A directora Conceição Bernardes é um tumor do ensino em Portugal

A directora do Agrupamento Dr.ª Laura Ayres, Quarteira, decidiu cobrar o pagamento de refeições em atraso suspendendo o almoço de crianças e deixando-as assistir ao almoço dos colegas. Por uma dívida de 30 euros falamos da completa violação de tudo a que um professor está obrigado pelos seus deveres profissionais, já não falando nos mínimos da cidadania.

Se ainda existe Ministério da Educação (o que com os cortes reais no orçamento é duvidoso), ainda hoje Conceição Bernardes terá um processo disciplinar e em breve engrossará a fila dos desempregados. Não me peçam razões jurídicas para o fazer, é um dos casos em que se não as há que se inventem, as pedagógicas chegam-me perfeitamente. Um país que tem uma Conceição Bernardes à frente de estabelecimentos de ensino bateu no fundo.

Comments

  1. MAGRIÇO says:

    Caro João José, não tome isto por uma provocação, mas não consigo deixar de reparar nas afinidades que tem com Sousa Tavares: lúcido e objectivo, mas só quando o assunto não envolve o FCP. O que é uma pena…

    • Ricardo Santos PintoRicardo Santos Pinto says:

      Não percebi, Magriço. O teu comentário significa que aprovas a atitude da pseudo-professora?


      • Eheh. Ele enganou-se, este comentário era para outro post…

        • MAGRIÇO says:

          Será que vislumbro alguma dificuldade na interpretação do Português? Para além de ter dado um voto favorável ao texto, o meu comentário é bem explícito: classifico-o como lúcido e objectivo ao mesmo tempo que lamento que noutros contextos essas virtudes andem um pouco arredias. Lamento ter estragado o seu contentamento, João José. 🙂 🙂

          • TUGA says:

            E EU LAMENTO QUE TU MINHA GANDE BESTA MISTURES DIREITOS DAS CRIANÇAS COM FUTEBOL. JA DISSES-TE TUDO. EMIGRA

    • Anabela Nogueira says:

      A referida senhora levanta-se ao meio dia, só trabalho na parte da tarde, trata os professores e funcionários abaixo de cão, criou um lugar administrativo na escola para o seu marido que ficou desempregado, oferece lanches ,beberetes e jantares de Natal com os dinheiros de todos nos e ninguém diz nada. Todos nós andamos a pagar impostos para isso. Nem sequer é uma pessoa com um compertamento de docente exemplar ao longo da sua carreira já teve pelos menos dois processos disciplinares.


  2. Essa “senhora” deve ser familiar muito chegada de Merkel – que mulher sinsitra – será mesmo mulher ??


  3. E aqui no AVENTAR há “exemplares” de comentadores que dizem bem de certa mentalidade que são uma nódoa de Portaugal – podia ir ser “ajudante de cozinha/cozinado” de Gaspar – que nojo – uma priveligiada juiza-castigadora-carrasco – deve ter filhos “lindos”


    • Lei o outro lado e diga-me se nao muda de opiniao.
      Pergunto tambem se vai partilhar e comentar com a mesma veemencia sobre a inocencia ou pelo menos sobre o exagero que sao estes insultos e julgamentos castigadores que ja esta a disparar sobre a Professora.
      http://www.esla.edu.pt/joomla17/images/comunicacaoescolafamilian5.pdf

      • TUGA says:

        SIM JA LI, PRIMEIRO ELA DIZ QUE E NOUTRA ESCOLA E NO FIM DIZ QUE ESSA CRIANCA NAO PRECISA DE AJUDA, ENTAO EM QUE E QUE FICAMOS, SENAO FOI NA ESCOLA DELA COMO E QUE ELA ESPERAVA QUE ALGUMA FUNCIONARIA LHE FOSSE FALAR?E COMO SABE QUE AQUELA CRIANÇA NAO PRECISA DE AJUDA PARA COMER? E AINDA DIZ QUE ACEITA AS DOACOES DAS PESSOAS QUE LERAM A NOTICIA, ENTAO QUER RECEBER DINHEIRO QUE AFINAL E PARA OUTRA ESCOLA? A DECLARACAO NAO FAZ SENTIDO NENHUM.
        E SEM PALAVRAS A DECLARACAO SO MESMO EM PORTUGAL


