo que é nosso, se estamos, através do consumo, a fomentar a produção e a investir na criação de postos de trabalho, como é que deixar de importar é mau?

    Peço desculpa, mas como sou uma autêntica nulidade na área de economia, tenho de insistir numa explicação que me encha as medidas! 🙂

    • Amadeu says:

      Isabel,

      Confesso-lhe que os meus conhecimentos de economia são mais de bom senso que teóricos.

      Nós deixámos de consumir, ponto. Quer seja importado quer seja nacional.
      Consumimos menos laranjas, sejam espanholas sejam do Algarve. Consumimos menos. De tudo.
      Claro que há menos importação. Mas não por substituição de produtos nacionais.
      Há menos dinheiro para gastar. Para tudo.

      Bom bom era mesmo haver uma maior consciencialização das vantagens de consumir português, não por patriotismo ou coisa que o valha, mas por solidariedade, por vantagens ecológicas e talvez pelo … paladar. E porque “small is beautifull”.

      Que bem que me sabe ir à feirinha à beira da estrada em Almoçageme, aos Domingos. Durante e depois.


      • “Bom bom era mesmo haver uma maior consciencialização das vantagens de consumir português, não por patriotismo ou coisa que o valha, mas por solidariedade, por vantagens ecológicas e talvez pelo … paladar.”

        Adorei esta frase e estou absolutamente de acordo consigo!

  6. André Alves says:

    Nós temos que importar comida porque tal está escrito nos acordos que sucessivamente assinamos com a União Europeia. Concretizando, para recebermos x milhões de ajudas, compromentemo-nos a produzir menos bens alimentares e a ir buscá-los a Espanha, França, Holanda, etc. Isto aplica-se à agricultura, pescas, azeites, vinhos, o que se queira.


    • Obrigada André!

      Resumindo:

      Um país de caquinha, pequenito e atrasado, aceita deixar-se alimentar por outros em troca de x milhões de ajudas, ajudas essas que, se formos a ver, não se vêem! Estarão provavelmente a ajudar contas bancárias da escassa dúzia de crápulas que nos fez entrar no jogo da CE!

      Por outro lado, os países dos quais importamos, espertos e desenvolvidos, exportam o que não lhes faz falta, ganham com isso e ainda por cima mandam em nós em todos os sentidos!
      Não, realmente, isto parece-me fantástico! E se fosse em menor escala era guião perfeito para telenovela!

      Por isso temos sempre governos bipolares: o polo da prepotência e da austeridade para nós, os portuguesitos, e o polo da humildação e da engraxadela para suas excelências os senhores da Europa, nossos amos!

      Ai, ai, que tamanha estupidez não tem mesmo solução!

      • Frederico Mendes Paula says:

        Será que a UE não assenta num modelo de fragilização (senão de destruição) das economias do Sul da Europa, a troco de uns subsídios, para alargar o mercado de consumidores dos países do Norte da Europa?


  7. A queda das importações também significa que há quebra no consumo do que produzimos, e isso é mau. Vai nuns 5%, se bem me recordo, e não significa que deixámos o supérfluo: a estatística inclui cada vez mais quem não comeu metade do frango, o que é fácil de comprovar pelo número de desempregados, sobretudo os que já nem registados estão.
    Quanto às exportações, basta lembrar que a maior fatia é da Auto-Europa, empresa estrangeira, e que as nossas maiores empresas na melhor das hipóteses pagam IRC na Holanda. Logo pouco ganho real temos, tanto mais que eles não investem os lucros, pelo menos cá
    Este cartoon é galego, publiquei-o porque avisa claramente sobre o que se vai seguir e o Banco de Portugal finge não ver: a partir de agora o nosso maior importador vai reduzir o seu consumo, etc. etc.
    Eles sabem, mas fingem mesmo não saber.


    • Obrigada, caro João José! Eu nem sequer tinha pensado na quebra de consumo na nossa produção!

      Em conclusão, quer na importação, quer na produção própria, quer na exportação, sempre estivemos, estamos e estaremos a perder!

  8. Amadeu says:

    Concordo a 100% com o Frederico.
    Mais. O mesmo esquema tentou a Europa do norte e os EUA com a China. Vendiam-lhe Mercedes, Fords e telemóveis em troca de texteis e sapatos baratos (que até eram feitos no sul da Europa e na Índia).
    Mais uma vez, o Sul da Europa que se lixe.
    Mas não querem ver que o chineses copiam tudo, mal ao principio, mas melhorando depois ?

    A nossa safa talvez seja aprimorarmos o artesanal.
    Há pouco tempo deu uma reportagem sobre a venda de peixe da pesca artesanal portuguesa ( à linha) , exportado a preços fabulosos !!

    • Frederico Mendes Paula says:

      Portugal está metido numa armadilha. A permanência na UE é um pesadelo e a saída pior ainda. Quem nos vendeu a treta da convergência europeia ou era muito ingénuo ou muito desonesto. Mais cedo ou mais tarde a nossa “vocação europeia” terá que ser repensada…

  9. Poys Poys el PIBe Engorda comu o Arsénico says:

    exportamos 60 mil milhões podemos importar 60 mil milhões

    produzimos depois muitas coisas que auto-consumimos por exemplo 25% da mandioca e da mancarra que pomos no pão e na carne

    produziamos 108% dos ovos mas tá baixando
    produziamos serviços de transporte e de limpeza de quartos e cuecas alemoas e inglesas e españolas mas isse depende da imagem do país

    há um mercado para pessoal que gosta de ser assaltado no brasil
    (mas lá o estado indemenizá)
    logo percurso turístico da curraleira ou de chelas vem que num tem

    produzimos SNS e systemas de revenda de medicamenta importada
    cousa que cria valor interno mas num compra pitroil

    e produzimos unibersidades e instiputos com putos dottores de duvidoso valor e falhos de capacidade de anál y sis
    o que cria valor mas nã tem muita procura externa para comprar esmeril para polir as rochas
    nem dinamite para tirar o cobre exportável ó ganda sável…
    ou savelho…
    que os quarenta criam cãs e buracos na mioleira
    nal gun’s and roses mai quenoutros…
    Eliminar

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.