A Educação nas ruas da República – vigília dia 18 de madrugada

A Escola Pública pegou fogo!

Já não dá para aguentar mais!

Está na hora de sair à rua. Depois da fantástica manif de Lisboa, está na hora de continuar a lutar pela Educação.
Das redes sociais surgiu uma ideia simples, mas que pode ser eficaz:

Vigília toda a noite de 18 para 19 de julho, em todas as capitais de distrito.

Lema: “Que nenhum português fique em casa!”

Em Lisboa seria junto ao parlamento, onde, nestes dois dias se vai discutir Educação.

Nas outras capitais, nas respetivas Praças da República como símbolo da importância da Educação para a República. Umas violas, umas telas para umas pinturas, uns poemas e teremos uma noite…

Começamos às 19h de 4ª feira. Uns poderiam ir dormir ou ficar…

Mas todos regressavam com o sol para terminar ao meio dia. Fica a dica….

Vamos a isso?

A ideia é mostrar à população que está em causa a Escola Pública com o aumento dos alunos nas turmas, com a redução das horas de apoio, com menos tempo para trabalhar matemática e língua portuguesa, com o fim dos CEF e dos Profissionais, com a estupidez dos Mega-agrupamentos.

Não se trata de coisa de professor!

Estamos a falar da Escola como um direito e da Escola como um pilar da Democracia e da República!

Vamos fazer da noite de dia 18 uma noite histórica – a noite em que Portugal saiu à rua para lutar pela Escola!

Comments


  1. Sendo certo que se bate no ferro quando está quente, e só se perdem as que caiem no chão, por enquanto, duvido.

  2. João says:

    É uma vigília para rezar para o aumento miraculoso de alunos necessário para justificar o actual número de professores?


    • ó bóizito: se vais por aí, vai primeiro ler as estatísticas oficiais de número de alunos, ok?
      já nem te digo que percebas do que aqui se trata. mas se estiveres entretido com números que funcionam ao contrário do desejado, ao menos não chateias.


    • E já agora, tomo a liberdade de utilizar a caixa de comentários aqui do meu colega: para seres um bóizito a sério, aprende o que é um ip. Depois escusas de mudar de mail em todos os artigos que aqui comentas.


  3. Mais do que nunca o ensino precisa de um bom programa de equivalências, pois já toda a gente percebeu que não há dinheiro para ter uma escola pública (pelo menos tantos anos). Assim, o jovem cola cartazes durante uns anos por um partido e depois… é seguir o procedimento habitual. boa semana


  4. O filme da Manifestação

    http://youtu.be/ojFt9eIgSj4

  5. fernando van-dúnem says:

    Caro este comentário é para apagar.
    Quando o sr. Nogueira decidiu deitar abaixo o malandro do Sócrates manipulando e arrastando consigo a classe estava tudo bem. De seguida brindou os portugueses indo à Madeira dar uma mãozinha ao Alberto ou envergonhadamente a interpelar o primeiro-ministro na rua. Só faltou abraços e beijos.
    Durante o primeiro ano de mandato do governo mais reaccionário (para eles é um elogio) desde o 25 de Abril o sr. Nogueira e seus companheiros estiveram em silêncio e subservientes com um ministro da educação que é uma fraude. Agora é tarde.
    Lamento pelos novos professores mas também por muitos com vários anos de escola pública que vão para a rua.
    Acredito que um dia isto vai acabar mal.

  6. Isabel Rodrigues says:

    Concordo Com o Fernando, não me revejo no Nogueira e suas bandeirolas… o sr ainda não percebeu que os tempos mudaram

  7. mjoao says:

    Esta vigília é completamente INDEPENDENTE de qualquer estrutura sindical ou associação.
    Está a ser organizada e dinamizada por um grande conjunto de professores anónimos que quer fazer mais pela Educação.

    Maria João Serpa

Trackbacks


  1. […] problemas não serão resolvidos num dia ou numa noite, mas é importante que a vigília do próximo dia 18 tenha a participação de todos os que estejam verdadeiramente preocupados com a Educação. Isso […]


  2. […] Um movimento de pessoas que não desistiu, que não desiste e que por isso amanhã vou estar na Praça da República. […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.