De pé, ó vítimas da fome!

Há qualquer coisa de estranho nestes dias de Novembro, nas notícias que se cruzam como dentes de garfo em bifes do lombo. Primeiro vem o PSD anunciar a aurora – como aconteceu ontem – pois que, lá no país deles, “os dados começam a ser favoráveis e os esforços valem a pena“. Depois, a realidade de um outro país, que (pelos vistos) desconhecem.

Uma professora partilhou um estado de desânimo numa rede social de hoje: “Doente.Depois da desistência de dois alunos porque não têm dinheiro para o passe, hoje um aluno desmaiou na aula por fome. Num 11º ano. Em Lisboa. Portugal. 2012″. Afinal isto já não se passa só com as crianças, cujos pais o Governo empobrece mas a quem há-de mandar uma assistente social para verificar a situação e, quiçá, institucionalizar (linda, a palavra). Afinal a fome começa a ser transversal. Afinal a minha amiga A existe, e sempre é verdade: deixou de pagar a água durante vários meses para poder continuar a comer massa e atum, ao jantar, mais as duas filhas. Tantos anos a viver acima das possibilidades havia de dar nisto.

Há alguma coisa de estranho nestes dias de Novembro. E nós bem sabemos o que é. Será que alguém pode contar à tia Isabel?

Comments

  1. Maria Silva says:

    Engulo em seco sempre que leio ou oiço notícias ou histórias sobre a fome, em especial a que se detecta nas escolas. Até quando e quantos de nós vão aguentar?

  2. antónio oliveira says:

    Estranho sim e bem estranho. Parecem coexistirem duas realidades a oficial e a da rua.

  3. maria celeste d'oliveira ramos says:

    Já começo a ouvir este tipo de notícia vezes demais – nos jornais e alguns noticiários TV e mesmo reportagem de escola + cozinha e refeitório – Trabalhei em escola secundária em que fizemos Jardim e Horta para os alunos aprenderem ciências naturais e botánica e mexerem na terra quando era caso disso – foi muito bonito – ninguém, creio eu, recusa hortas e jardins e perceber como se semeia e a que plantas dão origem e o valor da terra

  4. Carla Romualdo says:

    Paula, falhei a estreia, mas acho que ainda venho a tempo para dar-te as boas-vindas.

Trackbacks


  1. […] desmayó de hambre  del 11 año. En Lisboa 2012″  generando una ola de consternación en las redes sociales portuguesas . La profesora luego declaró a la prensa que la única ayuda que le daba la escuela a este […]


  2. […] desmayó de hambre  del 11 año. En Lisboa 2012″  generando una ola de consternación en las redes sociales portuguesas . La profesora luego declaró a la prensa que la única ayuda que le daba la escuela a este […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.