Zita Embaraça PCP

Não percebo os exegetas políticos do PCP. Não seria mais prudente amplificar menos as revelações de Zita Seabra, tendo em conta anos de cavalar sabotagem político-económica em Portugal?! Apesar de ser ainda novo, lembro-me perfeitamente que o PCP desses anos evocados era muitíssimo diferente do actual, na linguagem e nos métodos. Sim, valia tudo. Nesse contexto, onde os sonhos hegemonistas e fidelistas ao vaticano-Kremlin tudo autorizavam, putativas escutas acopladas a aparelhos de ar condicionado seriam até pecados menores.

Adenda: Leio, entretanto, este post no A Terceira Noite, e percebo mais a fundo a fonte de todo este folhetim. Fico, e comigo certamente milhares de consumidores domésticos de informação, à espera que Zita Seabra contradite ou confirme a insinuação abusiva de Mário Crespo. De uma forma ou de outra, dormiremos sempre bem com isto.

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    Pois concordo com tudo o que diz e ouvi a Zita Seabra nas suas declarações que nem é nenhum ás – e quanto ao que foi o PC logo desde 1974 até nem sei que ano um grupo insuportável de arqtº e engº que me fizeram a vida negra e não se coibiam de dizer alto que “era política de terra queimada” – que 12 anos difíceis foram até o serviço ser extinto

  2. Amadeu says:

    Esta história é bem velhinha. Vê-se mesmo que estamos de férias.
    Já agora, o grande dirigente Durão Barrento deve ter umas fábulas idênticas para contar.

    E no século XXI ? Quem quer escutar contrata um ex-dirigente da espiolha secreta, com um Relvas a servir de agente de ligação.

  3. edgar says:

    “A propósito da operação de diversão e insulto contra o PCP e face a solicitações de órgãos de comunicação social, foi emitido o seguinte esclarecimento pelo Gabinete de Imprensa:

    As afirmações dessa pessoa, nesta como noutras matérias, não merecem qualquer crédito ou comentário.”

  4. Nuno Castelo-Branco says:

    Qual é a surpresa? Esta “estória” dos aparelhos de ar condicionado, nada mais é senão uma página do folhetim. Bem sei que é matéria de desconforto para muita gente, mas dada a natureza do PC e a sua acção ao longo de décadas, estamos a abordar um aspecto pequenino, anedótico. Muito, muito pior – para ficarmos por aqui – foi a acção do PC durante o período de pretensa descolonização “negociada” e a sua calamitosa intervenção na economia, na educação e na administração local das periferias dos grandes centros urbanos, principalmente em Lisboa. Aliás, quem hoje ouça o Sr. Jerónimo de Sousa, pode até confundi-lo com um daqueles típicos saudosistas da 2ª República, passando os seus discursos a falar das empresas destruídas, dos campos que não produzem, dos grupos económicos estrangeiros, etc. etc. Devia ter-se lembrado disso em 1974-75, por exemplo.

    • palavrossavrvs says:

      O que temos assistido nos últimos anos é a conversão do PCP ao patriotismo estritamente português. No tempo a que te reportas, Nuno, o patriotismo comunista era basicamente o do império soviético. Os danos perduraram.

    • Maquiavel says:

      O que nos vale é que, depois desse ano escabroso, os que vieram a seguir corrigiram tudo nos 35 seguintes, tanto que agora Portugal é dos países mais prósperos da Zona Euro e passa-lhe a cryse ao lado! Ena ena ena!


  5. O senhor da fnac e do ar condicionado, era daqueles que estava esquecido e assim deveria ter ficado.

    Esta senhora tambem se torna estranha quando tem tanta necessidade de ser centro de atençoes periodicamente!!!!

  6. clara says:

    O que é estranho é a dita senhora, tendo sido dirigente do PCP, alta responsável do PCP, considerar não ser culpada dos “crimes medonhos” cometidos pelo seu amado, idolatrado, … etc.…. partido de então. Como alerta, e muito bem, Ferreira Fernandes no DN, porque não denunciou ela esse “crime”, quando se “libertou” das amarras que a oprimiam e deixou o país nas mãos da tão temida STASI??? haja paciência!
    Ela não tem culpa… mas o Crespo….

  7. Bruno says:

    Esta zita mandou umas papaias agora, talvez para libertar a pressão dos portas submarinos cujos documentos desapareceram misteriosamente e da festinha do pavilhão laranja. Num país em crise, com um governo que comete ilegalidades e não paga, com meninos que nem estudar servem e tiram cursos sei lá bem como, havia que inventar o papão comunista para desviar atenções ao que está para chegar. Esta do papão comunista só cola na mente dos decrépitos e analfabetos portugueses. Naqueles cerca de 3 milhões que em 38 anos colocam rosinhas, laranjas e azulinhos e que com um país afundado ainda querem dar a entender que a culpa é dos comunistas. De rir. Enfim e bom fim de semana a todos, sejam inteligentes ou não.

  8. Julieta Passeira says:

    Depois das cambalhotas que essa triste figura já deu, mais lhe valia estar calada:

  9. Maquiavel says:

    Isto é apenas e só consequência dela andar a seleccionar vinhos para o Pingo Doce…

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.