        • Se lesse menos o CM e mais livros conseguiria fazer a interpretacao. A directora refere que o jornal se enganou no nome da escoal. Nao diz que nao foi na escola dela. Diz que os pais tiveram um bom periodo de tempo para provar que realmente nao podem pagar. (e’ um sistema algo antigo nas nossas escolas em que quem pode pagar contribui com uma cota e quem nao pode, prova-o e recebe dos fundos do estado).
          Esta situacao ja se prolongava a’ muito muito tempo e a direccao tal como voces declaram aqui de peito cheio, tem sentimentos e principios e sempre deixou as criancas comerem apesar dos seus pais nao pagarem. Existe referencia a muitos pais com dividas de 400 euros e que ja se puseram a andar da escola. A divida chegou aos 20 mil euros. Se esta devesse este dinheiro a’ sua empresa gostava de saber a sua opiniao..Estando entre a espada e a parede a professora teve que tomar uma medida dramatica que ninguem gosta. Nem eu. Mas percebam que se existe um mau da fita aqui. Nao e’ a professora de certeza.
          Por ultimo a professora sugere de forma algo sarcastica que todas estas almas caridosas que se levantam em defesa das criancas mas que pouco se preocupam em resolver o problema de fundo. Estas pessoas que vem dizer que acham que 30 euros nao e’ nada e que eles mesmos pagaram por isso. A isto a professora declara que muito bem. Se querem ajudar enviem esse dinheiro para pagar a divida que pais irresponsaveis e ladroes deixaram. A divida e’ de 20 mil euros. Serve esse comentario tambem para desmentir que ela tenha proibido alguem de pagar pelas criancas.
          Nao tem de que. Ajudo-o a compreender o Portugues sempre que quiser.
          As. Miguel

  4. JotaB says:

    Há quem continue a querer ver os portugueses a mendigar uma malga de sopa, para ter o supremo despotismo de a recusar.
    Para esses, essa “educação”, deverá começar bem cedo, na escola.

    http://www.youtube.com/watch?v=R_BWnhGK1wc&feature=player_embedded

    Isto não é um país, é um esgoto!

  5. Maquiavel says:

    Em qualquer país decente essa energúmena era despedida e PRESA.
    No Tugal… quem sabe näo terá um louvor do Ministro Crato!

  6. Luc De Bie (Bélgica) says:

    A directora Conceição Bernardes é uma pessoa indigna da sua carga. O maltrato psicológico das crianças é tão grave que a directora merece ser destituída, e fico admirado pelo facto de isto não ter sido feito imediatamente.

    Uma história do género aconteceu ao meu pai, cá na Bélgica. Durante a guerra, o meu avô foi obrigado, como tantos homens nos territórios ocupados, a trabalhar na Alemanha, e o dinheiro que ganhava lá ficava parado na fronteira. A minha avó ficou sozinha em casa com 4 filhos e um dia foi chamada à escola, que se não pagasse as refeições, que a escola já não dava comida aos filhos -“Não posso, porque o dinheiro que o meu marido ganha na Alemanha não chega até casa.” – “Então, minha senhora, venda a vaquinha que tem lá em casa, e com o dinheiro pague as refeições dos seus filhos.” – “Não senhora, não vendo a vaquinha, porque ela é a única maneira para eu poder alimentar os meus filhos com o leite que dá todos os dias. ” Não sei como a história acabou, se depois da discussão continuaram a dar as refeições ou não ao meu pai (que tinha uns 10 anos) e aos seus irmãos ( o mais novo tinha uns 4 a 5 anos), mas aquilo foram tempos de guerra, tempos difíceis para todos. E mesmo assim, foi uma história que marcou profundamente o meu pai, e aliás para a vida toda, porque ele ma contou inúmeras vezes, e mesmo velho, com amargura na voz.

    Imaginem agora a humiliação a que a directora expôs estas crianças que sabiam porque não comiam, e que viam ao mesmo tempo comer as outras, que com certeza à sua vez sabiam também porque alguns dos colegas não comiam. Vergonha!


  7. É um vómito…


  8. que tristeza
    sinto uma enorme vontade de chorar

  9. Teresa says:

    Porque não é esta situação denunciada pelos restantes professores? Porque não há uma queixa formal para o ministério? Ficam as perguntas!


    • Teresa, eu sou professor e estou a denunciar esta situação. Os meus colegas que ali trabalham podem fazê-lo mas cumprindo as regras da função pública, ou seja: discretamente. Se fosse minha directora e eu tivesse escrito isto teria um processo disciplinar (provavelmente o segundo, porque antes lhe teria no mínimo cuspido na cara a vergonha para a profissão que ela representa).
      E sei que, tratando-se de um crime público, ela já foi denunciada:
      http://5dias.net/2012/10/16/porque-a-barbarie-contra-as-criancas-e-assunto-de-todos/

      • Marília Costa says:

        É por estas e por tantas outras situações actuais vergonhosas, que cada dia que passa sinto mais tristeza por ter nascido neste país…. Como é possível uma professora, directora e acima de tudo um ser humano adulto, ter esta frieza e má formação moral para ter atitudes destas, e muito mais grave com crianças…. Esta “mulher”, e peço desculpa a todas as mulheres, a começar por mim, por chamar isso aquela criatura “dita” humana, é um cúmulo de tudo quanto é negativo numa Pessoa, em k no seu interior não existe nada de solidariedade nem respeito por nenhum dos outros habitantes deste planeta…. é surreal, existirem seres com este tipo de formação, valores morais e emocionais…… Tristeza pura…. 🙁

        • anonimo says:

          Infelizmente, neste País, um jornalista qualquer tem a capacidade de influenciar opiniões… e neste mesmo País, infelizmente pouco ou nada se questiona. Tentem ouvir as duas partes e depois então tirem as vossas ilacções…

    • anonimo says:

      • Não, não é falsa. Em declarações a uma estação de TV a Directora confirmou: «A criança ficou à guarda de uma outra educadora, na sala dessa educadora que almoça na escola. Portanto, essa educadora ficou com a criança, deu-lhe de comer, portanto a criança não almoçou mas não ficou sem comer e havia orientações expressas que o lanche da tarde devia ser reforçado para esta criança», contou a responsável.
        Destaco: portanto a criança não almoçou mas não ficou sem comer e havia orientações expressas que o lanche da tarde devia ser reforçado para esta criança
        “A SIC acrescenta que em substituição do almoço foi dado pão e leite à criança”.


      • bem que ja suspeitava. Obrigado pela partilha. Isto se nao for o bom senso de alguns cidadaos… se formos a confiar nos pretensos jornalistas… Isso sim e’ triste. isso e a malta que gosta tanto de novelas que agem na vida real como se tratasse duma novela. Bora encontrar um mau e mal dizer e ai que deuz me Valha…

        • Maquiavel says:

          Amanhä o seu almoço vai ser päo e leite. E depois um lanche (de päo e leite) reforçado. Gosta?
          Vá mas é gozar com o car…


          • Amigo. Quer o que? Que a professora arrote os 20 mil euros de divida do bolso dela?
            Fala da professora. E que tal referir os irresponsaveis atrasados mentais dos pais que nem pagam 30 euros da alimentacao dos proprios filhos nem se dignam a ir a escola provar que nao possuem condicoes para pagar (situacao em que a escola paga).
            E’ facil falar se nao tiver que perceber o problema. Moralistas de retrete.. Va ate’ ‘a escola mais proxima e voluntariee-se por uma semana. Vai aprender muita coisa.
            A professora em questao esta’ entre duas paredes e de maos atadas. Dize-lhe RESOLVA! mas nao lhe dao qualquer poder. No fim ela tem que ponderar. Tomo uma medida drastica ou todos os outros alunos que pagam ou teem subsidio ficam sem refeicao… Ela envia cartas aos pais a informar e nao e’ que os atrasados dos pais em vez de regularizarem a situacao, simplesmente enviam os filhos sabendo que eles nao vao comer?

            Sois manipulados de tal maneira que so quando o pais chegou aqui e’ que comecasteis a ver um nadinha do quanto enrolado estas a ser. Mas ainda acreditas nas noticias do CM…

  10. Teresa says:

    Obrigada pela sua resposta, João José Cardoso.
    Ainda bem que já houve denúncia!


  11. Às vezes sinto nojo.
    Esta situação mete-me nojo. E sinto vergonha na cara.
    Se a situação tivesse acontecido com um filho meu, o assunto tratar-se-ia de forma incontornável no próprio dia: não pode haver adiamentos de matérias fundamentais.


  12. É uma atitude indecente e indecorosa. Já agora ainda que mal pergunte alguém na escola se rebelou contra semelhante ordem? Só para saber … porque quem pactuou com a situação de ter uma criança no refeitório ou em algum lado da escola sem poder almoçar e sem resolver de imediato esse problema é desculpem a expressão cúmplice da referida sra. Por isso pergunto houve algum professor, algum funcionário que fosse contra a ordem da sra? ou o aluno ficou efectivamente sem comer? Pelo que li no CM não só houve quem se rebelasse como houve quem tivesse sido proibido de pagar o almoço à criança do seu próprio bolso. Ora neste caso a simples falta de competência passa a um outro nível porque essa proibição tem a intenção indiscutível em torturar a criança e dessa forma pressionar os pais. Isto é tortura sem outro tipo de adjectivos ou justificações. Se essa parte da noticia do CM for verdadeira esta sra não só tem de ser imediatamente suspensa instaurado um processo disciplinar com vista a despedimento com justa causa e ainda tem de ser imediatamente instaurado um processo criminal por violência contra menores, além de outros por exemplo chantagem. Não vale tudo, não pode valer tudo por melhores que sejam os objectivos e por mais pressionados que sejamos. A não ser que queiramos alinhar com oficiais das SS e dizer que apenas cumprimos ordens, agora chamadas de objectivos. Não vale tudo … nunca vale tudo.


    • A notícia narra que uma funcionária foi impedida de saldar a dívida para que a criança pudesse almoçar.

      • anonimo says:

        Colega, a notícia narra tudo menos a verdade… por isso que nenhum colega do Agrupamento se revoltou… http://www.esla.edu.pt/joomla17/images/comunicacaoescolafamilian5.pdf
        E naquele Agrupamento ninguém tem medo de processos… Fica o esclarecimento para quem quiser apurar apenas a verdade dos factos. Seria talvez interessante tentar perceber o que motivou o sr jornalista a desinformar em vez de informar…


        • Volto a dizer o que disse acima: a directora confirmou a uma estação deTV que a criança ficou sem almoço: “portanto a criança não almoçou mas não ficou sem comer e havia orientações expressas que o lanche da tarde devia ser reforçado para esta criança”


          • essa nao e’ a notica a que a maioria se refere. E mesmo este blog apenas faz referencia ao outro lado da noticia com um singelo link. A noticia publicada e por muitos discutida aqui e’ a noticia do CM que e’ uma mentira pegada. A crianca comeu. Os pais nao pagaram. O sistema nao da alternativas a’ professora. Mas exige que a professora resolva.
            Acrodem de uma vez por todas. Sera que nao veem que estao a comer o rabo?? Estao a tantar matar o mensagerio e nao os diversos responsaveis.
            Publiquem os meandros da noticia. Publiquem a resposta da professora e nao apenas um link que a maioria nem ve.. Miguel o anonimo de que o autor nao gosta 🙂


          • Este blog, em vários artigos, fornece links para várias versões da mesma notícia; numa delas, a directora assume claramente “a criança não almoçou mas não ficou sem comer”.
            Alguém precisa de um desenho para explicar o que isto quer dizer?

  13. anonimo says:

    • Não desmente o essencial, e bem tenta fugir com o rabo à seringa. Até admito que os termos da notícia não sejam exactos, mas isto:
      “A partir do dia 9 de outubro, nenhuma criança poderá
      almoçar na escola sem o respetivo pagamento e sem dívidas anteriores saldadas /negociadas.”
      Não se faz.
      O que se faz é o que foi feito a seguir: comunicar à Comissão de Protecção de Menores, e quanto a dívidas à formas coercivas de as cobrar, incluindo retirar a criança da frequência do jardim de infância, não se trata de escolaridade obrigatória tanto quanto se percebe.
      Nunca por nunca a uma criança desta idade pode ser retirado o almoço, ou mesmo fornecida uma refeição noutro local que não seja junto dos seus colegas. Não é preciso ter feito Psicologia Educativa para entender isto.
      E ficamos sem saber se comeu, e o quê.


      • Caro João: a criança ficou sem almoço por ordens da direcção. Isso mesmo é confirmado pela directora na TV, conforme tive oportunidade de comentar mais acima. Este comunicado pretendeu dourar uma pílula amarga, através do anúncio de que a medida foi tomada e outros órgãos escolares concordavam com ela. Mas a criança ficou sem almoço e isso não pode ser permitido, nem dourado, muito menos na tentativa de passar o odioso de uma decisão destas para os pais que tiveram “coragem” de deixar a criança a almoçar na escola, sabendo que poderia não lhe ser fornecida a refeição. Além de uma postura cobarde, é a confirmação da intenção, de facto, em deixar as crianças sem almoço. Não acredito que este agrupamento se debata com maiores dificuldades do que outros neste país. ESta postura é intolerável e este comunicado está ferido de morte.

  14. xico says:

    Já condenaram a professora com base numa notícia do correio da manhã, jornal que, como todos sabem, é um exemplo para o jornalismo mundial. Ninguém ouviu a professora. Esta é uma situação que se passa na generalidade das escolas. Como agir?


    • O CM fez o que lhe competia: ouviu a parte acusada. Agora se alterou as declarações prestadas, é verdade que não sria inédito. Mas mantenho que suspender o fornecimento de almoços a uma criança é inadmissível.

      • anonimo says:

        Também concordo consigo… mas tanto quanto sei, a dívida de 20000 euros , se não for saldada será retirada dos ordenados dos elementos da Direcção. Agora eu pergunto, se o colega estivesse na Gestão de uma escola como procederia sabendo que há pais com posses que não pagam as refeições dos seus filhos porque simplesmente sabiam que nada lhes acontecia??.. Atenção que me refiro apenas a pais com posses e capacidades de pagar…


        • E pergunto eu: como foi possível o Agrupamento acumular 20 mil euros em dívidas de refeições?
          O que foi feito entretanto?
          O que diz a autarquia?
          O que diz a Direcção Regional de Educação?

          aguardemos…


        • O que é referido no texto não é isso, uma dívida de 20000 euros dava para uma criança comer durante uns bons anos, e gourmet. Nunca me constou que o Director e quando muito o responsável administrativo sejam obrigados a repor dívidas de terceiros. O tempo das direcções colegiais não é este, infelizmente. De resto todas as escolas que conheço, e são muitas, praticam pré-pagamento das refeições. E nunca vi quem não tem dinheiro para as pagar ficar sem almoço.


          • Esta’ parcialmente correcto o que declarou.
            Concordo que e’ inadmissivel uma crianca nao almocar na escola (coisa que nao aconteceu pois foi-lhe atribuida uma refeicao e eu gostava de saber o que chamam uma sandocha e leite comidos a’ hora do almoco).
            Tambe’m concordo que uma cOrianca nao deve ter este tipo de alimentacao por um perlongado periodo de tempo pois nao e’ nutritiva a longo prazo. Mas para um dia chega perfeitamente.
            Tambem concordo que nao e’ aceitavel o que a Directora foi forcada a fazer. E e’ aqui que as opinioes divergem. Voces induzidos pelo CM querem a directora queimada na praca publica. Eu porque sei como funcionam as escolas e porque ao ler a noticia do CM me apercebi de algo estar errado. Fiz uma pesquisa e confrontei o contraditorio vido da parte da prof.
            Tudo isso e’ inaceitavel. Mas atentem no seguinte.
            Os pais nao devia certamente 30 euros. Declarado pela professora existiam pais com dividas a rondar os 400 euros. Pessoas que nunca provaram que nao podiam pagar (o que significa que podiam) pois se o provassem o estafdo pagaria na sua vez.
            Esta’ muito bem que nao concordem com o que a professora fez. Mas digam-me. Como resolveriam a situacao? E nao me venham com o (qualquer coisa menos isto). Digam-me precisamente o que fariam.
            A professora contactou a freguesia, contactou os fornecedores que se demonstravam bastante desagradados com dividas de 20 mil euros. Chegou ao ponto em que teve que escolher entre arranjar forma de pagar ou nao aumentar a divida de forma a manter o fornecimento de almoco a todas as outras criancas de 5 anos ou exercer uma pressao menos ortodoxa nos pais. O que ela nao esperava era que os pais se estivessam a marimbar e deixassem os filhos sem comer simplesmente porque queriam poupar 30 euros ao mes e nao queriam regularizar a divida.
            Esta senhora tem as maos atadas. Se vos revolta contestem o facto de se ter que pagar seja que quota for pelas refeicoes das criancas. Ou exijam que a acao social possa ser acionada pelos professores punindo os pais infractores. Os pais desta menia andavam a roubar do dinheiro que e’ de todos nos ou sao mentecaptos. No primeiro caso devem ser punidos. No segundo caso deve-lhes ser retirada a custodia dos filhos.
            Ao atacarem a professora e fazerem dos pais coitadinhos estao a atacar a unica pessoa que nao tem poder para alterar seja o que for. E o autor deste blog que se diz professor devia ser o primeiro a saber isto.
            Assinado Miguel.

  15. Cardúzias deles says:

    e infelizmente não é o único há cardosões deles ou cardúzias?


  16. Tudo isto é uma treta.
    Se se abrir sequer a possibilidade de não haver consequências quando alguém não paga o serviço (seja ele qual for), quantos restarão a pagar?
    E se não houver receitas por essa razão, acaba o serviço. Aí, não será um a sofrer consequências. Serão todos.
    O procedimento aparentemente seguido é o correto. As crianças/alunos cujos pais foram negligentes são mantidos à parte e é-lhes dado uma sandes e fruta. Nada de fome. Nessa noite os pais têm conhecimento do facto e no dia seguinte exercem as suas responsabilidades.
    Note-se que o custo das refeições são proporcionais aos escalões sociais. Sendo até gratuita para uns.
    A responsável Conceição Bernardes procedeu bem e em conformidade. O meu voto na petição para louvar o seu procedimento. Só assim salvaremos uma sociedade que, para dar tem de ter…


    • O Gonçalo está equivocado: existem (já) mecanismos legais para prevenir as situações de não-pagamento das refeições escolares.
      Mais sucede que as autarquias têm obrigações concretas nesta área.
      De resto, é extremamente grave imputar a crianças eventuais incumprimentos por partes dos pais ou encarregados de educação, não lhe parece? A seguir vem o quê? – deter crianças que circulem num automóvel cujo condutor (o pai) vai bêbedo?


      • Engracado. Existem mecanismos legais para combater o nao pagamento.. Sera que vive no mesmo pais que eu???
        Um dos maiores cancros neste pais e’ a justica e a impossibilidade de fazer alguem pagar uma divida que nao seja ao fisco. (e mesmo esta e’ nova).
        Tambe’m e’ engracado que esta e outras escolas tenham passado os ultimos anos a tentar tudo e todos e que se encontre esta escola com 20 mil euros de divida… Alguns pais com 400 euros de divida..
        Sera’ que a escola nao se lembrou desses mecanismos???
        Pois … nem mais… o sistema nao funciona! E a professora em questao fica com o problema nas maos. Como nao aumentar a divida. Como saldar a divida de 20mil?
        Parece que estamos a bater no responsavel errado, ou nao e’?
        Por muito errado que vos possa parecer. Existem coisas mais erradas a circundar a situacao.
        As Miguel

        • Ricardo Santos says:

          Com o dinheiro que um deputado gasta nas suas “deslocações”, dava para pagar essa dívida, 20.000€! Para alem do mais não acho justo ser uma criança a pagar o incumprimento dos pais, seja porque motivo for, existem instituições para aplicar “castigos” aos pais de crianças com esse tipo de problemas(CPCJ é um exemplo desses), a professora não deveria de ter qualquer tipo de autoridade para colocar uma criança à fome, alias deveria de ser a primeira a fazer com que essa situação não acontecesse, se tivesse o minimo de civismo, cabeça e principalmente coração. Numa sociedade onde tudo é apenas movido pelo dinheiro, o nosso futuro(as crianças) são “obrigadas” a sofrer pelo que os pais fazem, faz-me lembrar a Segunda Guerra Mundial onde Milhões de crianças foram mortas por terem nascido judias.
          NADA é justificação para fazer uma criança passar fome.


          • mas qual fome … que tristesa de pais que ou nao sabem ler ou nao se dao ao trabalho de ler….


    • Nas cantinas das escolas nunca fazem a quantidade certa de refeições geralmente sobra comida que provavelmente vai para o lixo! A actitude é para mim de todos os pontos de vista reprovavel, lamentavel e sem qualquer tipo de justificação.

  17. Zé carlos says:

    Pelos vistos a mãe é que descurou as suas responsabilidades, negando-se a pagar há mais de um ano e não atendendo os telefonemas nem respondendo às sucessivas cartas que lhe eram dirigidas:
    http://www.esla.edu.pt/joomla17/images/comunicacaoescolafamilian5.pdf

    • Maquiavel says:

      A mäe e o pai descuraram.
      A directora abusou.

      O certo é que filhos näo pagam erros dos pais.

      Entretanto, os energúmenos pais já correram a saldar a dívida. E nem precisaram de vender o telemóvel topo de gama que näo atendiam quando a directora da escola os chamava.


  18. E agora vindo de um Jornal ligeiramente melhor.
    http://expresso.sapo.pt/diretora-nega-que-crianca-tenha-ficado-sem-comer=f760996

    Mas ainda nao reflecte a real situacao.
    Gritam todos contra uma crianca que foi alimentada com o tipo de refeicao que muitos pais dao durante o tempo de praia.
    Todos se revoltam.
    Mas ninguem repara que a Professora estava a evitar um mal maior que era todas as criancas (de pais decentes que pagam e de pais decentes que nao podem pagar mas o provam e recebem fundos do estado) ficarem sem comer.

    A professora olhou para a situacao e dentro das limitacoes que tinha pensou, Melhor meia duzia de criancas comerem uma sandes do que todas as criancas da escola passarem a comer sandes ao almoco porque os fornecedores nao aceitam mais dividas.

    E para todos os que dizem que ela devia ter feito tudo menos afectar a pobre crianca. Saibam que ela fez tudo ao seu alcance. Esta e’ a realidade das escolas. Esta e’ a realidade do pais. A professora foi apenas entalada sendo que esta’ a dar o seu melhor pelos filhos de todos no’s.

    Cambada de carneiros que nao pensam para alem do que vem escrito no pasquim da manham…
    Cumprimentos Miguel

  19. Maquiavel says:

    A directora Conceição Bernardes é um tumor do ensino em Portugal, e os pais da criança säo um tumor da educaçäo em Portugal.

  20. ganhem juizo says:

    faça favor de se informar antes de fazer um texto tão mau como o que fez.
    100% culpa da mae da criança.
    0 % culpa da directora

    Sou aluno do agrupamento de quarteira (Laura Ayres) e sou dos alunos que não gosta da escola, contra esta sociedade de merda, contra todos os tipos de desigualdade no mundo.
    e esta directora não teve culpa no cartório.

    NÃO FAÇA O MESMO QUE O CORREIO DA MANHA FEZ, CONFIRME AS FONTES!!


    • As outras fontes dizem: “não almoçou mas não ficou sem comer”.
      Que, traduzindo, significa?


      • significa que almocou.
        O que tambem fica esquecido neste ensaio de noticia foi que a crianca comeu algo pois os pais que deveriam vir buscar a crianca para lhe darem de almoco so chegaram as 2 da tarde e que por isso foi fornecido um reforco para que ela realmente nao ficasse em jejum ate’ a mae se dignar a aparecer.
        Miguel


    • A culpa é da mãe, e a filha é que paga. Estamos entendidos.


  21. E aqui fica demonstrado de forma pratica o que eu ja temia.
    A noticia que nao era realmente noticia acabou por morrer.
    As mentiras publicadas nao foram contestadas pelo publico e por isso o CM continua feliz e contente com o seu jornalismo de retrete.
    A crianca continua entregue a umas bestas que tem como pais.
    Os pais nao sao punidos por exporem as criancas pelas quais sao responsaveis a situacoes como esta.
    O sistema continua a nao dar ‘as escolas forma de apanhar maus pagadores e trafulhas. (problema que afecta toda a sociedade seja em servicos publicos seja em privados)
    Os mui sensiveis cidadaos que se indignaram com o acontecido ja mudaram de canal e partilham agora fotos de gatos e piadas sobre o governo.
    O problema de fundo que gerou esta situacao continuara’ a por em risco o almoco dos nossos filhos (nossos dos que pagam ou nossos dos que nao podem pagar e recebem ajuda do estado)..
    ‘A professora foi insultada e enxovalhada nao houve um pedido de desculpas.
    E professoras e professores na direccao das escolas sabem agora que esta nao e’ uma actitude tolerada pela opiniao publica manipulada portuguesa.
    O que nao sabem e’ como entao irao eles resolver situacoes como estas que se continuarao a repetir.

    Mas todos estes outros problemas ja nao interessao aos dignos ce sensiveis cidadaos que recentemente rugiram contra a Directora. Estes cidadaos de alta moral estao agora ocupados com outros problemas morais e coisas complicadas como problemas de fundo sao deveras menores e nao merecem a sua a tencao..
    E’ desta forma que vamos gerindo democraticamente o nosso pais.
    Cumprimentos
    Miguel.
    .


    • O que ficou demonstrado, foi outra coisa. Que essa pessoa não pode ser professora, quanto mais directora, e que tem quem a defenda, vá-se lá saber porquê. E ficou também uma excelente crónica, que até um imbecil tem obrigação de entender:
      http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=2837308&seccao=Ferreira%20Fernandes&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco


      • E aqui fica mais uma prova do que dizia, o seu comentario.
        Fica tambem demonstrado como uma noticia falsa pode mudar o forma de olhar para elementos objectivos.
        Apesar de 95% da noticia aqui referida neste blog ser falsa. Apesar de todas as correcoes de informacao.
        Grande percentagem da populacao portuguesa continua a debater coisas como VERGONHA, FOME, HUMILHACAO..
        Ninguem reparou que com a correccao dos factos todos estes temas desapareceram.
        Sr professor. Como trabalho de casa peco-lhe que faca um texto detalhado do que aconteceu factualmente e sem opinioes emotivas. E publique-o aqui. Depois podera’ rematar com comentarios emotivos. Tente, Vai ver que nao doi tanto assim.

        Quanto ao seu autor do DN que ate’ imbecis entendem..
        Digo-lhe o que penso.
        E’ um autorzinho pobrezinho que aproveita a onda de indignacao ignorante e sem analizar e dissecar os factos assume a posicao na frente da onda.de indignacao. Puro oportunismo bacoco..
        Assume o mesmo tom basico de critica que o comum dos leitores sendo que ele como opinion maker tem a obrigacao de ir um pouco mais alem.
        Fica no fim a impressao de que nem se deu ao trabalho de rever os factos.
        Alias eu fiz o primeiro comentario a esse senhor.
        E continuo a achar o mesmo e’ realmente um jornalismo mediocre.
        Ate’ a peticao para despedir a senhora ja caiu, mas continuam-se a ouvir vozes a pedir sangue. Sem que percam um momento de concentracao a ler o contraditorio..
        Mais estranho Sr JJ Cardoso e’ que tal atitude venha de alguem .que se diz professor.. sera’ mesmo professor o senhor?
        O tipo de linguagem brejeira a insultar quem o contradiz com factos (insinuando que sao imbecis). E o tomar uma posicao radical sabendo perfeitamente como as escolas funcionam mal e deixam pouca margem de manobra aos professores. Mais ainda sendo professor deveria saber portugues suficiente para identificar aqui que nao houve humilhacao, nem fome, nem ataque aos direitos das criancas. Apenas um grave problema interno no sistema de educacao. Que como professor ja deveria saber bem que existe. Apenas a pessoas que ignoram como funciona o sistema de ensino, pessoas com dificuldades em dissecar informacao seria permitido um erro colosal como o seu.
        Cumprimentos
        Miguel.

Trackbacks


  1. […] 16/10/2012 Por dariosilva Deixa um Comentário … mas sou permissivo à abertura de excepções. Facebook Filed Under: curtas Tagged With: Agrupamento Dr.ª Laura Ayres, almoço, Conceição […]


  2. […] Comentário A directora do Agrupamento Dr.ª Laura Ayres emitiu um esclarecimento, desmentindo a notícia aqui referida. Compete a um jornalista, perante uma acusação, ouvir o acusado. Aparentemente foi isso que foi […]


  3. […] existem e não são poucos, é perfeitamente natural. Vale tudo para cobrar uma dívida. O caso da directora do Agrupamento de Escolas Laura Ayres é agora uma perfeita parábola de um país e daquilo que o divide quanto à vida e quanto à […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.